Review Moto G 5G | Celular bom e 'barato' para quem já busca o 5G

Review Moto G 5G | Celular bom e 'barato' para quem já busca o 5G

Por Felipe Junqueira | Editado por Léo Müller | 23 de Julho de 2021 às 09h35
Ivo/Canaltech

O Moto G 5G chegou às lojas pouco depois da versão Plus como um dos primeiros celulares intermediários com acesso à quinta geração da banda larga móvel no Brasil. Com a proposta de entregar experiência parecida com o irmão a preço mais baixo, o aparelho vai um pouco além do que estávamos acostumados a ver na linha Moto G.

Pouco mais de seis meses se passaram, e o modelo ainda pode ser uma boa compra. Eu vou destrinchar este aparelho na análise a seguir, depois de alguns dias usando o dispositivo e testando ao máximo suas capacidades de tela, câmera, bateria e, claro, desempenho.

É verdade que o 5G ainda nem chegou no Brasil — sequer foi realizado o leilão das frequências exclusivas — e que estamos em meio a uma pandemia. Mas há razões para já se preparar para isso e levar o Moto G 5G para casa. Vem comigo que eu vou explicar.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Prós

  • Ótimo desempenho;
  • Bom conjunto de câmeras;
  • Pronto para o 5G;
  • Boa duração de bateria;

Contras

Design e Construção

Não há nada muito diferente no design do Moto G 5G. O dispositivo tem acabamento em plástico, leitor de impressão digital na traseira, botões de volume e energia no lado direito e conector USB-C na parte de baixo. As câmeras ficam em um módulo quadrado no canto superior esquerdo como se fossem o lado de número 4 de um dado e a tela ocupa quase toda a porção frontal, com um pequeno furo centralizado para a câmera frontal.

  • Dimensões (A x L x P): 166,1 x 76,1 x 9,9 mm
  • Peso: 212 g

A tampa traseira tem uma textura pontilhada e pode ser encontrada nas cores Preto Prisma ou Prata Prisma, que são auto-explicativos. A versão testada aqui no Canaltech é a preta, que dependendo da iluminação parece um marrom bem escuro e elegante.

No lado esquerdo, você ainda encontra um botão exclusivo para acionar o Assistente do Google e a gaveta de chips, com dois slots, sendo um deles híbrido (para cartão de operadora ou micro SD). Já na parte de baixo, tem o alto-falante e também um conector para fones de ouvido.

Visual traseiro do Moto G 5G (Imagem: Ivo/Canaltech)

Tela

Um ponto negativo constante entre muitos especialistas nos celulares da linha Moto G, a tela do Moto G 5G não é nada de outro mundo, mas oferece visualização confortável e boa calibração de cores. O problema, como sempre, é o uso em ambientes muito claros, especialmente na rua, já que o brilho desse painel LCD não é muito alto.

Ao menos o visor tem tecnologia HDR10, que melhora bem a questão do contraste e deixa as cores realistas e um pouco mais chamativas. Além disso, o uso de uma camada LTPS ajuda a baixar o consumo energético, apesar de ainda não chegar ao nível de uma tela OLED. Esta tecnologia é uma variação das TFTs e usa um conceito de matriz ativa semelhante ao das AMOLEDs, permitindo controlar cores e intensidade dos pixels individualmente. É uma fina camada semicondutora inserida no painel IPS LCD.

A tela tem 6,7 polegadas e ocupa aproximadamente 85,7% da parte frontal do celular, que tem bordas bem pequenas. O formato é 20:9, ou seja, o lado maior, do comprimento, tem quase o dobro do tamanho do lado menor. Isso garante mais espaço para conteúdos verticais e quase elimina as bordas ao assistir a filmes na proporção de cinema. A resolução é Full HD+, com 1080 x 2400 pixels e densidade aproximada de 393 ppp.

Diferente de vários Moto G lançados em 2021 e até mesmo do modelo 5G Plus, o Moto G 5G não tem taxa de atualização modificada. O display usa o padrão de 60 Hz, sem alterar a percepção de fluidez em animações de sistema, navegação na internet ou mais quadros por segundo em jogos.

Disoplay não possui taxa de atualização diferenciada (Imagem: Ivo/Canaltech)

Configuração e Desempenho

O Moto G 5G é mais ou menos equiparável ao Moto G60 em desempenho, com um Snapdragon 750G, que tem modem 5G integrado, em vez do 732G. E é justamente o suporte à quinta geração da banda larga móvel que dá ao primeiro uma vantagem ao segundo. E ambos também possuem a mesma capacidade de memória, com 6 GB de RAM e 128 GB de armazenamento.

