Review Poco X3 GT | O celular 5G que não pega bem

Por Bruno Bertonzin | Editado por Léo Müller | 02 de Dezembro de 2021 às 16h39
Ivo Meneghel Jr/ Canaltech

Em março deste ano, a POCO — marca subsidiária da Xiaomi — oficializou o Poco X3 GT, smartphone intermediário premium que chega ao mercado com a proposta de popularizar a conectividade de rede 5G, já que pode ser encontrado no mercado com um preço mais baixo em relação aos concorrentes.

Além do suporte à internet da nova geração, o smartphone é equipado com a plataforma móvel MediaTek Dimensity 1100 e conta com até 256 GB de armazenamento interno e 8 GB de RAM.

Mas será que essas especificações são o suficiente para justificar sua compra? Vamos conhecer, portanto, suas principais características e analisar melhor cada uma de suas funções para chegar a uma conclusão.

Prós

  • Suporte à rede 5G
  • Taxa de atualização de 120 Hz
  • Carregamento de 67 W
  • Alto falante estéreo
  • Bom custo-benefício

Contras

  • Sem expansão com cartão microSD
  • Sem conector dedicado para fones de ouvido
  • Taxa de atualização adaptativa sem definição automática
  • Quedas constantes de rede móvel

Design e Construção

O Poco Poco X3 GT conta com acabamentos feitos em plástico, tanto na traseira quanto em suas laterais. Com dimensões de 163,3 de altura x 75,9 de largura x 8,9 mm de espessura, ele oferece um bom encaixe na mão e seu material ajuda o dispositivo a não escorregar — o que oferece uma segurança maior, mesmo sem o uso de uma capinha de proteção.

Ainda assim, instalar o acessório no smartphone é bastante indicado, já que quedas acidentais podem fazer a tela trincar, apesar da proteção Gorilla Glass Victus do display, ou causar outros danos ao aparelho.

A proporção da tela, com bordas finas e um pequeno recorte em forma de furo no display é um bom atrativo no celular, já que permite assistir a filmes e séries — ou até mesmo aplicativos em tela-cheia — com um aproveitamento maior.

POCO X3 GT tem acabamento premium na traseira (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

O celular não é muito leve — ele pesa 193 gramas — mas isso é comum, se considerarmos o tamanho de sua bateria e do próprio corpo, com a construção em vidro. De qualquer forma, seu peso não chega a ser um incômodo e está de acordo com os padrões de hoje.

  • Dimensões: 163,3 x 75,9 x 8,9 mm
  • Peso: 193 gramas

O sensor de impressão digital fica posicionado na lateral do aparelho e divide espaço com o botão de energia. Para quem está acostumado com a biometria na tela, pode ser difícil se acostumar no começo, mas essa organização facilita na hora do desbloqueio, já que basta posicionar o dedo na tecla para desbloqueá-lo assim que pega o aparelho.

Em relação à organização e posicionamento de teclas e conectores, o dispositivo é bem padrão: na lateral esquerda encontramos as teclas de energia e controle de volume e, na direita, a gaveta de SIM Cards — com espaço para dois chips de operadora.

Já na parte inferior, o Poco X3 GT possui uma entrada USB-C para carregamento e transferência de dados, um alto-falante e um microfone, sem espaço dedicado para fones de ouvido com plugue de 3,5 mm. Em cima, o dispositivo tem um sensor infravermelho e mais um alto-falante, para entregar uma experiência de áudio estéreo.

O aparelho também é construído com certificação IP53, que garante uma pequena resistência contra poeira e água, portanto ainda é preciso tomar bastante cuidado com a exposição do aparelho à líquidos.

Tela

A tela de 6,6 polegadas do Poco X3 GT com proporção de 20:9 é um ótimo atrativo para quem gosta de displays grandes — ela permite assistir a filmes e séries com mais conforto e mesmo jogos em tela cheia são melhor aproveitados.

