Snapdragon 898 e MediaTek Dimensity 2000 devem ser extremamente parecidos

Snapdragon 898 e MediaTek Dimensity 2000 devem ser extremamente parecidos

Por Eduardo Moncken | Editado por Wallace Moté | 21 de Outubro de 2021 às 07h43
Qualcomm

Qualcomm não vem tendo vida fácil no mercado de chipsets para Android. Em marketshare a companhia pode já estar atrás da MediaTek, segundo dados da Counterpoint Research. A Huawei durante seus melhores anos também fez a plataforma Kirin ter um mercado expressivo, e a Samsung quer investir cada mais nos SoCs Exynos.

Até o Google está trilhando seu próprio caminho nesse mercado, por isso, o Snapdragon precisa se destacar se quiser continuar chamando a atenção de fabricantes cada vez menos dependentes. E os planos da Qualcomm para a versão 898 do chip podem ter vazado, ao lado de dados do MediaTek Dimensity 2000 que pode vir igualmente competitivo.

A MediaTek já confabulava em ter uma plataforma de processamento premium para o mercado, e isso deverá se concretizar com seu próximo chip. Assim como o Snapdragon 898, a configuração traria dois núcleos de alto performance máxima Cortex-X2, três de alta performance Cortex-A710, e três de eficiência Cortex-A510.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

(Imagem: Divulgação/Qualcomm)

A diferença seria basicamente o clock dos grupos de núcleos: o Snapdragon 898 traria velocidade levemente menor nos cores Cortex-A710, rodando a 2,5 GHz, enquanto no Dimensity 2000 os núcleos rodariam a 2,85 GHz.

Sobre GPUs, cada plataforma iria por um caminho distinto: a Qualcomm abraçaria a Adreno 730, e a MediaTek a Mali-G710 MC10. São componentes gráficos voltados ao mesmo mercado e que visam oferecer o que há de mais potente aos chips que equipam.

Por último, os dois chips seriam produzidos em processo litográfico de 4 nm. Ou seja, abrem uma nova geração de chips no mercado graças à nova miniaturização dos componentes. Para comparação, mesmo o Apple A15 Bionic chegou com 5 nm. A partir de 2022, porém, outras empresas estarão habilitadas para a produção de SoCs nesse mesmo processo — e outras já ensaiam testes com a litografia de 3 nm.

Disputa no segmento premium

(Imagem: Divulgação/MediaTek)

Vale lembrar que esses seriam apenas dados técnicos preliminares. A adoção de determinados componentes certamente influencia no funcionamento do produto, mas há de se considerar inúmeros outros fatores. Exemplos são os componentes voltados à inteligência artificial, ISP (para processamento de câmera), e mesmo a integração de software com o Android.

Por histórico a Qualcomm anuncia seus novos chips premium no final do ano, em um grande evento. Pouco depois, no começo do ano seguinte, os primeiros celulares a equipá-los chegam ao mercado. Há expectativa de que a MediaTek também anuncie o Dimensity 2000 no curto prazo — até para conseguir competir melhor com a plataforma rival no tempo certo.

Fonte: Weibo, GSM Arena

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.