YouTube reduz qualidade de vídeo padrão para SD em todo o mundo

Por Rubens Eishima | 24 de Março de 2020 às 15h32
Reprodução
Tudo sobre

YouTube

Saiba tudo sobre YouTube

Ver mais

Após tomar medidas para reduzir o impacto nas redes de telecomunicações na Europa, o YouTube anunciou que reduzirá a resolução de vídeo padrão para usuários em todo o mundo. Em comunicado ao Canaltech, um porta-voz da empresa confirmou a medida, válida a partir de hoje (24).

Continuamos a trabalhar em estreita colaboração com governos e operadoras de rede em todo o mundo para minimizar o impacto no sistema durante essa situação sem precedentes. Na semana passada, anunciamos que estamos temporariamente exibindo os vídeos do YouTube com qualidade de definição padrão (SD) na União Europeia. Dada a natureza global dessa crise, a partir de hoje expandimos essa mudança para o mundo todo.

Com a mudança, os vídeos passarão a ser exibidos em resolução 480p — também conhecida como SD, ou definição padrão, a mesma dos DVDs — mas os usuários terão a opção de alterar a exibição para outras resoluções na página ou aplicativo.

Na semana passada, a empresa já tinha adotado uma medida semelhante na Europa, após conversas do comissário europeu para mercado interno, Thierry Breton, com os CEOs da Alphabet, Sundar Pichai, e YouTube, Susan Wojcicki. Breton convocou o YouTube e Netflix a reduzirem a qualidade de transmissão de vídeos na Europa para reduzir o tráfego de dados nas redes de telecomunicações do continente, enquanto governos incentivavam seus cidadãos a permanecerem (e trabalharem) em suas casas em resposta à pandemia da COVID-19.

No Brasil, uma série de empresas adotou iniciativas semelhantes, incluindo Globo, Facebook e Netflix. A Anatel formou na última semana um grupo de gestão de risco que inclui operadoras de telecomunicação e outras empresas para discutir o impacto das medidas de distanciamento social na rede de dados do país.

YouTube é responsável pelo terceiro maior volume de dados na internet (imagem: Sandvine)

A preocupação de empresas, operadoras e governos se baseia no fato de que cerca de 60% do tráfego da internet é formado por transmissões de vídeo e, com as recomendações de distanciamento social, a previso é de aumento no número de pessoas consumindo vídeos em suas casas. Isso poderia sobrecarregar as redes de dados ao mesmo tempo em que elas se tornam mais necessárias para uso em trabalho à distância, informação e até telemedicina.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.