A resolução de 1080 x 2400 pixels oferece imagens mais nítidas e com mais detalhes, mas a tecnologia IPS LCD não é muito boa se você busca cores mais vívidas e intensas. No fim das contas, porém, o celular não chega a pecar em um uso geral.

Já o brilho de 450 nits ajuda a visualizar melhor as informações na tela quando o usuário está sob um sol muito forte, mas com a tecnologia IPS LCD do painel não é possível obter resultados parecidos com uma tela AMOLED, por exemplo.

POCO X3 GT tem tela IPS LCD de 6,6 polegadas (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

O painel também conta com taxa de atualização adaptativa. Isso quer dizer que o usuário pode definir entre uma configuração com 60 Hz, ideal para atividades cotidianas e que não consome muita bateria, ou 120 Hz, mais indicada para jogos, mas que descarrega o aparelho mais rápido.

No entanto, apesar de o usuário poder definir qual o nível de atualização do display, a interface não permite a escolha de uma opção automática, o que força o dono do celular a alternar manualmente sempre que necessário.

  • Tela IPS LCD de 6,6 polegadas;
  • Resolução de 1080 x 2400 pixels;
  • Taxa de atualização adaptativa de até 120 Hz;
  • Proteção Gorilla Glass Victus.

"O aparelho conta com uma taxa de atualização adaptativa com níveis de 90 e 120 Hz. No entanto, não existe uma definição automática, e o usuário é forçado a alternar entre as duas opções sempre que preciso, o que se torna um trabalho a mais desnecessário."

— Bruno Bertonzin

Configuração e Desempenho

O Poco X3 GT foi capaz de atingir a marca de 3.990 pontos no teste de benchmark Wild Life Unlimited da plataforma 3D Mark — desempenho melhor do que todos os testes feitos com o Huawei P40 Pro, por exemplo.

Já no Wild Life Extreme Unlimited — ainda no mesmo aplicativo — ele atingiu 1.195, marca superior 97% dos testes com o Xiaomi Mi 10T Pro 5G. Porém, essa não foi a única forma que usamos para mensurar sua performance.

Poco X3 GT tem resultado superior aos rivais em benchmark (Imagem: Screenshot/Bruno Bertonzin)

Também analisamos como o dispositivo se saiu em jogos comuns e mais pesados, como GTA San Andreas, PUBG Mobile e Asphalt 9. Em geral, ele teve uma boa performance para a execução dos três títulos, então deve se sair igualmente bem em outros games, como Free Fire, Fortnite e COD Mobile, por exemplo.

Naturalmente, durante a execução dos jogos, o celular apresentou um leve aquecimento. Também é importante destacar que alguns cenários podem exigir a redução da qualidade gráfica para não haver engasgos ou travamentos.

O Poco X3 GT é equipado com o Dimensity 1100, chip lançado pela MediaTek no começo desse ano com suporte para tecnologia de rede 5G. Ele ainda é utilizado em outros celulares intermediários premium, como a versão chinesa do Redmi Note 10 Pro.

O chip, aliado a 8 GB de memória RAM, permite um bom aproveitamento de funções multitarefas. Isso quer dizer que o usuário poderá alternar facilmente entre várias redes sociais — como YouTube, Facebook, Instagram e Twitter, por exemplo — sem precisar fechar cada uma delas.

Isso é feito de forma bem rápida e competente, então o celular não deve deixar você na mão e entregará uma navegação fluída em aplicativos mensageiros ou outras plataformas de mídia social, por exemplo.

Em relação ao armazenamento, o POCO X3 GT possui duas opções disponíveis no mercado global: uma menor com 128 GB e uma com 256 GB. Essa memória generosa é bastante útil, já que o aparelho não tem suporte para cartão microSD.

  • Chipset: MediaTek Dimensity 1100;
  • Memória RAM: 8 GB;
  • Armazenamento interno: 128 ou 256 GB;
  • Suporte para expansão: não;
  • 5G: sim.

