Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Dimensity 7200-Ultra é revelado como "novo" chip avançado da MediaTek

Por| Editado por Wallace Moté | 11 de Setembro de 2023 às 14h05

Link copiado!

Divulgação/MediaTek
Divulgação/MediaTek
Tudo sobre MediaTek

Junto à revelação dos primeiros detalhes do Redmi Note 13 Pro Plus, próximo intermediário premium da Xiaomi, a gigante chinesa confirmou que o aparelho será o primeiro a utilizar o inédito processador Dimensity 7200-Ultra da MediaTek. Versão aprimorada do 7200 tradicional, a novidade teve poucos detalhes apresentados até o momento, mas tudo indica que a plataforma deve embarcar aprimoramentos voltados para câmeras e eficiência energética.

O teaser publicado revela parte da ficha técnica do componente que, como esperado, é basicamente idêntico ao Dimensity 7200: temos CPU de oito núcleos, composta de dois Cortex-A715 de alto desempenho operando a até 2,8 GHz, junto de seis Cortex-A510 de alta eficiência a até 2,0 GHz, bem como GPU Mali-G610 para gráficos e suporte a memórias LPDDR5 de alta velocidade. A fabricação fica por conta da TSMC, no mesmo processo N4 da classe de 4 nm visto no modelo padrão.

Continua após a publicidade

Também está confirmado o suporte a aspectos como telas Full HD+ com taxa de atualização de até 144 Hz, conectividade 5G e processamento local de Inteligência Artificial (IA) com a APU 650. Leitores que costumam acompanhar em detalhes as especificações dos processadores devem ter percebido que nada novo foi revelado até então — a fabricante não deixa claro qual seria o principal diferencial do Dimensity 7200-Ultra frente ao irmão comum. Dito isso, observando essas informações com outros modelos "Ultra", é possível especular o que há de especial.

No material de divulgação do novo Redmi Note, a Xiaomi dá bastante destaque à câmera de 200 MP com sensor ISOCELL da Samsung, um forte indício de que houve um trabalho de otimização entre a companhia sul-coreana e a MediaTek para garantir melhor qualidade de fotografia. A eficiência energética da plataforma é outro ponto muito enfatizado e, ainda que não haja nenhuma indicação de modificações no processo de fabricação, é possível que melhorias sejam implementadas via software.

Também é interessante destacar que o chip pode acabar sendo uma exclusividade da linha Redmi Note. Pode-se citar o exemplo do Dimensity 8200-Ultra, que chegou às lojas apenas em aparelhos da Xiaomi e faz parte do programa de customização que a MediaTek possui junto às empresas de smartphones. É possível que a chinesa tenha implementado recursos próprios na plataforma, dando a ela o direito de uso exclusivo.

Continua após a publicidade

Tudo indica que esta é uma situação similar à do Snapdragon 8 Gen 2 for Galaxy, parceria entre Qualcomm e Samsung — outras companhias usam uma variante similar do chip, mas há um trabalho das duas empresas para fazer o componente funcionar melhor com as câmeras e o sistema operacional da linha Galaxy S23 e outros aparelhos recentes da marca sul-coreana.

De toda forma, a MediaTek deve oficializar e detalhar melhor o Dimensity 7200-Ultra no lançamento do Redmi Note 13 Pro Plus, marcado para acontecer ainda em setembro. Ao menos nesse primeiro momento, o dispositivo e, portanto, o processador devem ser uma exclusividade da China.

Fonte: Xiaomi