Publicidade

Review Pixel Buds Pro | Ótimo fone com comandos de voz

Por| Editado por Léo Müller | 02 de Setembro de 2022 às 15h37

Link copiado!

Review Pixel Buds Pro | Ótimo fone com comandos de voz
Review Pixel Buds Pro | Ótimo fone com comandos de voz
Pixel Buds Pro

Em maio de 2022 o Google atualizou sua linha de fones de ouvido e apresentou os novos Google Pixel Buds Pro ao mercado. O vestível chegou inicialmente aos Estados Unidos, mas ainda não está disponível em nosso país. Enquanto isso, é possível importar o acessório por serviços confiáveis, como o UsCloser

O Canaltech trouxe um par dos Pixel Buds Pro, e testei bastante os acessórios nos últimos dias. O dispositivo aposta em uma qualidade sonora bem encorpada, mas também chega com alguns diferenciais muito importantes, como comandos de voz hands-free com o Google Assistente e serviço de tradução em tempo real com suporte a vários idiomas.

Continua após a publicidade

Mas será que compensa trazer um modelo desses para cá? Vale a pena importar o fone de ouvido do Google e desembolsar uma boa quantia pelo fone de ouvido? Neste texto trago a análise completa do vestível, para te ajudar a entender se compensa comprá-lo ou se é melhor focar em um produto já disponível oficialmente no Brasil. Confira:

Para importar produtos dos Estados Unidos que você não encontra por aqui, basta criar uma conta na USCloser. Você faz suas compras nos sites gringos normalmente, e a USCloser recebe por você lá nos EUA mesmo, em uma espécie de “caixa postal americana” criada exclusivamente para você. Depois, a USCloser encaminha os produtos para sua casa aqui no Brasil. É seguro, prático e rápido. Siga nosso tutorial para se cadastrar e comprar nos EUA economizando muito.

Continua após a publicidade

Design e construção

O visual do Pixel Buds Pro é bem discreto e elegante. Ele tem o design intra-auricular com pequenas ponteiras de silicone que são encaixadas no canal auditivo. Na parte externa, há uma área de toque que permite executar comandos, como controlar a reprodução de música, alterar o som entre ambiente ou ANC ou acionar o Google Assistente.

Sua estrutura segue um pouco a identidade visual dos Samsung Galaxy Buds, ou seja, não há uma haste externa como nos AirPods Pro. Em vez disso, ele é mais minimalista e tende a ficar mais “oculto” na orelha.

Continua após a publicidade

Apesar desses aspectos serem bem agradáveis, eu tenho um ponto a reclamar do design dos Pixel Buds Pro — eles podem ser um pouco difíceis de serem ajustados na posição correta na orelha, ou pelo menos nos primeiros dias de uso. Isso porque o seu formato não favorece tanto o encaixe quanto os fones da Samsung ou Apple, por exemplo.

Isso é só questão de prática, é claro. Com o tempo, você aprende a usá-los de forma mais fácil — e até pega alguns “macetes”, como usar o “G do Google” na parte externa para se guiar. Mas, ainda assim, é preciso fazer alguns ajustes do acessório na orelha para uma vedação mais eficiente — essencial para o funcionamento do cancelamento de ruído.

Fora isso, também notei que, dependendo da posição, o vestível pode incomodar um pouco após algumas horas de uso. No período que testei o Pixel Buds Pro, tive que tirá-los mais dos ouvidos para descansar do que outros modelos que testei ou uso no dia-a-dia — como o Galaxy Buds 2.

Continua após a publicidade

É válido destacar que ele tem certificação IPX4, o que permite ouvir músicas enquanto pratica esportes ou até quando está sob uma fraca garoa — mas nada de resistência à imersão completa.

Qualidade de som

A qualidade sonora do Google Pixel Buds Pro é digna de um fone de ouvido topo de linha — ele possui um som bem equilibrado, mas com uma presença bem intensa dos graves. Isso é mais notado em músicas eletrônicas, mas, mesmo em outros estilos musicais, é possível ter uma boa performance das frequências mais baixas.

Em Ziggy Stardust, do David Bowie, por exemplo, pude notar com bastante clareza o som do baixo que dá ritmo durante toda a música. Como efeito de comparação, isso geralmente fica um pouco inexpressivo em fones mais simples, com pouco destaque para graves.

Continua após a publicidade

Os agudos também são bem definidos. No refrão da mesma música, há um belo destaque dos pratos, o que mostra que as frequências altas também receberam a atenção necessária.

Um ponto um pouco negativo é que o volume não é tão alto. Em um nível médio, ele fica um pouco abaixo de muitos outros fones de ouvido que testei — algo parecido com o que notei no Echo Buds, por exemplo.