Interface

O Poco X3 GT conta com a interface da MIUI 12.5 instalada sobre o Android 11. Com ela, o usuário conta com diversas personalizações da chinesa, como o novo Centro de Controle, que permite ativar ou desativar funções de forma mais rápida.

A área de notificações também fica separada dessa central. Para ler as mensagens recebidas, por exemplo, é preciso deslizar para baixo na tela inicial pelo lado esquerdo, enquanto as configurações ficam acessíveis pelo direito. É o mesmo esquema que vemos no iOS.

Por contar com um sensor infravermelho, o celular também chega com o aplicativo Mi Remote instalado de fábrica. Com ele, é possível controlar facilmente dispositivos como TV’s, rádios, ar-condicionados, etc.

POCO X3 GT conta com a interface da MIUI 12.5 (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

A quantidade de aplicativos instalados de fábrica também é curiosa: o celular já vem da loja com Netflix, PUBG Mobile, TikTok, YouTube Music, LinkedIn, Facebook, Amazon e outras aplicações que são desenvolvidas por terceiros.

Uma característica irritante, porém, é que, quando o usuário configura determinadas funções no aparelho, ele é “bombardeado” com timers antes de confirmar qualquer decisão. Com isso, é preciso esperar até 15 segundos antes de clicar em “ok” ou avançar para outros passos.

Apesar de isso não ser exatamente um problema, é um tanto frustrante, principalmente para quem já vem de outro modelo com a MIUI instalada e já está ciente de todas as configurações.

Conectividade

Um dos maiores diferenciais do Poco X3 GT — e talvez um dos pontos fortes de escolha na hora da compra — é o suporte para conectividade de rede 5G.

Apesar de a tecnologia ainda não estar devidamente instalada no Brasil, é interessante ver como várias marcas já se posicionaram para trazer modelos com essa característica ao país. A expectativa é de que as grandes capitais já tenham cobertura 5G até meados de 2022.

E a vantagem do smartphone da POCO é que ele entrega a conectividade da nova geração com um excelente custo-benefício, já que possui outras especificações mais avançadas. Para quem quer um celular que combine boa velocidade de navegação móvel com uma ficha técnica mais parruda, ele é uma boa escolha.

O celular também tem conectividade NFC para pagamentos por aproximação, mas essa é uma configuração que depende da localização onde o modelo é comercializado. Portanto, é preciso ficar de olho de onde está importando antes de confirmar a compra, já que o modelo não é encontrado oficialmente no Brasil.

Poco X3 GT conta com suporte à rede 5G (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

E por falar em importar, uma coisa que me frustrou bastante foi a recepção da rede móvel. Eu moro em um lugar onde, normalmente, o sinal 4G da Vivo é bem forte, principalmente no centro da cidade. E é nisso que o Poco X3 GT mais pecou.

Em alguns momentos, simplesmente do nada, o smartphone perde completamente o sinal e fica sem rede nenhuma, impossibilitado de acessar a internet ou até mesmo realizar ligações.

Para comparar e não dizer que é um problema da rede ou do chip que estava em uso, eu fiz testes com dois cartões SIM da mesma operadora em dois celulares diferentes: um Mi 9T e o próprio Poco X3 GT.

Eu alternei os dois chips entre os dois celulares em diversos momentos e em locais diferentes. Quando o Poco X3 GT perdia completamente o sinal, o Mi 9T continuava normalmente com rede. Em alguns casos, a rede era restabelecida após um instante, mas, em outras vezes, demorava minutos para ter sinal de novo.

Infelizmente, não pude fazer o teste com outras operadoras, mas o fato de uma das principais do país ter esse problema de conectividade com o celular já é um tremendo banho de água fria para quem pensa em comprar o X3 GT.

O problema, porém, não se trata de uma incompatibilidade de rede, já que o telefone suporta todas as bandas de rede 2G, 3G e 4G utilizadas no Brasil, em especial pela operadora Vivo. No entanto, ainda assim ele segue com essa limitação.

