Os maiores lançamentos da Apple em 2020

Por Rubens Eishima | 16 de Dezembro de 2020 às 12h00
Divulgação/Apple
Tudo sobre

Apple

Saiba tudo sobre Apple

Ver mais

Apesar das dificuldades enfrentadas pelo setor de tecnologia em 2020, o ano não parece ter afetado tanto a gigante Apple. Mesmo com alguns atrasos, a empresa norte-americana manteve seu cronograma de lançamentos e finalmente entrou na era do 5G. Mas o ano da Maçã foi muito mais do que o iPhone, como você confere na lista a seguir.

As recomendações de distanciamento social e o fechamento temporário das fábricas na China no primeiro trimestre tiveram um impacto no desenvolvimento de produtos da empresa. Ao longo do ano, diversas notícias indicaram que a atualização anual do iPhone — que acontece em setembro desde 2012, com o iPhone 5 — seria adiada em 2020, o que de fato aconteceu.

Mesmo assim, a Apple lançou novas gerações de celulares, smartwatches e tablets, com direito a versões mais acessíveis do iPhone, Apple Watch e HomePod.

iPhone 12 Pro Max: carro-chefe

Apesar da reação um tanto morna da imprensa especializada, o lançamento da linha iPhone 12 marca uma nova etapa para os celulares da Apple. Além da estreia do modem 5G — que voltou a ser fornecido pela Qualcomm, após anos com a Intel —, a família adotou telas OLED em toda a gama, incluindo o iPhone 12 mini.

O iPhone 12 Pro Max se destaca não apenas pela inclusão da lente teleobjetiva com zoom de 2,5 vezes — contra 2x no iPhone 12 Pro —, como também inclui estabilização óptica de imagem. Além disso, os modelos Pro trazem um novo sensor LiDAR, que oferece melhorias em foco automático, modo retrato (na aplicação do desfoque de fundo) e recursos para apps de realidade aumentada.

Polêmicas sobre a não inclusão do carregador a parte, e as primeiras impressões não muito empolgadas nas avaliações iniciais, o iPhone 12 Pro Max registrou um início de vendas superior ao dos antecessores, mostrando o quanto o aparelho era esperado pelos fãs da fabricante.

iPad Air (2020): quase Pro

Apesar da atualização do iPad Pro no começo do ano, o destaque entre os tablets da Apple foi mesmo o iPad Air (2020). O modelo trouxe uma nova geração de processadores à linha — estreando o chip A14 usado mais tarde no iPhone 12 — oferecendo praticamente os mesmos recursos do modelo “profissional” em uma faixa de preço inferior.

iPad Air 2020 adotou o visual do iPad Pro (Foto: Divulgação/Apple)

Com bordas mais finas e leitor de digitais no botão de energia, o iPad Air 2020 poderia muito bem ser confundido com um “iPad Pro mini”. O tablet é compatível com a caneta Apple Pencil, além dos acessórios de teclado, voltados principalmente para uso com aplicativos de produtividade. Além disso, o sistema iPadOS 14 tornou ainda mais forte o argumento da Apple de que o tablet agora é um computador.

iPhone SE (2020): hora certa

A fórmula para o novo iPhone SE é simples: pegue a parte externa de um modelo básico e instale componentes novos. A receita funcionou com o primeiro SE e voltou em 2020 utilizando a estrutura e tela do iPhone 8, que as herdou do 7, com o processador do iPhone 11.

O novo SE foi lançado quase no auge da pandemia da COVID-19 e logo se tornou um sucesso de vendas. Mesmo chegando às lojas (virtuais) no começo do segundo trimestre, o iPhone SE (2020) fechou a primeira metade do ano como o quinto aparelho mais vendido do semestre. Seja coincidência ou visão de mercado, justamente quando os consumidores se sentiam inseguros para investir muito em um celular, a Apple chegou com uma opção de bom custo/benefício.

HomePod mini

No segmento de alto-falantes conectados, a Apple não foi a pioneira, mas ditou as regras do jogo com o lançamento do primeiro HomePod. Logo, como já vimos mais de uma vez, fabricantes asiáticas correram para lançar soluções para a categoria — muitas vezes sem se preocupar em se diferenciar no design. Mas o smart speaker da Maçã acabou ficando para trás justamente dos rivais que mais fugiram do visual do HomePod — as soluções das norte-americanas Google e Amazon.

