Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

CES 2023 | Nvidia GeForce RTX 4000 chega aos laptops com consumo 66% menor

Por| Editado por Wallace Moté | 03 de Janeiro de 2023 às 19h14

Link copiado!

Nvidia
Nvidia
Tudo sobre Nvidia

Além da aguardada RTX 4070 Ti, a Nvidia apresentou durante a CES 2023 a família GeForce RTX 4000 para notebooks, prometendo ganhos massivos de desempenho e eficiência energética. Já revelada por completo, com 5 modelos nesse momento inicial, as soluções estreantes forneceriam aos laptops desempenho similar a algumas das placas mais avançadas da família RTX 3000, como a RTX 3080, mas consumindo apenas 1/3 da energia, enquanto oferece os recursos avançados da nova microarquitetura Ada Lovelace.

As novas GPUs mobile da Nvidia são lideradas pela inédita GeForce RTX 4090 — apesar do nome, as especificações desse chip passam longe da RTX 4090, mas ainda impressionam. Com chip AD103, o mesmo empregado na RTX 4080 para desktops, o componente possui 76 Streaming Multiprocessors (SMs) habilitados, compostos de 9.728 núcleos CUDA, 76 RT Cores para Ray Tracing e 304 Tensor Cores para DLSS e outros recursos de Inteligência Artificial.

Sua faixa de consumo é estabelecida entre 80 W e 175 W (150 W + 25 W do Dynamic Boost), mesma da RTX 3080 Ti mobile, enquanto os clocks são modestos para a arquitetura, chegando aos 2.040 MHz. Com isso, a RTX 4090 mobile poderia oferecer até 39,7 TFLOPs de poder computacional, o que, no papel, a colocaria no mesmo nível da RTX 3090 Ti e da própria RTX 4070 Ti para desktops. Apesar de não estar confirmado, vazamentos já indicavam que a flagship mobile da nova família poderia oferecer performance similar à RTX 3090.

Continua após a publicidade

Completa a ficha técnica 16 GB de VRAM GDDR6, trabalhando em uma interface ampla de 256-bit, mas de largura de banda desconhecida, já que não está confirmada a velocidade dessas memórias. Logo abaixo dela está a GeForce RTX 4080 mobile, munida do chip AD104 (o mesmo da RTX 4070 Ti), habilitado com 58 SMs (dois a menos que a 4070 Ti) compostos por 7.424 CUDA cores, 58 RT Cores e 232 Tensor Cores.

O consumo vai de 60 W a 175 W (150 W + 25 W), enquanto os clocks são mais agressivos ao atingir os 2.280 MHz, para oferecer dessa maneira até 33,8 TFLOPs de poder computacional, número próximo ao da RTX 3080 Ti para desktops. O lançamento embarca 12 GB de VRAM GDDR6, em uma interface de 192-bit e, mais uma vez, com largura de banda desconhecida, já que as velocidades não foram informadas.

A Nvidia fez questão de separar esses dois modelos do restante da família, como forma de destacar o altíssimo nível de desempenho que são capazes de fornecer. Segundo a companhia, ambas teriam fôlego para reproduzir games em até 3 monitores 4K a 60 FPS, podendo ser até 4 vezes mais rápidas que as antecessoras, desde que usando a geração de quadros com IA do DLSS 3 — como sempre, é preciso esperar os reviews para sabermos as reais capacidades dessas GPUs.

Notebooks equipados com as novas RTX 4090 e RTX 4080 mobile, como modelos da família Alienware ou ASUS ROG Strix Scar, estão previstos para chegar ao mercado em 8 de fevereiro, com preços que devem partir de salgados US$ 1,999 (~R$ 10.925). Não é possível prever se veremos essas soluções chegarem ao Brasil, já que para laptops, a disponibilidade está vinculada aos planos das fabricantes dos dispositivos.