Também é válido frisar que este não é um caso isolado com a unidade que recebi para testes: em uma breve pesquisa na internet, constatei que alguns outros usuários já relataram dificuldades em utilizar a mesma operadora com o Poco X3 GT no Brasil.

"Apesar de se posicionar como um chip intermediário premium, o MediaTek Dimensity 1100, aliado a 8 GB de memória RAM, oferece um bom desempenho ao POCO X3 GT, que pode executar até tarefas mais pesadas sem muito esforço."

— Bruno Bertonzin

Câmera

Câmera Principal — 64 MP

A câmera principal do POCO X3 GT conta com uma resolução de 64 MP para capturar mais detalhes em uma imagem. É ela que o celular irá utilizar a maior parte de modos de fotografia: retrato, foto “comum” ou com zoom aplicado em até 10 vezes.

Em ambientes bem iluminados e com luz natural, pode haver problemas para capturar imagens. Isso porque o pós processamento “estoura” cores mais claras e deixa o céu muito branco. Ao definir o modo HDR para ligado, porém, as cores ficam mais vivas e essa falha é um pouco corrigida.

O modo automático para o HDR, por sua vez, nem sempre faz bem o trabalho de refinar a fotografia. E o que vemos, em alguns casos, é um resultado bem parecido ao que acontece com a função desativada: perda de brilho e o céu muito estourado.

POCO X3 GT tem câmera principal de 64 MP (Imagem: Bruno Bertonzin/Canaltech)

A função de Inteligência Artificial — indicada na câmera como “AI” — também é bastante útil para identificar itens no cenário e aplicar efeitos para melhorá-los. Em plantas ou lagos, por exemplo, o recurso pode deixar as cores mais intensas

Já o modo retrato é bastante competente para desfocar o fundo em cenários e destacar bem o objeto da fotografia. Aqui não há como definir uma configuração para HDR, mas é possível ativar ou desativar o modo de inteligência artificial para aprimorar ainda mais a imagem de itens reconhecidos pela função.

A câmera principal ainda conta com um modo de 64 MP, que serve para capturar ainda mais detalhes em uma imagem. No geral, ela entrega um resultado bem parecido ao modo comum com HDR ligado. Mas, ao aplicar zoom na fotografia já tirada, o modo de 64 MP é mais eficiente para distinguir melhor os objetos.

Uma coisa que notei é que o modo noturno da câmera principal é um tanto confuso. Isso porque o software da câmera do POCO X3 GT reconhece automaticamente quando está de noite e aplica o efeito para clarear um ambiente externo sem precisar ativar manualmente o recurso.

Dessa forma, os resultados entre as imagens capturadas de noite com ou sem o modo noturno ativado acabam sendo bem parecidas. A única forma de notar diferenças é capturando fotografias em ambientes internos — dessa forma, a câmera não tem um céu para reconhecer e não aplica o efeito automaticamente.

Ultrawide — 8 MP

Lente ultrawide do POCO X3 GT tem resolução de 8 MP (Imagem: Bruno Bertonzin/Canaltech)

A câmera ultrawide do POCO X3 GT — que conta com uma resolução de 8 MP — sofre do mesmo problema da principal em ambientes com bastante iluminação natural: o céu fica estourado e só o HDR e o modo de inteligência artificial ativados podem corrigir isso.

No entanto, as cores no geral parecem mais realistas na câmera ultrawide do que na principal, algo que acaba acontecendo também em outros celulares da Xiaomi.

Macro — 2 MP

Câmera macro do POCO X3 GT tem resolução inferior às demais, com apenas 2 MP (Imagem: Bruno Bertonzin/Canaltech)

O POCO X3 GT também conta com uma terceira lente, com sensor de 2 MP e serve para capturar imagens macro, ou seja, mais próximas do objeto em questão.

