Quais as diferenças entre o Xbox Series S e o Xbox Series X?

Por Felipe Ribeiro | 03 de Outubro de 2020 às 13h00
Francielle Lima/Canaltech
Tudo sobre

Saiba tudo sobre Xbox Series X

Ficha técnica

Os consoles de próxima geração da Microsoft, o Xbox Series X e o Series S, chegam em novembro ao mercado brasileiro trazendo muitas novidades em termos de tecnologia e conteúdo, mas, devido à semelhança dos nomes, os consumidores podem ter problemas na hora de escolher entre um e outro.

Um episódio que reforça essa situação aconteceu na pré-venda internacional dos videogames. A Amazon registrou um aumento de 750% nas vendas do Xbox One X, certamente pelos inúmeros pedidos errados feitos por clientes que, ansiosos para garantirem uma unidade do Series X ou do Series S, acabaram se confundindo.

Apesar de possuírem a mesma arquitetura e praticamente o mesmo poder de processamento, algumas coisas diferem os videogames e isso pode ser preponderante para a escolha. Além das mais óbvias, como o design, existem características técnicas que tornam o Xbox Series X e o Series S aparelhos com propostas bem diferentes.

Imagem: Divulgação/ Microsoft

Com isso em mente, separamos as principais diferenças entre o Xbox Series X e o Series S para ajudar você, leitor do Canaltech, na hora de escolher entre um videogame e outro.

Mesma arquitetura, potência diferente

A Microsoft decidiu adotar uma estratégia parecida com o que fez na geração do Xbox One, só que desde o começo. Para quem não se lembra, a gigante de Redmond lançou, em 2013, o problemático sucessor do Xbox 360 em meio a críticas não apenas ao hardware, mas também ao preço, features malucas e a obrigatoriedade do uso do Kinect.

Para corrigir o rumo, já sob o comando de Phil Spencer, a companhia lançou o Xbox One S e logo depois o Xbox One X, que deixaram a divisão Xbox muito mais organizada e com o caminho pavimentado para a próxima geração. Com os anúncios dos Xbox Series X e S, ficou claro como a empresa pensa o mercado de games e como ela o trabalhará daqui para frente.

Imagem: Divulgação/ Microsoft

O Xbox Series X é o mais poderoso da próxima geração de consoles; mais forte até do que o PlayStation 5. É um monstro equipado com uma CPU AMD Zen 2 personalizada com oito núcleos e clock de 3,8 GHz, uma GPU AMD RNDA 2 customizada com 12 TFLOPS e 52 unidades computacionais rodando a 1,8 GHz. Tudo isso em conjunto com 16 GB de RAM GDDR6 e unidade de armazenamento SSD NVMe personalizada de 1 TB. A divisão da memória RAM será de 10 GB para a GPU, 3,5 GB para a memória padrão e 2,5 GB para o sistema operacional.

Com essas especificações, o Xbox Series X mira jogos em até 8K e com taxa de quadros de até 120 FPS. Claro que a maioria dos games nesse console rodará a 4K/60FPS, mas o salto em relação ao Xbox One X, o mais poderoso da atual geração, é bem grande — e não para por aí. Isso porque as novas arquiteturas da GPU e CPU permitirão o verdadeiro desempenho de geração nova, além, é claro, dos SSDs, que eliminarão os loadings eternos.

(Tabela: Francielle Lima/Canaltech)

Cientes do que o Xbox Series X é capaz, é hora de mirar no Series S e entender as diferenças de hardware.

O Xbox Series S pode ser considerado uma tacada de gênio da Microsoft em termos mercadológicos. A empresa desenvolveu um console capaz de rodar os novos jogos em um desempenho aceitável, melhorar a performance de games antigos, trazer toda a arquitetura nova da AMD e custar apenas US$ 299, ou R$ 2.999 no preço oficial no Brasil.

O processador do Series S é o mesmo do Series X, porém funcionando a 3,6GHz, o que também o coloca como superior ao PlayStation 5 mesmo sendo um console de entrada. As diferenças, porém, começam a aparecer naquilo que faz o videogame ser mais barato. Sua GPU, que tem a mesma arquitetura do irmão maior, tem potência de apenas 4 TFLOPS. Ao invés dos 16 GB de RAM, temos 10 GB no Series S. E o SDD, que também é o mesmo, tem uma capacidade de armazenamento de apenas 512 GB. Apesar disso, poderemos ter jogos com loadings rápidos e com o tão esperado Ray Tracing, que, claro, estará presente no Xbox Series X.

Com isso na mesa, a conclusão é simples: a Microsoft disponibilizou dois consoles que serão capazes de entregar os mesmos jogos e serviços, mas com níveis diferentes. O foco do Series S será em games que rodem em resolução de até 1440p e com taxas de quadros de até 120 FPS. Um exemplo, inclusive, foi dado em uma demonstração de Gears 5, que ficou realmente impressionante.

Não é apenas o tamanho 

Algo que ajudou a diminuir os custos do Series S para o Series X está na carcaça dos aparelhos. Para escancarar de vez que o console menor é, de fato, o de entrada e possui uma proposta bem diferente do maior, a Microsoft decidiu fabricá-lo sem o leitor de Blu-Ray. Aliado à diferença nos componentes internos, esse fator fez com que as caixas fossem bem diferentes entre si.

Imagem: Divulgação/ Microsoft

Não é segredo para ninguém que a Microsoft quer deixar o Xbox Game Pass, seu serviço de jogos por assinatura, como o grande destaque do seu ecossistema de jogos nos próximos anos. Ou seja, a proposta de ser um videogame mais acessível e sem drive de discos está diretamente ligada a esse serviço, que disponibilizará mais de 150 jogos de imediato, incluindo os first party e inúmeros outros third party.

Atenção na hora de comprar

Além de tudo isso o que abordamos acima, os preços são bem diferentes entre os consoles. O Xbox Series X está em pré-venda aqui no Brasil por R$ 4.999, enquanto o Series S chega por R$ 2.999. Isso sem falar no Xbox One S e no Xbox One X, que seguem sendo comercializados no país a preços que variam na casa dos R$ 2.500 a R$ 3.500.

Portanto, se você quiser embarcar logo de cara na nova geração de consoles, entenda bem as diferenças entre os novos modelos. E, claro, tome cuidado para não comprar os videogames antigos.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.