B2B or not 2B | Resumo semanal do mundo corporativo

Por Stephanie Kohn | 15 de Fevereiro de 2019 às 16h03
divulgação

Bem-vindo ao nosso resumo semanal do mundo corporativo. Toda sexta-feira selecionamos as principais notícias que rolaram nos últimos dias para você ficar por dentro dos assuntos mais relevantes do momento.

De volta ao jogo

A Oi finalmente está saindo de sua crise financeira. A companhia, em 2016, lançou um plano de recuperação judicial para se levantar de dívidas na casa de R$ 65 bilhões, considerado o maior pedido da história do Brasil. Agora, a operadora voltou ser recomendada por analistas.

Segundo levantamento da Bloomberg também publicado pela Exame, atualmente a operadora conta com quatro recomendações de compra, uma de manutenção e três de vendas, considerados positivo para uma companhia com o maior pedido de recuperação judicial há dois anos e meio. O preço médio das ações é de R$ 1,90, com aumento de cerca de 34%, aponta o levantamento.

EUA x China: a treta

De acordo com uma reportagem do site Politico, que cita três fontes anônimas que trabalham na Casa Branca, o presidente Donald Trump irá assinar uma ordem executiva que proíbe que qualquer operadora de telefonia dos Estados Unidos use equipamentos da Huawei e da ZTE no país no fim deste mês.

A medida já está sendo comentada nos bastidores há alguns meses, mas, segundo as fontes, Trump está sendo pressionado para assiná-la antes da MWC (Mobile World Conference), passando a mensagem para as empresas de telefonia de que todos os contratos assinados deverão priorizar a segurança da informação dos clientes e não apenas os custos de instalação.

Essas fontes ainda revelam que a Huawei e a ZTE não estão citadas nominalmente na ordem executiva, mas ambas se enquadram na categoria “equipamentos para telecomunicações de empresas chinesas” que será proibido pela decisão.

Maior independência

A Google está expandindo seus trabalhos de criação e desenvolvimento de semicondutores, de forma a ter maior controle e personalização na fabricação de chips para os próprios dispositivos. Segundo fontes ligadas à iniciativa, pelo menos uma dezena de engenheiros e outro profissional especializado já teria sido contratado para trabalhar em uma nova unidade da gigante localizada na cidade de Bangalore, na Índia.

A ideia, como sempre, é focar em um trabalho direcionado e relacionado aos próprios equipamentos da companhia, que vão desde seus data centers até os celulares da linha Pixel, reduzindo a dependência e também um trabalho de customização que, hoje, é feito pela Intel, sua grande parceira nesse segmento.

Mais do que reduzir a dependência de parceiros e aumentar a eficiência de soluções com componentes desenvolvidos sob medida no longo prazo, a iniciativa também serve como um bom caminho para redução de custos. É uma experiência pela qual nomes como Apple, Facebook, Microsoft e Amazon já passaram com sucesso.

Aquisição estratégica

O Facebook adquiriu a GrokStyle, uma startup de São Francisco que usa inteligência artificial para ajudar os usuários na compra de móveis. Vanessa Chan, porta-voz do Facebook, contou que a tecnologia e equipe da companhia ajudarão a contribuir nos esforços da empresa de Mark Zuckerberg.

Com a tecnologia da GrokStyle, os consumidores podem tirar fotos de um produto na rede Ikea para descobrir outros similares para compra. A rede social não compartilhou quais áreas da empresa serão beneficiadas com a aquisição.

Novo mercado

A Airbnb anunciou que começará a ofertar transporte e hospedagem aos usuários da plataforma. Com a iniciativa, a empresa também acertou a contratação de Fred Reid, executivo que vai liderar o novo departamento.

Reid trabalhará para estabelecer parcerias com outras empresas do setor de turismo e transportes. Ele é especialista em aviação e possui mais de 30 anos de experiência na área. Ele também foi executivo fundador da Virgin America, presidente da Delta Airlines e liderou a formação da SkyTeam.