Mais compacto e mais barato, para enfrentar o Amazon Echo e Google Nest Audio (Imagem: divulgação/Apple)

Com ecossistemas mais abrangentes para a Alexa e a Google Assistente, as linhas Echo e Nest se destacaram também por serem mais acessíveis. De olho nos concorrentes, a Apple lançou o HomePod mini, mantendo a integração com o HomeKit e a assistente Siri. Os US$ 100 (cerca de R$ 500) de preço sugerido para o HomePod mini podem parecer muito frente a Echo dot e Nest Mini (que custam a metade do valor), mas os adversários do novo alto-falante da Apple são o Echo (4ª Geração) e o Nest Audio, com o mesmo preço de tabela.

iPhone 12 mini

Desde que a Apple abandonou os modelos compactos e passou a oferecer aparelhos cada vez maiores, consumidores da marca repetiam uma frase a cada lançamento: pena que não tem em um tamanho menor. Para atender aos fãs, 2020 finalmente trouxe uma versão compacta de um novo iPhone topo de linha. O iPhone 12 mini tem praticamente as mesmas especificações do modelo regular, ocupando menos espaço sem sacrificar a tela OLED de bordas reduzidas.

A redução de medidas gerou alguns sacrifícios, caso da bateria bem menor, afinal o iPhone 12 mini utiliza os mesmos componentes dos irmãos maiores. Mesmo assim, como o modelo mais acessível da linha, o iPhone 12 mini tem o potencial de puxar as vendas da marca, assim como o iPhone XR fez em 2019.

Apple Watch SE

A Apple pode até ter dado mais destaque para o Apple Watch series 6, mas talvez mais importante do que ele foi o lançamento do Apple Watch SE (versões SE e mini parecem ter dominado a lista neste ano). Com o mesmo design dos modelos tradicionais e o processador S5 do smartwatch de quinta geração, o Apple Watch SE traz os principais recursos da linha com um preço R$ 1.500 mais acessível.

O SE deixa de fora o sensor de oxigenação no sangue e o ECG (eletrocardiograma), além de oferecer menos opções de acabamento que a sexta geração. Por outro lado, supera o Apple Watch Series 3 (R$ 1.200 mais barato) por oferecer bússola, detecção de queda, tela maior e processador mais moderno — além da perspectiva de atualizações por mais tempo.

AirPods Max

Na contramão da maioria dos lançamentos listados acima, temos o AirPods Max. Com um preço nem um pouco acessível para a maioria das pessoas — R$ 6.899 —, os novos fones de ouvido não parecem uma compra racional. Mesmo assim já podemos imaginar que estará na cabeça de muita gente nas grandes cidades, seguindo os passos dos outros AirPods.

Quase sete mil reais (e não inclui carregador de parede) mas pode apostar que vai aos montes por aí (Imagem: divulgação/Apple)

Não importa o medo que algumas pessoas citem de andar por aí com um aparelho sem fio que custa quase o mesmo que um iPhone 12 mini. Jogadores de futebol, influenciadores e videoclipes (feat. AirPods Max) vão garantir o sucesso de vendas do acessório, que nem ao menos conta com o logotipo da maçã à mostra.

Menções honrosas

MagSafe (a ideia, não os carregadores atuais)

Preços exorbitantes à parte, o sistema MagSafe chega para resolver um problema pequeno, mas que incomoda no padrão de recarga Qi: a necessidade de deixar o celular parado na base. A ideia é simples e tem tudo para ser copiada por outros fabricantes, usando ímãs para manter o celular alinhado com a base de recarga, permitindo o uso do aparelho.

O MagSafe vai além de meros ímãs, aproveitando comunicação sem fio e um sistema de identificação de acessórios. E tudo leva a crer que não vimos uma fração do potencial de uso do sistema — que abre a chance de aposentar as portas na linha iPhone (e render muito dinheiro à Apple com o licenciamento de acessórios compatíveis).

Apple M1

Para os fãs de longa data da empresa, o principal lançamento da Apple deve ter sido mesmo a dos novos computadores equipados com os processadores próprios da empresa. A transição marca o começo do fim dos processadores Intel na família Macintosh, presentes desde 2006. O processador M1 é uma evolução dos chips A, no mercado desde 2010 com o iPad e o iPhone 4.

Variações do mesmo processador devem equipar uma nova geração do iPad Pro, e outros avanços em processamento e gráficos vão acabar chegando às outras linhas da Apple.

Bom, esta é a nossa lista para 2020. E qual a sua relação dos maiores lançamentos da Apple neste ano? Acha que o iPhone 12, iPad (2020), Apple Watch series 6 ou iPad Pro mereciam mais destaque? Deixe sua opinião no campo de comentários abaixo.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.