Em contrapartida, no nível máximo o som é bem definido e não há qualquer perda de qualidade. Isso quer dizer que o áudio terá o mesmo desempenho, sem agudos estridentes, graves estourados ou médios embolados. Em geral, ele oferece uma ótima qualidade sonora.

Continua após a publicidade

Há ainda um modo de equalização padrão, que deixa os graves e agudos ainda mais destacados. No entanto, ele funciona apenas para volumes mais baixos. Se você quiser ouvir música no máximo, não recomendo a utilização, já que há uma pequena perda de volume.

Recursos exclusivos

Além da qualidade sonora avançada, o Pixel Buds Pro também aposta em recursos exclusivos, que levam sua funcionalidade muito além do que simplesmente ouvir músicas.

Google Assistente hands-free

Continua após a publicidade

O primeiro e principal deles é o suporte para o Google Assistente com acionamento hands-free, ou seja, totalmente livre de toques ou comandos por gestos. Assim como o Echo Buds, da Amazon — que permite acionar a Alexa — o Pixel Buds Pro se destaca por possibilitar que o usuário dê comandos para os fones de ouvido sem sequer tocar neles.

Com isso, é possível pedir para tocar alguma música, fazer uma pesquisa na internet ou até mesmo controlar itens de casa inteligente direto dos fones de ouvido. Na prática, funciona como um Google Nest, mas mais portátil e discreto. O serviço também pode ler as notificações recebidas no smartphone de forma automática assim que chegam.

Só há um ponto importante a se destacar: essa função só funciona com o próprio usuário, ou seja, só atenderá comandos de uma única voz. Isso porque o Google Assistente faz o reconhecimento da voz para criar a frase de acionamento, o famoso “Ok, Google”.

Continua após a publicidade

Google Tradutor embutido

Outra vantagem é o Google tradutor já integrado aos fones de ouvido. Com essa função, o usuário do Pixel Buds Pro pode conversar em outro idioma com uma pessoa sem precisar abrir um tradutor no celular.

Para isso, basta dar o comando “Ok Google, me ajude a falar em inglês”, por exemplo, para começar a usar o serviço. Após isso, o vestível fará a tradução do que for dito. A função fica melhor com o app aberto no celular.

Dessa forma, a pessoa que for falar em outro idioma só precisa falar no microfone do celular para a tradução ser feita em tempo real no fone de ouvido. Já o usuário fala sem precisar se aproximar do celular e o que for dito em português é traduzido em voz alta e em texto no celular.

Continua após a publicidade

Esse recurso funciona muito bem e, mesmo que o fone não seja vendido oficialmente no Brasil, há suporte para o português daqui, já que é um serviço integrado diretamente com o Google Tradutor.

Bateria e carregamento

O carregamento do estojo do Google Pixel Buds Pro é feito por USB-C ou com um carregador sem fio. No entanto, o kit não inclui nenhum dos acessórios, então você precisa adquirir a parte se não tiver um em casa.

Continua após a publicidade

Aqui, eu usei um carregador wireless da Baseus — além de um USB-C comum — e a carga foi feita normalmente. A empresa de Mountain View destaca que o estojo é compatível com acessórios certificados com a tecnologia QI, então deve funcionar com a maioria dos dispositivos mais atuais disponíveis no mercado.

Os buds, em si, são carregados automaticamente dentro do case — nada diferente de outros modelos. O Google explica que apenas 5 minutos dentro do estojo dá uma carga suficiente para uma hora de reprodução com o ANC ligado. No total, a promessa é de que os fones chegam a 7 horas com ANC ativado e 11 horas com o recurso desligado.

Nos meus testes, tive um desempenho bem próximo a isso. Com o ANC desativado, reproduzi músicas por quase nove horas, com qualidade de streaming alta no Spotify e volume médio. No entanto, esse foi o tempo máximo de duração com apenas um fone, já que o direito teve a carga esgotada bem antes, com quase sete horas de reprodução.

Com o cancelamento de ruído e o recurso de equalização ativados, a performance foi um pouco inferior — o lado direito esgotou com cerca de 5 horas e meia, enquanto o esquerdo durou quase 9 horas no total. Essa duração máxima deve ter acontecido porque provavelmente o ANC foi desativado após a bateria do lado direito zerar.

Aplicativo e conectividade

Se você já tem um celular Google Pixel, não precisará baixar nenhum aplicativo para usar o Pixel Buds Pro — toda a configuração do vestível é feita direto nas configurações do Bluetooth no smartphone. Caso seu aparelho seja um dispositivo Android de outra marca, no entanto, basta baixar o app Pixel Buds, disponível na Play Store.