Sendo assim, o Moto G 5G tem alto poder de processamento e aguenta até algumas tarefas mais complexas, como edição de vídeos, de maneira relativamente tranquila. Não vai ser igual a um topo de linha, mas não vai demorar tanto quanto um modelo intermediário mais modesto, com um Snapdragon 600, por exemplo.

Também é uma ótima opção para jogos, com bom poder de renderização gráfica. Novamente, fica alguns degraus abaixo de um topo de linha, mas o smartphone aguenta bem a jogatina de um PUBG Mobile, Asphalt 9 e outros jogos com gráficos exigentes sem muitos problemas, principalmente se você reduzir a qualidade. Dá para ver que o Moto G 5G aguenta bem esse tipo de tarefa por sua pontuação no teste do 3D Mark e no PCMark for Android (na galeria abaixo).

Se você quer saber cada número das especificações técnicas, o Snapdragon 750G é uma plataforma fabricada em litografia de 8 nanômetros com GPU Adreno 619 e processador de oito núcleos. A CPU tem arquitetura Kryo 570 e se divide em dois núcleos mais potentes de 2,2 GHz e outros seis mais eficientes de 1,8 GHz.

Interface e conectividade

O grande diferencial deste celular é o suporte ao 5G, apesar de não ser uma tecnologia muito fácil de encontrar no Brasil. Só existe o 5G DSS por enquanto, que usa frequências do 4G para atingir velocidades de download e upload maiores, mas ainda fica bem abaixo das possibilidades da quinta geração de fato. Mas é bom estar preparado para o futuro, além de poder aproveitar a internet mais veloz caso você viaje a algum país em que esteja disponível.

Além do 5G, o Moto G 5G também possui Bluetooth 5.1, NFC e Wi-Fi dual-band — compatível com modems de frequência 2,4 GHz e 5 GHz. E tem a função de compartilhar a tela via Chromecast, além de funcionar como um roteador Wi-Fi, função comum em smartphones modernos.

Este aparelho da Motorola saiu de fábrica com o Android 10 e ainda não recebeu a versão 11 do sistema operacional. É a única atualização de software prometida pela fabricante, além de updates de segurança por até dois anos contados a partir da data de lançamento — neste caso, até dezembro de 2022. Esse suporte de software é bem limitado quando comparado com o que oferecem Samsung e Xiaomi para seus intermediários.

A interface da Motorola é bastante limpa, com experiência intuitiva e que garante fluidez ao celular. Entre os recursos incluídos pela fabricante estão os gestos – agitar para ligar a lanterna ou girar o pulso para abrir a câmera e outros — e opções de notificações com a tela apagada e personalização da interface. Quanto a esta última, é possível mudar fontes, ícones e cor do sistema, além do papel de parede, pelo app Moto.

Câmera

O conjunto de câmeras na parte traseira do Moto G 5G tem três sensores, e aqui nada de um dedicado para o modo retrato: o principal tem 48 MP, enquanto o super grande-angular traz 8 MP e a resolução da macro é de 2 MP. Na frente, as selfies são registradas com 16 MP.

O conjunto é muito bom no geral, incluindo foco satisfatoriamente preciso e exposição equilibrada. No entanto, dá para notar uma boa diferença no tratamento das cores entre cada câmera: principal e ultra wide são relativamente próximas, com bom nível de saturação, enquanto a macro tem cores mais apagadas. Dá para aumentar a vibração em um software de edição, claro, e você pode aproveitar as imagens mais naturais se preferir também.

Sensor principal | 48 MP

Câmera de 48 MP tem alto nível de detalhe mesmo com pouca luz (Imagem: Felipe Junqueira/Canaltech)

As fotos com a câmera de 48 MP ficam bem satisfatórias, especialmente para uso na internet. A Motorola usa uma tecnologia que junta quatro pixels menores em um único de tamanho maior, que resulta em uma imagem de 12 MP com mais sensibilidade à luz, menos ruídos e nível de detalhes aumentado.

Também dá para tirar fotos bem legais com pouca luz, mantendo o nível de detalhes em alto nível. Porém, as cores ficam mais apagadas dependendo do ambiente, e aí o Night Vision (modo noturno) pode entrar em ação para, usando um algoritmo, fazer um registro nítido e vívido ao mesmo tempo.

