Globoplay vai reduzir qualidade de vídeos para dar conta da demanda

Globoplay vai reduzir qualidade de vídeos para dar conta da demanda

Por Felipe Demartini | 23 de Março de 2020 às 09h46

A Globoplay anunciou que vai reduzir a qualidade dos vídeos exibidos aos usuários como forma de lidar com o grande aumento nos acessos causado pela pandemia do coronavírus. De acordo com a Globo, responsável pelo serviço de streaming, todos os materiais passam a estar disponíveis apenas em resolução 720p, com os formatos 1080p e 4K desabilitados por tempo indeterminado como forma de garantir o funcionamento da plataforma.

De acordo com a empresa, a mudança fará com que um capítulo de novela com uma hora de duração passe a consumir 1,2 GB de dados, em vez dos 2,5 GB do Full HD, além de ter uma taxa de bitrate de 2,8 Mbps em vez dos originais 5,8 Mbps. A medida reduz a sobrecarga no serviço em um momento no qual há mais pessoas em casa e por um tempo muito maior que o comum.

Na visão da Globo, ela também ajuda a manter o que chamou de “infraestrutura de troca de tráfego público”, com o “perfil de consumo mais conservador” servindo para evitar um colapso na rede. A mesma política de redução na qualidade das imagens também será aplicada aos sites de notícias e outros serviços de streaming da empresa, que também estão vendo um aumento nos acessos por conta da pandemia do coronavírus.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Ajudou, ainda, o fato de a Globoplay ter liberado um pacote de conteúdo a não-assinantes para auxiliar durante o período de isolamento social causado pelo novo coronavírus. Filmes da Marvel e da Disney, séries, conteúdo infantil e novelas, incluindo a primeira fase de Amor de Mãe, cujas gravações foram interrompidas justamente por conta da pandemia, estão disponíveis gratuitamente até o dia 20 de abril.

Apesar da mudança na resolução, a Globo deixou claro que não existem outras limitações no serviço, tanto em número de vídeos assistidos quanto ao total de horas, e isso vale mesmo para os usuários gratuitos. Em comunicado, a empresa afirma esperar que outras companhias do ramo tomem atitudes semelhantes, em uma atitude proativa diante da manutenção da infraestrutura brasileira de telecomunicações.

A redução na qualidade dos conteúdos de serviços de streaming também foi adotada recentemente na União Europeia, onde Netflix, YouTube e Amazon acataram um pedido do bloco e alteraram a resolução de seus conteúdos como uma medida temporária para compensar a sobrecarga nos serviços. Até onde se sabe, a Globoplay é a primeira a trazer essa ideia para o Brasil.

Fonte: Globo

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.