Aqui não há muito como detalhar a função, e o POCO X3 GT faz um bom trabalho com essa lente ao destacar bem o item principal da fotografia enquanto desfoca o restante. Não espere, porém, uma imagem rica em detalhes, pois dificilmente ele entregará algo assim.

Câmera frontal — 16 MP

Câmera frontal do POCO X3 GT com resolução de 16 MP (Imagem: Bruno Bertonzin/Canaltech)

Já a câmera frontal, que conta com uma resolução de 16 MP, é bem competente e entrega basicamente o que se espera para selfies — as fotos saem com uma resolução aceitável, sem grandes detalhes, mas ótimas dentro do segmento em que o Poco X3 GT é encaixado.

As imagens não saem muito pixeladas tanto em ambientes fechados quanto abertos. Já de noite, as imagens perdem bastante a resolução. O modo noturno até ajuda a deixar os detalhes mais visíveis, mas não faz milagres para melhorar muito a qualidade da imagem.

  • Câmera traseira tripla
  • Sensor principal de 64 MP com abertura f/1.8
  • Sensor ultrawide de 8 MP com abertura f/2.2
  • Sensor macro de 2 MP com abertura f/2.4
  • Gravação de vídeo em 4K a 30 fps ou 1080p a 30, 60 ou 120 fps
  • Câmera frontal única de 16 MP com abertura f/2.5
  • Gravação de vídeo em 1080p a 30 fps ou 720p a 30 fps

O Poco X3 GT grava com resolução de 720p a 30 fps, 1080p a 30 fps e 60 fps e 4K a 30 fps. Em geral, a gravação com o Poco X3 GT resulta em filmagens com alguns “engasgos”, com pequenas perdas de quadro, independente do modo selecionado para gravação.

O celular tem uma função para estabilizar o vídeo, mas, com este recurso ativado, a gravação fica com ainda mais engasgos e perde um pouco mais a qualidade de resolução.

Já a câmera frontal possui dois modos para gravação de vídeo: um com resolução de 720p a 30 fps e outro com 1080p a 30 fps. Em ambos os casos, a câmera apresenta um pouco de pixelização e não entrega um resultado muito satisfatório, mas nada que fuja do padrão para seu segmento.

Sistema de Som

O Poco X3 GT conta um sistema de áudio estéreo que usa três alto-falantes — ele tem um speaker na parte inferior, um na superior e ainda utiliza a saída de som para ligações como uma terceira unidade.

Essa configuração é responsável por entregar uma boa qualidade sonora, principalmente para a reprodução de músicas, com bom equilíbrio entre graves, médios e agudos.

O sistema estéreo entrega um volume máximo alto, mas com essa configuração definida o som perde um pouco a qualidade e fica um pouco distorcido, o que impossibilita um pouco na hora de identificar os graves.

Em volume médio — ou mesmo um pouco abaixo do máximo —, porém, isso não acontece e não é muito difícil distinguir melhor os instrumentos de uma música sem muita dificuldade.

Bateria e Carregamento

O Poco X3 GT conta com uma bateria de 5.000 mAh com suporte para carregamento rápido de 67W. Em nossos testes, ele se mostrou bastante competente para aguentar pelo menos um dia longe da tomada. Mas, é claro, isso depende bastante da forma como é utilizado.

Nosso teste padrão de autonomia consistiu na reprodução de 3 horas de streaming no aplicativo da Netflix, com brilho do celular definido em 50% — cenário padrão para todos os nossos testes — e, nesse período, foi consumido 14% da carga.

Com isso, é possível que o aparelho aguente pouco mais de 21 horas de reprodução de filmes e séries na plataforma de streaming, mas, é claro, esse número pode variar de acordo com outras funções, atividades e recursos executadas em segundo plano.

POCO X3 GT tem carregador rápido de 67W que completa a carga em 40 minutos (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

Em um uso cotidiano, o smartphone também é bastante competente para aguentar um dia de bateria. Um uso com redes sociais, mensageiros e reprodução de músicas no Spotify e séries na Prime Video fez com que a carga durasse cerca de 20 horas, com tempo de tela de mais de 6 horas.