Super grande-angular | 8 MP

A ultra wide não perde muita qualidade comparada ao sensor principal, mas, com a abertura da lente menor e sem a tecnologia de unir pixels para aumentar a sensibilidade à luz, as fotos podem ficar consideravelmente mais escuras. Infelizmente não há opção de modo noturno nesta câmera para ajudar nestes cenários.

Ou seja, você basicamente só consegue aproveitar o campo de visão ampliado em ambientes bem iluminados. Além disso, o foco é fixo, o que também limita bastante as opções.

Macro | 2 MP

Apesar da resolução pequena, macro tira fotos bem decentes (Imagem: Felipe Junqueira/Canaltech)

Com resolução bem menor e um sensor de qualidade consideravelmente inferior aos outros dois, a macro do Moto G 5G impressiona positivamente. Claro que as fotos não ficam tão boas quanto as feitas pela principal, mas o nível de detalhes é bem satisfatório para um sensor tão pequeno.

Vale lembrar que as cores ficam bastante apagadas com a macro, e também não dá para aproveitar o modo noturno aqui. Novamente, um recurso com bastante limitação, mas um pouco de criatividade e habilidade ajudam a render ótimas fotografias.

Modo retrato e outros recursos

Moto G 5G desfoca fundo de imagens mesmo sem uma câmera dedicada para isso (Imagem: Felipe Junqueira/Canaltech)

Temos aqui um exemplo bem claro do quão desnecessário é dedicar um sensor unicamente para fazer o efeito de desfoque de fundo em fotos do modo retrato. O Moto G 5G funciona tão bem quanto — ou até um pouco melhor — do que celulares com câmera extra para isso.

O celular ainda tem recursos de recorte, cor em destaque, Cinemagraph (que cria GIFs movimentados apenas em áreas selecionadas pelo usuário), panorama, selfie em grupo, filtro interativo e modo profissional.

Selfies | 16 MP

Selfies também têm alto níbel de detalhes (Imagem: Felipe Junqueira/Canaltech)

A câmera de selfies também tem boa qualidade, apesar de não trabalhar muito bem com luz muito irregular. Dependendo de onde estiver a fonte de iluminação, pode ter um “vazamento” que deixa quase toda a imagem esbranquiçada, como se lente estivesse suja.

Se você posicionar o aparelho direitinho, não deve ter muito problema para tirar bons autorretratos. O nível de detalhes é muito bom, e as cores pendem um pouco mais para o natural do que para o vívido.

Vídeos

Na gravação de vídeos, você tem a opção do 4K na câmera principal e 1080p (Full HD) na frontal. Mas terá que escolher entre a resolução maior ou uma taxa de quadros mais elevada, com 60 fps no 1080p — opção indisponível nas selfies. A macro também aceita vídeos Full HD com fluidez de movimento maior, enquanto a ultra wide só filma em 1080p a 30 quadros por segundo.

A qualidade das imagens é boa até mesmo com pouca luz, considerando que sempre há uma pequena perda quanto menos iluminação você tem. A estabilização é um dos destaques da gravação de vídeo, mesmo com a frontal.

Sistema de Som

Já se foi o tempo em que os Moto G traziam áudio estéreo, e com o Moto G 5G não é diferente. O celular tem um alto-falante mono que foca mais nos sons médios, mas ao menos não prejudica tanto os graves e agudos. Não é uma qualidade tão boa quanto poderíamos esperar de um smartphone cujo preço de lançamento está perto dos R$ 3.000, mas dá para o gasto na maior parte das vezes.

E quem faz questão de som limpo e agradável pode dispor de um fone de ouvido ou caixa de som com ou sem fio para conectar no smartphone pelo conector P2, USB-C ou via Bluetooth.

Bateria e Carregamento

A capacidade de carga da bateria do Moto G 5G segue o novo padrão da Motorola e intermediários no geral, com 5.000 mAh. É o suficiente, segundo a empresa, para 48 horas de uso longe da tomada. Será mesmo?

O primeiro teste que eu rodei para verificar a bateria do aparelho foi o de reprodução de vídeos na Netflix. Com o brilho da tela em 50%, deixei o dispositivo tocando uma série por 3 horas e, no final, verifiquei a carga: consumo de 22%, apenas 78% de bateria restante. Muito mais do que outros Moto G que também testei recentemente, sendo que o segundo maior consumo neste mesmo teste foi do Moto G9 Play no Android 10, com 19%.

