Publicidade

Qual foi a última vez que o homem pisou na Lua?

Por| Editado por Rafael Rigues | 19 de Junho de 2022 às 11h00

Link copiado!

NASA/Kevin M. Gill
NASA/Kevin M. Gill

Pouco mais de 50 anos atrás, a Nasa levou o primeiro ser humano à superfície lunar, um grande e conhecido feito histórico. Mas você sabe qual foi a última vez que o homem pisou na Lua, e quais foram os astronautas a deixar as pegadas mais frescas em nosso satélite natural?

A última vez do homem na Lua

Missão Apollo 17

Continua após a publicidade

O Programa Apollo consistiu em uma série de missões lunares coordenadas pela NASA entre 1961 e 1972, sendo responsável por todas as vezes que a humanidade esteve na Lua. Ao todo foram 11 missões tripuladas, e seis delas pousaram na superfície de nosso satélite.

A missão Apollo 11, que fez de Armstrong o primeiro homem a pisar na Lua, é a mais conhecida de todas. Mas ele não foi o único a dar uma voltinha por lá. Ao todo 12 pessoas estiveram na Lua, e as duas últimas estavam a bordo da missão Apollo 17.

Lançada em 7 de setembro de 1972, a Apollo 17 tinha uma tripulação de três astronautas: Gene Cernan como comandante; Harrison Schmitt como piloto do Módulo Lunar e Ronald Evans como piloto do Módulo de Comando.

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

Em 10 de dezembro, após três dias de viagem, os astronautas iniciaram os preparativos para pousar o Módulo Lunar Challenger na superfície lunar. No entanto, apenas os astronautas Cernan e Schmitt desceriam, enquanto Evans permaneceria em órbita no Módulo de Comando.

A última vez na Lua

A missão Apollo 17 pousou em um vale cercado de montanhas no limite do Mare Serenitatis (Mar da Serenidade). Os objetivos científicos compreendiam levantamento geológico e amostragem de materiais, além de estudos de caraterísticas da superfície em uma área previamente selecionada da região Taurus-Littrow.

Continua após a publicidade

O estudo da região, inclusive, foi a razão para enviar o primeiro cientista para a Lua, o astronauta e também geólogo Schmitt, encarregado de realizar experimentos com o material lunar presente em Taurus-Littrow, além de investigar o impacto que formou a Cratera Imbrium, visitada pela missão Apollo 15 no ano anterior.

Cernan e Schmitt realizaram três passeios na superfície com o rover lunar, que percorreu um total de 30,5 km. Os dois astronautas da NASA permaneceram 75 horas por lá, batendo o recorde de missão a permanecer o maior tempo na Lua.

Eles coletaram cerca de 110,4 kg de amostras lunares que até hoje ajudam os cientistas a entenderem parte da história geológica da Lua. Entre elas, estava a mais antiga rocha lunar sem choques já coletada e um “solo laranja” contendo vidro vulcânico relacionado a uma erupção vulcânica explosiva.

Continua após a publicidade

No final da terceira e última atividade extraveicular, Cernan e Schmitt televisionaram a inauguração de uma placa no módulo lunar, que dizia: “aqui o homem completou sua primeira exploração da Lua, dezembro de 1972 d.C. Que o espírito de paz em que ele veio se reflita na vida de toda a humanidade”.

Em 14 de dezembro daquele ano, o astronauta Cernan deu o último passo da humanidade sobre a superfície lunar e a tripulação iniciou a viagem de volta à Terra. A cápsula Apollo 17 caiu no Oceano Pacífico no dia 19 de dezembro, concluindo o segundo voo de Cernan e o primeiro de Evans e Schmitt.

De volta à Lua

Desde o fim da era Apollo, nenhuma outra missão levou humanos à Lua, mas a NASA trabalha para mudar isto através do Programa Artemis. A agência já selecionou 18 astronautas candidatos a serem os primeiros a retornar a superfície lunar até o fim desta década.

Continua após a publicidade

Além de garantir o retorno da humanidade à Lua, o novo programa lunar da NASA tem grandes ambições, como estabelecer a presença humana de maneira sustentável. Na verdade, as missões Artemis são um ponto de partida para ainda mais ambiciosos e distantes no espaço, como o planeta Marte.

Mas antes de voltarmos ao satélite natural da Terra, a agência norte-americana trabalha em uma série de tecnologias inovadoras em conjunto com seus parceiros no programa — principalmente equipamentos que permitam aos humanos viverem com os recursos encontrados na Lua.

Será na missão Artemis III que a humanidade dará novos passos na superfície lunar. Desta vez pensando em uma longa e, quem sabe, duradoura permanência.

Continua após a publicidade

Quem serão os próximos humanos na Lua?

Entre os objetivos do programa Artemis estão o envio da primeira mulher da primeira pessoa negra à Lua. Ao todo, a NASA selecionou 18 astronautas para compor a “Equipe Artemis”, divida entre 9 homens e 9 mulheres.

Os membros da equipe foram selecionados entre os 47 astronautas ativos atualmente na Nasa, de acordo com as habilidades e experiências de cada um. Vale destacar, no entanto, que não há certeza de que estes astronautas serão os próximos a pisar na Lua, mas eles são os primeiros a serem preparados para tal.

Continua após a publicidade

A Equipe Artemis é formada pelos seguintes nomes:

  • Joseph Acaba;
  • Kayla Barron;
  • Raja Chari;
  • Matthew Dominick;
  • Victor Glover;
  • Warren Hoburg;
  • Jonny Kim;
  • Christina Hammock Koch;
  • Kjell Lindgren;
  • Nicole A. Mann;
  • Anne McClain;
  • Jessica Meir;
  • Jasmin Moghbeli;
  • Kate Rubins;
  • Frank Rubio;
  • Scott Tingle;
  • Jessica Watkins;
  • Stephanie Wilson.

O trabalho inicial da Equipe Artemis será atuar ao lado dos parceiros comerciais da NASA que trabalham nos sistemas de pouso lunar. Eles também ajudarão a definir o desenvolvimento dos programas de treino em preparação às futuras missões.

Continua após a publicidade

Além dos norte-americanos, o programa Artemis contará com astronautas de outras nacionalidades. Por exemplo, a Agência Espacial Europeia (ESA) está desenvolvendo o módulo de pouso que será usado em conjunto com a espaçonave Orion, da NASA. Em troca, ela terá o direito de enviar três de seus astronautas à Lua — marcando a primeira vez que um astronauta europeu pisará na superfície lunar.

Fonte: NASA (1, 2), LPI