Publicidade

1 ano de ChatGPT | 15 curiosidades sobre o chatbot da OpenAI

Por| Editado por Douglas Ciriaco | 30 de Novembro de 2023 às 04h00

Link copiado!

Mojahid Mottakin/Unsplash
Mojahid Mottakin/Unsplash

O ChatGPT completa neste dia 30 de novembro seu primeiro aniversário de lançamento. Em um ano, o chatbot de IA da OpenAI teve um impacto profundo na indústria de tecnologia e também na sociedade, com uma rápida adoção por parte do público e várias implicações sobre atividades humanas.

Para contar um pouco dessa história, o Canaltech lista momentos-chave do desenvolvimento e do lançamento dessa ferramenta.

15 curiosidades sobre o ChatGPT

Continua após a publicidade

Conheça curiosidades que contam a história do ChatGPT:

1. Onde nasceu

Desenvolvedora do ChatGPT, a OpenAI foi fundada como uma organização sem fins lucrativos em dezembro de 2015 por um grupo de pesquisadores e investidores que incluía Sam Altman, Elon Musk, Greg Brockman, Ilya Sutskever, Jessica Livingston e o cofundador do LinkedIn Reid Hoffman. O projeto contou com o investimento de empresas, como Amazon WebServices e Infosys, e teve um aporte inicial de mais de US$ 1 bilhão.

2. Quem veio antes

Continua após a publicidade

Antes do ChatGPT, a OpenAI lançou outros produtos com foco no desenvolvimento de inteligência artificial: o OpenAI Gym era usado para pesquisas sobre aprendizado de reforço, enquanto o Universe era uma plataforma para o treino de IA em jogos.

3. Investimentos da Microsoft

A Microsoft fez um investimento de US$ 1 bilhão na OpenAI em 2019, ano em que a organização passou a ter uma subsidiária com fins lucrativos. O investimento garantiu exclusividade da Big Tech de Redmond aos produtos da OpenAI. Em 2023, a Microsoft estendeu o investimento na companhia.

4. Quando o ChatGPT foi lançado

Continua após a publicidade

A empresa começou a trabalhar no treinamento do modelo de linguagem de larga escala (LLM, na sigla em inglês) para o ChatGPT em 2018. O chatbot foi lançado em 30 de novembro de 2022 com um nome que faz referência ao modelo no qual foi construído, o GPT-3.5.

5. Afinal, o que é GPT?

GPT é a sigla para “Generative Pre-Trained Transformer” (ou Transformador Generativo Pré-Treinado, em português). O GPT usa uma arquitetura de rede neural com capacidade de processamento de linguagem natural. A principal característica do GPT é o seu treinamento prévio em uma extensa base de dados textuais, com o qual o modelo aprende a prever palavras (ou tokens) para cada contexto.

6. Como o modelo é treinado

Continua após a publicidade

Para treinar o modelo e servir de base de informações para o ChatGPT, foram utilizados fontes como Wikipédia, livros, artigos acadêmicos e toda a imensidão de conteúdos da web — incluindo posts de redes sociais e entrevistas que ajudam a IA a aprimorar suas habilidades de comunicação com os humanos e em diferentes idiomas.

7. IA não compreende o significado

O ChatGPT não tem compreensão sobre os textos que produz. Os conteúdos gerados pela IA são formados por uma relação de probabilidade e associação de palavras dentro de cada contexto — chamada "geração autorregressiva" — e com base nos bancos de dados nos quais foi treinado. É por essa razão que a ferramenta pode apresentar erros e informações incorretas.

8. Alucinações da IA

Continua após a publicidade

Situações em que a IA comete erros factuais ou simplesmente gera textos sem sentido são chamadas de "alucinações". Elas acontecem devido a dados incorretos utilizados no treinamento (e a internet é um celeiro de fake news) ou mesmo pela dificuldade do modelo de diferenciar fato e ficção. Afinal, a IA consegue processar a linguagem, mas não compreender o significado.

9. Modelo com conhecimento limitado

No lançamento do ChatGPT, o modelo de linguagem não possuía acesso em tempo real a sites da internet e tinha conhecimento limitado de eventos ocorridos após setembro de 2021. Essa característica mudou com o GPT-4, lançado em março de 2023 inicialmente para o ChatGPT Plus, a versão paga do chatbot.

Continua após a publicidade

10. Custo de operação

Em abril de 2023, um analista do setor de tecnologia estimou que o ChatGPT deve custar mais de US$ 700 mil por dia para funcionar. A estimativa é baseada na capacidade computacional necessária para atender a demanda de uso em todo o mundo. Segundo o especialista, os gastos com os servidores representam a maior parte dos custos com a IA.

11. Sucesso viral

O ChatGPT foi um sucesso viral desde o primeiro momento. Em apenas cinco dias após o lançamento, a ferramenta alcançou a marca de 1 milhão de usuários. Em janeiro de 2023, o chatbot bateu 57 milhões de pessoas, e em fevereiro, passou dos 100 milhões — uma adoção recorde na história da indústria de tecnologia. Atualmente, cerca de 25 milhões de pessoas usam diariamente a IA.

Continua após a publicidade

12. Momento histórico

O sucesso do ChatGPT representa um momento histórico para as tecnologias de IA, com maior adesão do grande público e aplicações em diferentes segmentos do mercado. Em fevereiro de 2023, o cofundador da Microsoft Bill Gates disse que a ascensão de chatbots de IA como o ChatGPT será tão significativa quanto o surgimento da internet ou a evolução dos computadores pessoais.

13. Repercussões no mercado e na sociedade

O chatbot da OpenAI provocou uma corrida de gigantes como Amazon, Meta e Google no desenvolvimento de seus próprios produtos de IA generativa. Ao mesmo tempo, a ferramenta causou alvoroço na sociedade sobre as suas possibilidades de uso (positivos e negativos) e como ela poderia substituir atividades humanas.

Continua após a publicidade

14. Implicações sobre a educação

A preocupação sobre o acesso generalizado ao ChatGPT se estende também sobre a educação, com os alunos utilizando o chatbot para gerar trabalhos escolares. Algumas instituições ao redor do mundo proibiram o uso da ferramenta. Essa discussão levantou a necessidade de criar meios para identificar os textos produzidos por IA.

15. Valor de mercado

O sucesso do ChatGPT fez o valor de mercado da OpenAI dobrar: a empresa era avaliada em US$ 14 bilhões em 2021, agora vale US$ 29 bilhões. Em novembro de 2023, a companhia sofreu um período turbulento com a demissão do CEO Sam Altman pelo conselho diretor, apenas para ser restituído ao cargo cinco dias depois.