RTX 4070, 4060 e 4050 com suíte Max-Q de 5ª geração

Talvez o trecho mais interessante do anúncio, e que deve atender à maior parte dos usuários, é o das soluções intermediárias, as novas RTX 4070, RTX 4060 e RTX 4050 mobile. Mais equilibradas e bastante focadas no custo-benefício, o trio ofereceria desempenho equivalente à RTX 3080 (provavelmente em sua versão mobile), mas consumindo apenas 1/3 da energia.

Continua após a publicidade

Os modelos dos chips ainda são desconhecidos, mas vazamentos sugerem que a RTX 4070 embarca o inédito AD106, enquanto a RTX 4060 e a RTX 4050 utilizarão o também estreante AD107. Mais robusta, a 4070 traz 36 SMs, compostos de 4.608 núcleos CUDA, 36 RT Cores e 144 Tensor Cores, operando em uma faixa de consumo entre 35 W e 140 W (115 W + 25 W de Dynamic Boost). Atingindo clocks de 2.175 MHz, a solução entregaria até 20 TFLOPs de poder computacional, algo próximo da RTX 3070 pra desktops.

Há ainda 8 GB de VRAM GDDR6, em interface de 128-bit, mas de velocidade e largura de banda desconhecidas. A GeForce RTX 4060, por sua vez, conta com 24 SMs, apresentando 3.072 núcleos CUDA, 24 RT Cores e 96 Tensor Cores, em faixa de consumo de 35 W a 140 W (115 W + 25 W de Dynamic Boost). Os clocks chegam aos 2.370 MHz, garantindo até 14,6 TFLOPs, capacidade similar à da antecessora, o que abre margem para um alerta — como as arquiteturas são diferentes, não é exatamente possível realizar uma comparação direta.

As configurações de memória são as mesmas da RTX 4070, com 8 GB GDDR6 em interface de 128-bit e de velocidades e largura de banda desconhecidas. Por fim, a RTX 4050 estreia com 20 SMs, compostos de 2.560 núcleos CUDA, 20 RT Cores e 80 Tensor Cores, trabalhando com consumo entre 35 W a 140 W (115 W + 25 W de Dynamic Boost). As frequências atingem os 2.370 MHz, proporcionando até 12 TFLOPs de poder computacional. Há ainda 6 GB de VRAM, em interface de 96-bit.

Continua após a publicidade

Os três chips intermediários não chamam atenção apenas pelo consumo baixíssimo — as promessas de desempenho da Nvidia impressionam. Além de posicioná-los como soluções preparadas para gameplay em 1440P no Ultra com taxas de quadros acima dos 80 FPS, a gigante garante redução do tempo de renderização de modelos 3D no Blender de 2,5 horas para apenas 10 minutos e performance suficiente para fazer notebooks de 14 polegadas proporcionarem o dobro de performance do PlayStation 5 com 1/5 do tamanho.

As estatísticas sugerem que mesmo aparelhos com a RTX 4050, e até ultrabooks de baixa espessura e consumo muito mais limitado, poderão ter fôlego para jogar títulos pesados com alta qualidade sem sofrimento. Complementa essa possibilidade a suíte Max-Q Technologies de 5ª geração, que traz três novidades: memórias GDDR6 com "a menor voltagem do mercado", novo controlador de memória Tri-speed que possibilita às GPUs aumentarem ou reduzirem as voltagens da RAM dinamicamente, e as próprias melhorias da arquitetura Ada Lovelace.

Continua após a publicidade

Os primeiros notebooks com as soluções intermediárias da Nvidia, como o ASUS TUF Gaming F15 e A15, e o novo Dell G15, já foram apresentados, e estão previstos para chegar ao mercado em 22 de fevereiro, com preços a partir de US$ 999 (~R$ 5.460). O Brasil deve receber um número significativo de laptops com esses chips mais básicos, mas ainda não há informações sobre preço e disponibilidade.

A Nvidia encerrou o anúncio destacando algumas das marcas que foram confirmadas para utilizar a família Nvidia GeForce RTX 4000 mobile, estando entre elas Acer, Alienware, Gigabyte, HP, Lenovo, MSI, Razer e Samsung (possivelmente com a família Galaxy Book 3, vazada recentemente), além das próprias ASUS e Dell.

