MediaTek faz história e supera Qualcomm no mercado de celulares

Por Diego Sousa | 28 de Dezembro de 2020 às 16h00
Divulgação/MediaTek
Tudo sobre

MediaTek

Saiba tudo sobre MediaTek

Ver mais

Após bater na trave no segundo trimestre de 2020, a MediaTek finalmente superou a Qualcomm no mercado de celulares. A marca taiwanesa de processadores conseguiu 31% de participação no mercado durante os meses de julho, agosto e setembro deste ano, grande parte graças ao forte desempenho no segmento intermediário. As informações são da consultoria Counterpoint Research.

Segundo o diretor de Pesquisa Dale Gai, o aumento da participação da MediaTek no mercado ocorreu por três razões: o forte desempenho nos aparelhos na faixa dos US$ 100 e US$ 250 vendidos em regiões emergentes, como América Latina e Oriente Médio; o embate entre China e Estados Unidos, que praticamente retirou a HiSilicon da lista de opções das fabricantes; e o aumento das vendas de Samsung, Xiaomi e Honor.

MediaTek supera Qualcomm no mercado de smartphones (Foto: Reprodução/Counterpoint Research)

Em relação ao mesmo período do ano passado, o crescimento da MediaTek foi de cinco pontos percentuais, enquanto a rival Qualcomm caiu três pontos percentuais. Apesar de ter perdido uma posição no ranking geral, a marca norte-americana ainda lidera no segmento de smartphones 5G com 39% de todos os modelos vendidos durante o terceiro trimestre.

A Counterpoint explica que a Qualcomm registrou ganhos consideráveis ano a ano entre os celulares premium graças aos problemas de fornecimento da HiSilicon, sua maior rival. A demanda por aparelhos 5G cresceu bastante durante os últimos meses — 17% de todos os celulares vendidos no período foram 5G. Para os próximos meses, espera-se que essa tendência fique ainda mais presente.

Bem longe dos líderes está a HiSilicon com 12% de market share, quatro pontos percentuais abaixo do segundo trimestre deste ano. Apesar de algumas empresas já terem conseguido licença para voltar a negociar com a Huawei, as previsões para os próximos meses são de queda.

Apple e Samsung aparecem em quarto e quinto lugares, respectivamente, com 13% cada. Espera-se que a Maçã registre ganhos consideráveis durante o quarto trimestre deste ano devido ao lançamento dos novos iPhone 12. A chinesa UniSoc fecha a conta com 4%, um ponto percentual abaixo em relação ao mesmo período de 2019.

Fonte: Counterpoint Research  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.