Condenada

Depois de quase uma década nos tribunais, o caso entre a Qualcomm e a Fair Trade Comission (FTC), órgão que gerencia todas as regras do comércio na Coreia do Sul, chegou ao fim — e a empresa foi quem saiu derrotada. A Qualcomm terá que pagar uma multa de US$ 180 milhões de dólares pela utilização de práticas de monopólio entre os anos 2000 e 2009. A empresa não poderá mais recorrer.

A história teve início em 2009, quando a FTC multou a Qualcomm em US$ 242 milhões por providenciar incentivos (como descontos na compra e menores taxas de licenciamento) para fabricantes que utilizassem mais do que uma determinada quantidade de chips da empresa em seus telefones, o que fez com que, entre os anos de 2000 e 2009, a empresa tivesse um verdadeiro monopólio do fornecimento de chips de telefonia na Coreia do Sul, sendo a única fornecedora de marcas como Samsung e LG. A Qualcomm então se recusou a pagar a multa, levando a disputa para a justiça.

Tipo uma criptomoeda

O maior banco dos Estados Unidos e uma das principais instituições financeiras do mundo, o JP Morgan Chase, anunciou a criação de uma criptomoeda própria. Mas, não se engane, a JPM Coin, como será chamada, não terá livre negociação como a Bitcoin e afins, cujos valores variam de acordo com seu volume. Um JPM Com será atrelado ao dólar e valerá US$ 1.

A instituição lançou a JPM para facilitar transferências e transações, além de reduzir custos bancários envolvidos nos serviços financeiros. Basicamente, o banco propõe uma contraparte à transferência de fundos tradicionais, com o uso da tecnologia da blockchain e um sistema gerenciado pela própria instituição, bem como com todo o apoio de reguladores e autoridades.

O lançamento é voltado apenas a grandes corporações, mas deve liberar o sistema para alguns clientes preferenciais. Vale lembrar que o Signature Bank foi o pioneiro na criação de uma criptomoeda própria que segue exatamente o mesmo modelo.

Novo líder

A Nokia anunciou o paulista Luiz Tonisi como seu novo diretor. O executivo será responsável por dirigir os negócios e operações da companhia no Brasil.

Tonisi é funcionário da Nokia há sete anos e, em seu último cargo, foi diretor de vendas. Com o novo comando, a empresa vai buscar a consolidação de estratégia da marca que coloca o cliente e o desenvolvimento de serviços, como o 5G, em primeiro lugar.

Por água abaixo

A Amazon, oficialmente, desistiu de construir seu segundo quartel-general em Nova York, depois de muita controvérsia. Quando a empresa anunciou que estava interessada em construir uma nova sede, para além da original em Seattle, dezenas de cidades pelos Estados Unidos ficaram em polvorosa. Afinal de contas, além da construção em si, a instalação de uma sede da empresa poderia gerar 25 mil de empregos com altos salários (média de US$ 150 mil anuais) e bilhões de dólares em impostos num longo prazo.

Entre promessas de incentivos fiscais e melhorias de infraestrutura, a decisão ficou entre o Queens, em Nova York, e Crystal City, em Arlington, no estado da Virgínia. Nova York venceu e o estado teria concordado em aceitar isenções fiscais no valor de US$ 3 bilhões. Porém, o senador Michael Gianaris e outros políticos da região começaram então a fazer uma forte oposição contra essa isenção fiscal para a Amazon. Além da parte financeira, os opositores do acordo também reclamavam da forma como ele foi negociado, sem um debate mais aberto com a população.

Com a desistência, a nova sede da Amazon passará, então, ao segundo colocado na pesquisa: Crystal City.

Xing-lings europeus

Em 2018, Huawei, OPPO, Xiaomi e outras passaram a responder por 32% dos aparelhos que são enviados ao continente europeu. Os dados são da empresa de análise de mercado Canalys. Entre 2017 e 2018, a porcentagem de envio de aparelhos asiáticos para o continente cresceu 8%. É o crescimento mais acelerado dos últimos anos.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.