Durante esse período, o aparelho ficou com o Bluetooth conectado com um smartwatch pareado o dia todo, além de fones de ouvido ou caixas de som ocasionalmente. A internet também foi alternada entre Wi-Fi e rede móvel várias vezes.

O carregamento rápido é outro ponto forte do Poco X3 GT — com potência de 67 W no carregador incluso, o dispositivo tem sua bateria reabastecida de 5% para 100% em cerca de 40 minutos, o que é ótimo para quem precisa fazer cargas ocasionais rápidas durante o dia.

Concorrentes Diretos

O POCO X3 GT (R$ 1.600 - R$ 2.800) encontra, no mercado, concorrentes fortes de outras fabricantes, como o Galaxy M52 5G (R$ 1.500 - R$ 2.200), o Motorola Edge 20 (R$ 2.500 - R$ 2.700) e o Moto G100 (R$ 2.500 - R$ 2.900), o Realme GT Neo 2 (R$ 1.900 - R$ 3.100) ou até mesmo seu “irmão”, o Xiaomi 11 Lite 5G NE (R$ 1.700 - R$ 2.400).

Esses aparelhos contam com chips intermediários premium ou até mesmo top de linha, como o Snapdragon 778G ou Snapdragon 870 da Qualcomm e são ótimas alternativas que também entregam conexão 5G e boa performance.

No entanto, como o POCO X3 GT só pode ser adquirido no Brasil se for importado, ele tem um custo-benefício maior, já que pode ser encontrado com um valor mais baixo em relação aos rivais — com exceção do Galaxy A52 5G, que pode ser encontrado na mesma faixa de preço.

POCO X3 GT tem alto-falante triplo com três saídas de áudio (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

O celular da Samsung, porém, perde 2 GB em memória RAM e chega na competição com “apenas” 6 GB, assim como o Moto G100, contra 8 GB do Poco X3 GT e dos demais concorrentes.

Em relação às câmeras, quase todos eles possuem um conjunto triplo com sensor principal de 64 MP. Apenas o Motorola Edge 20 foge à regra e entrega 108 MP.

Já se o usuário estiver com dúvidas quanto ao sistema operacional, a alternativa seria uma aposta no iPhone SE de 2020. O celular da Apple possui 3 GB de memória RAM e até 256 GB de armazenamento interno, com chip Bionic A13. No entanto, ele perde na conexão móvel, já que tem suporte apenas ao 4G.

Apesar de essa memória parecer inferior no papel, na prática, ele pode entregar uma performance comparável, já que a interface do iOS é conhecida por ser mais otimizada mesmo com menos “números” na ficha técnica.

"A conectividade de rede 5G com especificações de hardware mais avançadas são ótimos atrativos para quem busca um bom custo-benefício, mas o fato de o aparelho sequer reconhecer bem uma das principais operadoras do país em diversos momentos acaba sendo bem frustrante."

— Bruno Bertonzin

Poco X3 GT — vale à pena “sacrificar” a rede móvel?

O Poco X3 GT é, no papel e em alguns aspectos práticos, um ótimo aparelho para quem busca um celular 5G com bom custo benefício. Ele entrega uma boa combinação de hardware e tem um desempenho excelente para executar até mesmo aplicativos mais pesados, como jogos FPS.

No entanto, as constantes quedas de sinal móvel que enfrentei durante os dias que o utilizei como meu telefone principal me deixaram um pouco com o pé atrás em usá-lo por um longo período de tempo.

É claro, isso pode variar em relação à localização e a operadora que você for utilizar no celular, mas pagar de R$ 1.600 a R$ 2.800 em um celular para ter essa limitação pode ser inviável.

Caso tenha se interessado pelo Poco X3 GT e queira comprá-lo, confira essa oferta que separamos para você: