9 cenas pós-créditos da Marvel e DC que não deram em nada

9 cenas pós-créditos da Marvel e DC que não deram em nada

Por Durval Ramos | Editado por Jones Oliveira | 28 de Junho de 2022 às 09h40
Marvel Studios, Warner Bros, Sony Pictures

A Marvel tornou as cenas pós-crédito um padrão no cinema blockbuster e, mesmo com mais de uma década de histórias, esse momento final ainda é muito aguardado pelo público. Afinal, o Universo Cinematográfico da Marvel (MCU, na sigla em inglês) começou assim, com Nick Fury surgindo do nada para convidar Tony Stark para a Iniciativa Vingadores — e o resto é história.

De lá pra cá, todos os estúdios tentaram seguir por um caminho parecido, mas vamos combinar que não é tarefa-fácil. Enquanto as piadinhas são uma saída fácil, o que realmente empolga o público é ver uma pista ou sugestão para um longa que ainda está por vir — e fazer isso exige planejamento e comprometimento com o que já foi mostrado. E a gente sabe que planos mudam e nem sempre é possível manter a promessa em pé.

Assim, não são raros os casos de cenas pós-crédito que não deram em nada. Marvel, DC e até a Sony já indicaram que iam seguir por um caminho para, pouco tempo depois, jogarem aquela cena no lixo ou simplesmente fingir que ela nunca existiu. O problema é que a gente lembra de todas.

9. Vingadores e o flerte com a Morte

Vamos combinar que a cena pós-crédito do primeiro Vingadores é muito boa. A gente mal tinha se recuperado de ver os heróis juntos pela primeira vez e somos surpreendidos com a aparição de Thanos, revelando que o Titã Louco seria a grande ameaça para o futuro e que ele estava de olho na Terra.

O problema é que as suas palavras ali acabam não significando muita coisa — e até um pouco sem sentido quando olhamos para o quadro todo. Primeiro, o vilão fala que encarar os heróis da Terra é cortejar a morte, em uma clara referência à HQ Desafio Infinito, em que ele usa a Manopla para aniquilar o universo apenas para impressionar o seu crush, a Morte em pessoa.

Só que isso acabou nunca sendo usado, já que foi revelado mais tarde que seus planos sempre tiveram essa pegada mais malthusiana de controle populacional.

Outro ponto é que a cena pós-crédito de Vingadores deixa claro que Thanos já sabe que há três das seis Joias na Terra, só que ele simplesmente ignora isso e vai sair à caça das outras para, anos depois, visitar o planeta azul. Isso que nem entramos no mérito que ele entregou a Joia da Mente para o Loki só para o Deus da Mentira perdê-la.

8. Mundo Sombrio e o Colecionador

Já em Thor: Mundo Sombrio, as Joias do Infinito são usadas para apresentar uma trama que nasce e morre na cena pós-crédito. Vemos Sif e Volstagg entregando o Aether para o Colecionador, revelando que se trata da Joia da Realidade. Em seguida, é mostrado que o personagem de Benicio del Toro não tinha interesse em apenas guardar aquele item, mas reunir as demais pedras para obter o poder para si.

O problema é que esse plano morreu ali mesmo, já que ele não conseguiu ir atrás das outras Joias. na verdade, o próprio Thanos bateu à sua porta para levar a Aether embora, fazendo com que a cena pós-crédito de Mundo Sombrio fosse tão descartável quanto o resto do longa em si.

7. Mundo Sombrio e o beijo de Thor e Jane

Provando que Mundo Sombrio é um caso perdido, temos uma segunda cena que traz um final feliz para Thor e Jane. A humana passa o filme todo reclamando que o asgardiano a deixou e que o relacionamento deles parece não ter futuro e, no fim de tudo, o Deus do Trovão surge de um portal para beijá-la e mostrar que não existem fronteiras entre os mundos que impeçam uma história de amor.

Só que, pelo visto, as coisas morreram ali mesmo, já que Jane não retorna em Thor: Ragnarok. Desde o tal beijo, o herói só se refere à humana como sua ex-namorada, o que significa que aquele momento romântico não serviu para nada. E é bem provável que isso seja explorado para gerar uma nova piadinha no vindouro Thor: Amor e Trovão.

6. Guardiões da Galáxia e Howard, o Pato

É até difícil levar qualquer cena pós-crédito de James Gunn a sério, já que ele faz até o filme ser uma grande piada. Contudo, no primeiro Guardiões da Galáxia, ele traz uma deixa que fica exatamente no meio do caminho entre a brincadeira e o gancho pelo simples fato de estarmos falando de um personagem relativamente conhecido dos fãs: Howard, o Pato.

O diretor tirou o personagem do limbo da Marvel pelo simples motivo de achar divertido ver um pato humanoide em ação. E é o tipo de coisa que não deu em absolutamente nada depois.

5. Esquadrão Suicida e a ameaça de Bruce Wayne

No primeiro Esquadrão Suicida, a cena pós-crédito explica como o Batman descobriu quem são os outros meta-humanos da Terra. Vemos Bruce Wayne em um jantar com Amanda Waller e é ela quem fornece os documentos que vão ajudá-lo a localizar o Flash e o Aquaman — o que faz com que ele não seja o Maior Detetive do Mundo, apenas um empresário usando sua influência para obter informações do governo. Só que o ponto não é esse esquema de corrução que ele se envolveu, mas o que vem em seguida.

Já no final da cena, Waller dá a entender que sabe que Wayne é o Batman e diz que ele deveria parar de trabalhar à noite. Então, o herói dá seu ultimato: ou ela desativa o Esquadrão Suicida, ou os heróis irão fazer isso. Só que a gente logo vê que são palavras ao vento, já que a Força-Tarefa X segue em operação, como vimos tanto em O Esquadrão Suicida como em Pacificador.

4. Doutor Estranho e a promessa vazia de Mordo

Quem conhece os quadrinhos do Doutor Estranho sabe que o Barão Mordo é um de seus grandes vilões. Contudo, no primeiro filme do herói, o personagem era um aliado até a sequência final, quando ele se cansa dos métodos de Stephen Strange e passa a agir por conta própria. E a cena pós-crédito vem para entregar uma promessa que nunca saiu do papel.

Já nos últimos segundos do longa, Mordo encontra um outro feiticeiro e o ataca, roubando sua magia. E é quando ele faz um discurso sobre como o grande problema do mundo são os magos e que, por isso, ele precisa eliminá-los. Só que o personagem desapareceu no MCU, aparecendo apenas em uma versão alternativa em Multiverso da Loucura e dando a entender que, na Terra-616, ele já foi derrotado.

3. De Volta ao Lar e o Sexteto Sinistro

O retorno do Homem-Aranha ao MCU também veio com promessas não cumpridas. Afinal, De Volta ao Lar chegou dando indícios de que o Sexteto Sinistro vinha aí, mas tudo não passou de lorota de presidiário.

Tudo acontece quando o Adrian Toomes — o Abutre — é enviado para a cadeia e encontra um dos criminosos que trabalharam para ele, Mac Gargan — que, nos quadrinhos, se torna o vilão Escorpião. E ele chega cheio de banca dizendo que alguns de seus amigos na cadeia queriam se juntar para matar o Homem-Aranha e ouviram falar que o novo detendo sabia a identidade do Amigão da Vizinhança.

E por mais que o Abutre guarde o segredo para si, todo mundo saiu empolgado da sala de cinema com a perspectiva de finalmente ver o Sexteto Sinistro em ação, o que nunca aconteceu. No máximo, tivemos um quinteto se reunindo em Sem Volta para Casa e em um contexto não relacionado com De Volta ao Lar.

2. Tempo de Carnificina e o multiverso

A gente já sabia que Venom: Tempo de Carnifina não seria um grande filme. Ainda assim, a expectativa é que a cena pós-crédito tivesse alguma grande conexão com Homem-Aranha: Sem Volta para Casa, que chegaria aos cinemas logo na sequência. E tem. O problema é que ela não serviu para absolutamente nada.

A cena é bem empolgante. Temos Eddie Brock e Venom em um quarto de hotel assistindo a uma novela e discutindo sobre os mistérios do universo. O simbionte fala algo sobre ter conhecimentos ancestrais e uma mente conectada com dimensões distintas — e é quando o mundo à sua volta se transforma. O quarto simples vira algo de luxo e, na TV, o noticiário fala sobre a revelação da identidade do Homem-Aranha. E, como se não bastasse, Venom dá a entender que conhece o garoto.

Era a deixa perfeita para colocar o simbionte em Sem Volta para Casa, seja para formar o Sexteto Sinistro ou simplesmente para fazer Aranha e Venom lutarem lado a lado. Só que nada disso acontece. Brock só aparece na cena pós-crédito do filme do Homem-Aranha para ser mandado de volta para seu universo, mas não sem antes deixar um pedaço do simbionte para trás. Em outras palavras, ele não fez nada na Terra-616.

1. A Liga da Justiça fuga de Lex Luthor

Zack Snyder nunca foi um fã das cenas pós-crédito, mas quando Liga da Justiça passou para as ãos de Joss Whedon, vimos alguns conteúdos da história serem jogados para esse extra como forma de servir de gancho para uma sequência. Primeiro ela mostra que Lex Luthor fugiu da cadeia e está com o visual clássico e careca dos quadrinhos. Em seguida, ele recebe o vilão Exterminador em seu iate e o convida para formar um grupo para enfrentar a Liga.

Trata-se de um gancho bem claro do que a Warner pretendia fazer com seu universo de super-heróis antes de desistir de tudo e apostar em novos projetos. Assim, não só a ideia de ter um time de vilões como a própria Liga da Justiça foram descartados. E embora ainda tenhamos filmes dos heróis previstos para chegar aos cinemas nos próximos anos, as chances de vermos a continuidade dessa história são nulas.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.