Linha AMD Ryzen PRO 5000G mostra avanços da arquitetura Zen 3 em primeiro review

Linha AMD Ryzen PRO 5000G mostra avanços da arquitetura Zen 3 em primeiro review

Por Renan da Silva Dores | Editado por Wallace Moté | 05 de Julho de 2021 às 09h00
AMD

A AMD conseguiu conquistar uma grande parcela de usuários graças aos avanços que cada nova microarquitetura trouxe à linha principal de processadores da marca. Com a família Ryzen 5000, a fabricante foi capaz de abrir vantagem sobre a Intel em desempenho, tanto em jogos quanto em aplicativos profissionais, algo que não acontecia há anos.

Paralelo a isso, a empresa também começou a trabalhar em uma linha dedicada de APUs, com nomenclatura similar à série principal, com exceção da adição de um "G" no final. As soluções combinam as elogiadas CPUs da companhia com GPUs Vega, que ainda ostentam o título de melhores gráficos integrados do mercado, apesar dos avanços da Intel no setor.

Baseada na nova microarquitetura Zen 3, a mais recente família de APUs Ryzen 5000G é a mais robusta já lançada pela AMD e, diferente da antecessora, estará disponível ao público em versões padrão e PRO, para uso profissional. Diante disso, as variantes PRO acabam de ser analisadas por um usuário do fórum chinês Chip Hell, mostrando o potencial dos processadores em games e benchmarks.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Especificações técnicas e bancada de testes

A linha Ryzen PRO 5000G é composta por três chips — o topo de linha Ryzen 7 PRO 5750G, o intermediário Ryzen 5 PRO 5650G e o chip de entrada Ryzen 3 PRO 5350G. Mais potente entre os três, o 5750G vem com 8 núcleos e 16 threads, clock base de 3,8 GHz e boost de 4,6 GHz.

Há ainda 16 MB de cache L3, 4 MB de cache L2 e consumo estimado de 65 W, além da GPU Vega 8, com 8 Unidade Computacionais (CUs) ou 512 núcleos, e velocidade de 2,0 GHz, elevada para uma solução integrada.

A família AMD Ryzen PRO 5000G é composta pelo Ryzen 3 PRO 5350G, Ryzen 5 PRO 5650G e Ryzen 7 PRO 5750G (Imagem: Enthusiastic Citizen/Chip Hell)

O Ryzen 5 PRO 5650G traz 6 núcleos e 12 threads, com clock base de 3,9 GHz e boost de 4,4 GHz. Há 16 MB de cache L3 e 3 MB de cache L2, e consumo também estimado em 65 W. O processamento gráfico fica a cargo da Vega 7, GPU de 7 CUs ou 448 núcleos, com clock de 1,9 GHz.

Por fim, o Ryzen 3 PRO 5350G é um processador de 4 núcleos e 8 threads, com clock base de 4,0 GHz e boost de 4,2 GHz. A CPU é acompanhada de 8 MB de cache L3 e 2 MB de cache L2, com consumo de 65 W. Em GPU, temos uma Vega 6, com 6 CUs ou 384 núcleos, e velocidade de 1,6 GHz.

A bancada de testes contou com placa X570 da ASRock, 32 GB de RAM DDR4-3600 e fonte de 1.000 W (Imagem: Enthusiastic Citizen/Chip Hell)

Os três processadores contam ainda com variantes de 35 W, para máquinas mais compactas, que mantém as configurações dos modelos tradicionais, mas reduzem ligeiramente as velocidades da CPU para manter o consumo sob controle. Também é importante reforçar que as versões PRO são basicamente idênticas aos modelos comuns, trazendo apenas recursos adicionais de segurança.

Para os testes, o usuário identificado como Enthusiastic Citizen utilizou uma máquina equipada com placa-mãe ASRock X570 Taichi Razer Edition, 16GB de RAM DDR4 a 3.600 MHz (CL17) e fonte Antec HCG-X1000, de 1.000 W. No resfriamento dos chips, foi utilizado um air cooler Sandonghai K4000, com ventoinha de 130 mm. Em testes com overclocking, no entanto, foi utilizado um AiO Julang 360 Pro de três ventoinhas, sem dimensões informadas.

Desempenho em benchmarks e consumo

Os processadores foram colocados para encarar os antecessores da linha Ryzen PRO 4000G, bem como um Ryzen 7 5800X junto a uma Radeon RX 560 de 4 GB. Nesse cenário, no Cinebench R15, o Ryzen 5 PRO 5650G foi o que mostrou maior evolução em relação ao antecessor, com avanço de 20% em média, seguido pelo Ryzen 7, com 17%, e por fim o Ryzen 3, com melhorias de 12,5%.

O 5800X mostra superioridade, possivelmente em virtude dos clocks mais altos, e só é alcançado pelo 5750G com overclock. O Cinebench R20 mostra um cenário parecido, mas com números mais modestos — o 5650G é o que mais avança, com ganhos de 16% sobre a geração passada, seguido do 5750G, com 14,5%, e do 5350G, com 12%. A liderança em desempenho bruto é novamente atingida pelo 5800X.

Os testes sintéticos do CPU-Z e do 3DMark seguem a mesma tendência, e mostram que o Ryzen 5 PRO foi o chip que mais se beneficiou com a nova arquitetura, bem como dos ajustes feitos nas GPUs Vega. Para analisar a temperatura e o consumo, Enthusiastic Citizen utilizou o AIDA64, que mostrou não haver mudanças significativas na passagem de geração, reforçando os ganhos de eficiência da família 5000G.

Por fim, o usuário analisou ainda a latência das memórias, o upgrade mais visível nos novos modelos. A queda significativa nesse quesito se deve não apenas a caches maiores, armazenando mais informações durante os ciclos de processamento, como também da reestruturação da arquitetura Zen 3, que combina oito núcleos em um CCX (conjunto de núcleos) em vez de apenas 4, como na arquitetura Zen 2.

Desempenho em games

Em games, Enthusiastic Citizen utilizou os títulos Counter Strike: Global Offensive (CS:GO) e Forza Horizon 4, ambos em resolução Full HD no preset gráfico mais baixo, para forçar as CPUs ao máximo.

Resultados em Forza Horizon 4, resolução Full HD e preset gráfico mais baixo (Imagem: Enthusiastic Citizen/Chip Hell)

Nessas condições, os ganhos entre gerações foram significativamente mais modestos, com o Ryzen 5 sendo mais uma vez o chip a dar o maior salto em comparação ao antecessor, com ganhos de 6% em média, seguido de perto pelo Ryzen 7, com melhoria de 5,5%. O Ryzen 3 praticamente não trouxe aprimoramentos, aumentando o desempenho por uma margem irrisória de 1,5%.

Testes em CS:GO, resolução Full HD e preset gráfico mais baixo (Imagem: Enthusiastic Citizen/Chip Hell)

Um ponto interessante a se citar é que aplicar overclocking pode propoorcionar um ganho substancial de performance, dependendo do título jogado. Em CS:GO, mais pesado em CPU, o 5750G com overclocking conseguiu um boost de 13% no desempenho, chegando muito próximo ao 5800X, que segue com a liderança isolada.

Fonte: WCCFTech, Chip Hell

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.