Celulares Samsung terão controle para limitação de desempenho de apps

Celulares Samsung terão controle para limitação de desempenho de apps

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 04 de Março de 2022 às 15h36
Canaltech

A Samsung decidiu apresentar uma solução para justificar a acusação de limitar o desempenho de celulares Galaxy em mais de 10 mil aplicativos. A empresa lançará uma atualização para o Game Optimizing Service (GOS) que entregará mais controle nas mãos do usuário, assim eles poderão decidir se querem colocar o limite ou não.

Em um comunicado enviado ao site Engaget, a gigante sul-coreana garantiu a chegada do recurso em breve, sem especificar uma data. Na visão da empresa, o GOS foi projetado para ajudar jogos a alcançar o desempenho ideal, por isso o controle da temperatura do dispositivo é algo necessário.

Samsung admite que gerencia o desempenho em games, mas não o faz em softwares regulares (Imagem: Jucyber/Canaltech)

Quando os componentes de celulares e computadores aquecem, pode haver queda na reprodução, como travamentos ou lentidão. Essa seria a causa pela qual há a redução no uso do processamento: ao exigir demais, o sistema diminui o desempenho para esfriar as peças e assim manter a execução. No entanto, os mais aficionados certamente não querem ver seu dispositivo topo de linha sofrer para rodar seus programas e jogos favoritos.

A Samsung lembrou que o serviço somente gerencia games, sem qualquer impacto em programas como Netflix, Snapchat e outros. Essa afirmação vai contra o que os usuários disseram no Twitter, que a empresa limitaria softwares como Instagram e TikTok, mas mantém a potência máxima quando são rodados aplicativos de benchmarking (para mensurar o desempenho), como 3DMark e GeekBench.

Aumento da vida útil dos componentes

Sabe-se com certeza que o GOS é uma das inovações da série Galaxy S22, mas não está claro se impacta também em telefones mais antigos, como os modelos da linha S21 e S20. Como o serviço funciona via software, nada impediria a companhia de adicioná-lo em mais aparelhos, inclusive como uma forma de aumentar a vida útil deles.

No ano passado, a OnePlus admitiu limitar o potencial do OnePlus 9 para estender a duração da bateria. Huawei, Oppo e outras fabricantes também já foram flagradas no passado ao entregar potência máxima nos benchmarks, mas não repeti-la nos apps do cotidiano. Apesar disso, em nenhum dos casos anteriores havia a desaceleração proposital do software de terceiros, mas sim de uma "maquiagem" para ter melhores resultados nos programas de testes.

Superaquecimento é comum

O superaquecimento de chips é um problema antigo em videogames e computadores, mas que começam a aparecer com mais frequência nos celulares à medida que o poder de processamento cresce. O Snapdragon 8 Gen 1 e o Exynos 220 são modelos que aquecem bastante, por isso a Samsung chegou a trabalhar em um modelo diferente de resfriamento para lidar com a dissipação do calor.

Os novos chips da Samsung deram trabalho com a parte de aquecimento (Imagem: Renan Dores/Canaltech)

A Apple chegou a passar por isso há alguns anos — já foi até multada — e decidiu sacrificar a bateria em troca de manter o desempenho dos iPhones. Hoje, é praticamente impossível encontrar um iPhone com mais um ano de uso que não tenha uma queda considerável na capacidade da bateria.

Resta saber agora se o update da Samsung passará a responsabilidade por eventuais danos para o usuário ou se a companhia assumirá a falha e manterá o suporte técnico, mesmo para quem quer seus aparelhos com o desempenho sempre no máximo.

Fonte: Engadget  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.