Bom, não é só esse teste que realizamos aqui no Canaltech. Também usei o aparelho por um dia e monitorei a carga. Curiosamente, o dispositivo se saiu muito bem, até melhor do que o Moto G60, pois ficou com 64% de carga em aproximadamente 12 horas de uso bastante semelhante ao “irmão”. Neste período, a tela ficou ligada por 5h44. Ou seja, dá para confiar nas 48 horas de uso, que é uma estimativa da Motorola em uso mediano.

Durante o meu teste usei redes sociais (TikTok e Instagram), streaming de vídeo (YouTube e Netflix) e de música (YouTube Music), naveguei na internet, usei mensageiros e até joguei um pouco de Free Fire e Subway Surfers. Um uso até um pouco mais exigente do que a média do usuário brasileiro, com a tela sempre em 50% do brilho e Wi-Fi sempre ligado.

Não custa lembrar que testes de bateria são sempre uma estimativa, pois o uso varia de pessoa para pessoa, e há vários fatores que influenciam o tempo de vida da bateria. Não leve os números aqui apresentados como verdade final, mas o importante é saber que a bateria do Moto G 5G tem ótima duração, e certamente aguenta um dia inteiro longe da tomada.

Já a recarga, infelizmente, fica limitada a um adaptador de parede de 20 W de potência. Não é ruim, claro, mas atualmente já existem carregadores muito mais rápidos. O tempo para preencher a carga de 0% até 100% no Moto G 5G com o carregador original fica em cerca de 2 horas.

Concorrentes Diretos

Quando saiu, o Moto G 5G praticamente não possuía concorrentes diretos, já que só havia o Moto G 5G Plus com a quinta geração da banda larga móvel disponível no Brasil. Hoje já existem mais opções, e cada uma vai ter vantagens e desvantagens em relação ao celular da Motorola,

Começando pelo próprio modelo Plus, você tem tela em formato 21:9 e taxa de atualização da tela maior, processador um pouco mais potente e câmeras com mais recursos. A bateria tem a mesma capacidade, e entrega tempo de uso um pouco menor por conta da tela que gasta mais. Custa pouca coisa mais caro e pode ser uma alternativa interessante para quem quer algo ainda mais completo.

Na Samsung, temos o Galaxy A52 5G, que também é um excelente intermediário, tem tela Super AMOLED também com 90 Hz e câmeras mais completas, enquanto repete o processador do Moto G 5G e tem menos bateria. E tudo isso por um preço consideravelmente mais alto.

Tem ainda o Redmi Note 10 5G e o Poco M3 Pro 5G, da Xiaomi, e o Realme 7 5G, da Realme, que podem ser comprados de importadores a preço mais baixo que os concorrentes nacionais. Os três também estão disponíveis de maneira oficial, mas o valor já aumenta bem para ter suporte localizado e garantia de 12 meses.

Descartando o 5G, posso recomendar duas boas opções bastante semelhantes em quase todos os aspectos: Moto G60, que atualmente ainda está mais caro que o G 5G; ou Moto G9 Plus, já bem mais em conta do que seus “irmãos” e também muito poderoso.

Conclusão

Um celular um pouco perdido em meio a tantas opções, o Moto G 5G tem sua razão de existir, mas é difícil dizer para alguém comprar este modelo. Se você faz questão do 5G, tem o Moto G 5G Plus, que é ainda mais completo e não tão mais caro. Se não pensa em usar a quinta geração de banda larga móvel ainda, tem opções da própria Motorola mais em conta do que o objeto desta análise.

De qualquer modo, o Moto G 5G é um ótimo smartphone. Tem tela muito boa, apesar de ser um LCD básico, processador e GPU potentes, bom conjunto de câmeras e bateria que realmente dura bastante tempo. Se você resolveu pesquisar sobre ele e quer comprar por qualquer motivo que seja, é difícil também dizer para não comprar.

Dá para entender o paradoxo? Não compre, pois há opções melhores. Mas se você realmente quer este modelo, leve para casa e seja feliz com um ótimo celular que vai durar muitos anos, e já está pronto para a próxima evolução na internet móvel.

O smartphone da Motorola foi lançado pelo preço sugerido de R$ 2.799, mas já dá para encontrar por até R$ 1.000 mais barato do que isso na internet atualmente. Você pode ver os preços do aparelho no link abaixo.

Se interessou em comprar o Moto G 5G? Então fique de olho no Canaltech Ofertas para descobrir os melhores preços para o celular da Motorola no momento em que você estiver lendo esta análise. O Canaltech sempre traz as melhores ofertas para você não gastar mais do que precisa para comprar seus gadgets.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.