Publicidade

As 7 melhores séries pós-apocalípticas

Por| Editado por Jones Oliveira | 07 de Junho de 2023 às 19h30

Link copiado!

Cartoon Network, HBO, AMC
Cartoon Network, HBO, AMC

Da mesma forma que os mundos pós-apocalípticos são adorados pelo cinema para mostrar o quão frágil é a nossa sociedade diante de qualquer adversidade que abale suas estruturas, as séries de TV também sabem aproveitar muito bem a ideia da humanidade tendo que se reerguer das suas próprias ruínas e se reorganizar em um novo sistema.

E a diferença está justamente na abordagem dada. Como o formato por episódios dá mais tempo para que a história se desenvolva ao longo de uma ou mais temporadas, temos um olhar mais profundo sobre as marcas que essa mudança traz. E, na grande maioria das vezes, não é nada otimista, seja mostrando como a violência impera quando as regras vão embora ou aprofundando ainda mais as diferenças sociais nessa tentativa de reconstrução.

Por isso mesmo não faltam bons exemplos de séries pós-apocalípticas que chamam a atenção seja pela excelente construção de ambiente que trazem ou pela discussão que levantam. Ou ainda, como não é raro, na combinação desses dois fatores — o que nos leva a mergulhar nesse mar de desgraças sem fim.

Continua após a publicidade

Pensando nisso, o Canaltech listou 7 das melhores séries pós-apocalípticas para você assistir.

7. Hora de Aventura

Pode até não parecer, mas o desenho Hora de Aventura se passa em um mundo pós-apocalíptico. Essa era uma teoria que os fãs traçaram com base na abertura da animação e em alguns episódios isolados, mas que acabou sendo confirmada ao longo das temporadas.

Continua após a publicidade

A história de Finn e seu cachorro Jake parece bem descompromissada (e um tanto surreal), mas não demora para você perceber como tudo ali está ambientado em nosso mundo após uma hecatombe nuclear no passado acabar com a humanidade e dar início a novos tipos de vida. Tanto que o herói é sempre chamado de O Último Humano, indicando que ele é mesmo o que restou da nossa sociedade.

Além disso, vamos ao longo da temporada outras memórias do passado que ajudam a montar esse quebra-cabeça e mostrar que o desenho não é tão bobinho quanto parece — e há, inclusive, algumas passagens bem sombrias relacionadas à decadência do mundo.

Hora de Aventura está disponível na HBO Max.

6. See

Continua após a publicidade

Em linhas bem gerais, See é uma espécie de Ensaio Sobre a Cegueira sem a sutileza e a delicadeza da escrita de José Saramago, levando a ideia de um mundo sem visão para algo mais próximo de um The Last of Us do que para aquilo que a obra original apresenta. Só que isso não é bem um demérito, apenas uma forma mais extrema de lidar com a mesma temática.

Até porque o seriado estrelado por Jason Momoa se passa séculos depois de um vírus dizimar metade da população e deixar o restante sem a visão. Assim, temos a sociedade sendo obrigada a se reinventar de forma a não depender dos olhos para nada. Porém, o que acontece quando dois irmãos gêmeos nascem com a rara capacidade de enxergar?

O interessante aqui está justamente na reconstrução do mundo diante da cegueira, com a humanidade voltando a um estado tribal. Isso sem falar, é claro, do próprio carisma de Momoa encabeçando o projeto.

Continua após a publicidade

Com três temporadas, See está disponível na Apple TV+.

5. Sweet Tooth

Continua após a publicidade

Baseado de forma bem livre no quadrinho da Vertigo, Sweet Tooth traz uma visão bastante agridoce do que seria um futuro em que as crianças nascem com algum tipo de hibridismo com animais. Isso porque, ao mesmo tempo em que é muito fofinho ver esses bebês-bichinhos e a série saiba explorar o carisma desses personagens, o destino reservado para a maioria deles é terrível.

Boa parte do charme da trama está em descobrir o que aconteceu, mas a gente sabe logo de início que uma misteriosa doença chamada Flagelo se espalhou pelo mundo, dando início a uma pandemia que dizimou parte da população. Além disso, desde o surgimento dessa infecção, todas as crianças que nasceram começaram a surgir com esse hibridismo.

E é em meio a isso que conhecemos Gus (Christian Convery), um garoto-cervo que cresceu protegido pelo pai em meio a um bosque. Contudo, quando o adulto morre, a criança precisa encarar esse mundo hostil em que todo mundo está lutando para sobreviver e lidar com as próprias perdas

Sweet Tooth está disponível na Netflix.

Continua após a publicidade

4. Expresso do Amanhã

Outra série pós-apocalíptica baseada em um quadrinho, Expresso do Amanhã usa o fim da sociedade como conhecemos para discutir e apontar as diferenças sociais que temos hoje dentro desse contexto desgraçado de um mundo congelado.

Impossibilitados de viver como antigamente, o que restou da humanidade se reorganiza em uma sociedade bastante complexa dentro de um trem em constante movimento. Parece uma ideia estranha, mas que não demora a fazer sentido quando você percebe o quanto as divisões sociais são bem aparentes e que quem está embaixo segue sendo pisado.

Continua após a publicidade

Expresso do Amanhã está disponível na Netflix.

3. Silo

Uma produção bem recente que já conquistou um lugar em nossa lista é Silo, série produzida pela Apple e baseada nos livros de Hugh Howey. E boa parte desse apelo está no mistério que ela constrói a partir do que realmente aconteceu. De início, sabemos apenas que a maior parte da humanidade morreu em algum evento e que apenas 10 mil pessoas sobreviveram em todo o mundo.

Continua após a publicidade

Mais do que isso, essa pequena parcela que restou se vê obrigada a viver escondida em silos subterrâneos, sem qualquer contato com a atmosfera que está supostamente tóxica. E é a partir daí que a história se desenrola, revelando aos poucos o que aconteceu com o planeta enquanto os personagens passam a questionar essa autoridade e a duvidar sobre o tal apocalipse.

É uma estrutura até bem simples que retoma a velha ideia do Mito da Caverna de Platão, com a protagonista vivida por Rebecca Ferguson (Duna: Parte 1) a confrontar essa aparente verdade do mundo enquanto se aproxima da verdade que está (ou não) lá fora enquanto coloca todos à sua volta em risco.

Silo está disponível na Apple TV+.

2. The Walking Dead

Continua após a publicidade

Quando a gente fala em mundo pós-apocalíptico, imediatamente pensamos em The Walking Dead. A série da AMC que adapta os famosos quadrinhos de Robert Kirkman se tornaram um fenômeno mundial e, ao longo de mais de uma década, trouxeram os zumbis de volta à moda e mostraram o quanto histórias de sobrevivência em um mundo em ruínas pode render.

E, como a maior parte das tramas sobre mortos-vivos, as criaturas não são o verdadeiro perigo do seriado. Na verdade, os zumbis apenas representam esse fator de mudança que forçou a humanidade a se reconstruir e criar uma nova sociedade e o que mais interessa na saga de Rick (Andrew Lincoln), Daryl (Norman Reedus) e todos os demais é como eles se transformaram ao longo de todo esse tempo enquanto o próprio mundo à sua volta precisou se adaptar de forma radical.

Das tentativas de recriar governos até como o uso da força se torna imperativo em meio à desgraça, a série é um belo estudo sociológico sobre o que fazemos diante de rupturas extremas da civilidade.

Continua após a publicidade

The Walking Dead está disponível na Netflix e na Star+.

1. The Last of Us

Conceitualmente, The Last of Us não apresenta um mundo pós-apocalíptico muito diferente daquilo que outras séries apresentam. Com exceção de que os seus monstros são zumbis criados por fungos ao invés de um vírus misterioso, toda a lógica da sociedade em ruínas comandada à base da violência é a mesma. A diferença, contudo, está em como a história desenvolve seus personagens dentro dessa realidade desgraçada.

É claro que a ideia de mostrar áreas de quarentena tomada por militares, milícias rebeldes e até mesmo levantes populares para criar esse conflito em segundo plano é muito legal, até para reacender a velha discussão sobre como, no fim das contas, a brutalidade é sempre a mesma e o que muda é apenas a mão que aperta o gatilho. Só que o que fez o seriado ser o fenômeno que todos acompanharam é como isso tudo impacta seus protagonistas.

A saga de Joel (Pedro Pascal) e Ellie (Bella Ramsay) é um reflexo de toda a decadência do mundo à sua volta. Ele perdeu tudo e teve que se endurecer para lidar com todas as cicatrizes deixadas pelas sucessivas tragédias. Já ela nasceu nesse mundo decadente e não conhece outra coisa além da violência. E é ao se encontrarem é que vemos como eles encontram um pouco dessa humanidade perdida.

The Last of Us está disponível na HBO Max.