Já entre as fabricantes de dispositivos white-label, cujo chassi é padronizado e utilizado por distribuídoras pelo mundo, estão confirmadas CyberPower PC, Eluktronics, Hasee, PC Specialist 3XS by Scan e Schenker — a brasileira Avell não é citada, mas pode ser inclusa na pacote por usar os mesmos chassis da Eluktronics.

Nvidia GeForce RTX 4090 Mobile: ficha técnica

Continua após a publicidade
  • GPU: AD103
  • Streaming Multiprocessors (SMs): 76
  • CUDA Cores (Núcleos): 9.728
  • Tensor Cores (IA): 304
  • RT Cores (Ray Tracing): 76
  • Frequências: 1.455 MHz (Base), 2.040 MHz (Boost)
  • Poder computacional (FP32): até 39,7 TFLOPs
  • Memória VRAM: 16 GB GDDR6
  • Interface da memória: 256-bit
  • Velocidade da memória: N/A
  • Largura de banda: N/A
  • Consumo: 80-150 W (175 W com Dynamic Boost)

Nvidia GeForce RTX 4080 Mobile: ficha técnica

  • GPU: AD104
  • Streaming Multiprocessors (SMs): 58
  • CUDA Cores (Núcleos): 7.424
  • Tensor Cores (IA): 232
  • RT Cores (Ray Tracing): 58
  • Frequências: 1.350 MHz (Base), 2.280 MHz (Boost)
  • Poder computacional (FP32): até 33,8 TFLOPs
  • Memória VRAM: 12 GB GDDR6
  • Interface da memória: 192-bit
  • Velocidade da memória: N/A
  • Largura de banda: N/A
  • Consumo: 80-150 W (175 W com Dynamic Boost)

Nvidia GeForce RTX 4070 Mobile: ficha técnica

Continua após a publicidade
  • GPU: N/A (possivelmente AD106)
  • Streaming Multiprocessors (SMs): 36
  • CUDA Cores (Núcleos): 4.608
  • Tensor Cores (IA): 144
  • RT Cores (Ray Tracing): 36
  • Frequências: 1.230 MHz (Base), 2.175 MHz (Boost)
  • Poder computacional (FP32): até 20 TFLOPs
  • Memória VRAM: 8 GB GDDR6
  • Interface da memória: 128-bit
  • Velocidade da memória: N/A
  • Largura de banda: N/A
  • Consumo: 35-115 W (140 W com Dynamic Boost)

Nvidia GeForce RTX 4060 Mobile: ficha técnica

  • GPU: N/A (possivelmente AD107)
  • Streaming Multiprocessors (SMs): 24
  • CUDA Cores (Núcleos): 3.072
  • Tensor Cores (IA): 96
  • RT Cores (Ray Tracing): 24
  • Frequências: 1.470 MHz (Base), 2.370 MHz (Boost)
  • Poder computacional (FP32): até 14,6 TFLOPs
  • Memória VRAM: 8 GB GDDR6
  • Velocidade da memória: N/A
  • Largura de banda: N/A
  • Consumo: 35-115 W (140 W com Dynamic Boost)

Nvidia GeForce RTX 4050 Mobile: ficha técnica

Continua após a publicidade
  • GPU: N/A (possivelmente AD107)
  • Streaming Multiprocessors (SMs): 20
  • CUDA Cores (Núcleos): 2.560
  • Tensor Cores (IA): 80
  • RT Cores (Ray Tracing): 20
  • Frequências: 1.605 MHz (Base), 2.370 MHz (Boost)
  • Poder computacional (FP32): até 12 TFLOPs
  • Memória VRAM: 6 GB GDDR6
  • Velocidade da memória: N/A
  • Largura de banda: N/A
  • Consumo: 35-115 W (140 W com Dynamic Boost)

Fonte: WCCFTech