A conexão, no entanto, não exige o download da aplicação — ela serve apenas para facilitar o processo e realizar algumas configurações nos fones de ouvido, como ativar o ANC ou Som Ambiente, configurar o Google Assistente, ligar a equalização do som, entre outros.

O protocolo Bluetooth já é um pouco ultrapassado. Enquanto outros modelos já apostam no Bluetooth 5.1 ou 5.2, o Pixel Buds Pro foi lançado com Bluetooth 5.0. Na prática, isso não influencia tanto. O alcance e a estabilidade da conexão são tão boas quanto as de dispositivos com os tipos de conexões mais atuais.

Ficha Técnica

  • Drivers dinâmicos de 11 mm;
  • Controles de toque;
  • Bateria para até 11 horas com a carga só dos buds e até 31 horas com o estojo de recarga (sem ANC) ou 7 horas com a carga só dos buds e até 20 horas com o estojo de recarga (com ANC
  • Bluetooth 5.0;
  • Cancelamento de ruído ativo (ANC);
  • Modo de baixa latência;
  • Som ambiente.
  • Recurso de tradução instantânea
  • Suporte ao Google Assistente hands-free

Acessórios

O kit do Pixel Buds Pro é bastante simples para um fone dessa categoria — e preço! Nele, não só está ausente o carregador, como não há ao menos um cabo USB para recarregar a bateria do estojo. Dentro da embalagem, há apenas duas ponteiras de silicone extra, além do estojo e do par de fones de ouvido.

Dessa forma, caso você ainda tenha um celular com micro USB (ou simplesmente não tenha um USB-C sobrando), terá que se virar para arrumar um cabo compatível. Vale lembrar que até mesmo a Apple manda um cabo de carregamento na caixa junto com seus AirPods.

Concorrentes diretos

O principal concorrente do Pixel Buds Pro no mercado é o Galaxy Buds Pro. Ambos os fones de ouvido estão encaixados no segmento premium e oferecem ótimos recursos extras para os usuários.

Para começar, tanto o modelo da Samsung quanto o do Google contam com um bom cancelamento de ruído, que ajuda a isolar bastante o barulho ao redor, para criar uma imersão maior com o áudio. Da mesma forma, a qualidade sonora é bem equivalente nos dois modelos, com drivers de 11mm em ambos os wearables.

Em recursos extras, o Google se destaca por ter suporte hands-free para o Google Assistente e função de tradução em tempo real com o Google Tradutor. Por outro lado, o Galaxy Buds Pro oferece suporte à sua própria assistente digital, a Bixby, e oferece o modo de áudio 360, que melhora a experiência ao consumir conteúdos em vídeo no celular.

A bateria é outro ponto que pesa a favor do Pixel Buds Pro, já que o modelo rival tem autonomia de cerca de cinco horas — contra sete, no mínimo, do Google. Em contrapartida, a Samsung oferece mais resistência à água, com a certificação IPX7 do seu Buds Pro, contra o IPX4 do Buds Pro rival.

Em relação ao preço, há uma grande diferença. O Buds Pro já custa entre R$ 700 e R$ 800 no mercado nacional — um preço bem atrativo para um fone de ouvido que custava mais de R$ 1.000 há alguns meses.

O Pixel Buds Pro, por sua vez, só é vendido no exterior e custa US$ 250 nos Estados Unidos. Em conversão direta, isso dá cerca de R$ 1.050, mas é importante lembrar que ainda deve rolar alguns impostos caso você faça a importação.

Google Assistente hands-off, tradutor em tempo real e som premium fazem a diferença

Já começo essa conclusão destacando um ponto importante: esse não é um fone de ouvido barato, de fato. Custando cerca de R$ 1.000 em conversão direta, ele chegará aqui por um preço bem mais salgado que seu principal concorrente, o Galaxy Buds Pro de primeira geração.

A falta de disponibilidade oficial no Brasil gera esse problema, mas é importante destacar que estamos falando de um modelo com excelente desempenho sonoro e alguns recursos extras que fazem dele uma das melhores opções no mercado.

Em termos de áudio, ele está bem parelho com a concorrência, mas a presença do Google Tradutor integrado e do Google Assistente que funciona só com comandos de voz torna ele uma opção bem mais atrativa.

É claro que esses são recursos que você provavelmente usará pouco, mas é bom saber que estão ali. Se for viajar para um país que você conhece pouco o idioma, ele ajudará muito mais do que qualquer outro fone de ouvido.