5G puro chega a São Paulo; veja cobertura e como ativar

5G puro chega a São Paulo; veja cobertura e como ativar

Por Renan da Silva Dores | Editado por Wallace Moté | 04 de Agosto de 2022 às 11h54
Pixabay/mohamed_hassan

Conforme anunciado pela Anatel, foi iniciada nesta quinta-feira (4) a implementação do "5G puro" na cidade de São Paulo, a quinta capital do país a ter acesso à rede de nova geração. A tecnologia utilizará uma faixa de frequência exclusiva para oferecer velocidades até 30 vezes maiores em comparação ao 4G, mas terá alcance limitado em um primeiro momento — apenas cerca de 25% da cidade será atendida, com foco na região central e zona sul.

5G puro é ativado em São Paulo

Também chamado de 5G SA (Standalone, por funcionar com infraestrutura própria), a rede 5G ativada na capital paulista utilizará a frequência de 3,5 GHz, devendo atender clientes das operadoras Claro, Tim e Vivo. Os principais benefícios da tecnologia incluem velocidades significativamente maiores, atraso (ou latência) mínimo no envio e recebimento de dados e suporte a um número maior de dispositivos conectados a um mesmo ponto.

O 5G puro opera na faixa de 3,5 GHz e deve cobrir inicialmente cerca de 25% da cidade de São Paulo — a cobertura completa do município está prevista para o final de setembro (Imagem: Pixabay/torstensimon)

Segundo informações da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e do Grupo de Acompanhamento da Implantação das Soluções para os Problemas de Interferência (Gaispi), 1.378 antenas capazes de operar na faixa de 3,5 GHz serão instaladas em São Paulo, o triplo do mínimo necessário, mas quantidade bem abaixo das 4.592 disponíveis para redes de gerações anteriores, como o 4G e o 3G.

Como consequência, estima-se que apenas 25% da cidade será atendida pelo 5G puro, com a maior concentração da infraestrutura estando na região central e na zona sul, ainda que partes das zonas leste, oeste e norte também tenham recebido novas antenas. A previsão é que todo o município tenha acesso ao 5G SA até o final de setembro, prazo final estipulado pela Anatel para que a rede seja implementada nas capitais.

Como ativar?

Segundo as três operadoras, a ativação do 5G é automática — o usuário não precisa realizar modificações no celular para ter acesso à rede. Dito isso, é necessário atender a alguns requisitos mínimos, incluindo:

  • Ter um celular compatível com as redes 5G;
  • Trocar o chip (para acessar o 5G SA);
  • Estar na área de cobertura.

Cada operadora também possui algumas particularidades, listadas a seguir. Vale destacar que ainda há falta e desencontro de informações, em virtude das operações estarem em um estágio inicial.

Claro

O 5G puro é chamado pela Claro de 5G+, e promete entregar velocidades até 30 vezes superiores ao 4G, com latências até 5 vezes menores. Para ter acesso, o cliente Claro precisa trocar o chip para um modelo compatível, estar na área de cobertura e ter um celular suportado — a lista completa inclui dispositivos da Apple, Nokia, Motorola e Samsung, e pode ser conferida no site oficial da empresa.

O mapa de cobertura no site da Claro lista as três variantes do 5G, cobrindo a maior parte da região central e zona sul (Imagem: Reprodução/Claro)

A empresa também oferecerá a rede 5G no padrão NSA (Non Stadalone, que opera na mesma frequência do 5G SA, mas utilizando antenas do 4G) e DSS (Dynamic Spectrum Sharing, que opera em antenas e frequências do 4G, mais especificamente na faixa de 2,3 GHz) que devem atender aos mesmos requisitos mínimos listados anteriormente.

A empresa garante que, apesar de também utilizar a infraestrutura do 4G, o 5G NSA oferecerá velocidades similares ao SA, por operar em uma faixa de frequência elevada.

Tim

Até o momento da publicação desta matéria, o site da Tim ainda não lista informações sobre o 5G SA. As recomendações são as mesmas das outras operadoras, exigindo que os clientes estejam na área de cobertura, com smartphones compatíveis listados no site da companhia.

O site da Tim ainda não possui informações sobre o 5G SA, com seu mapa de cobertura parecendo listar apenas os padrões DSS e NSA (Imagem: Reprodução/Tim)

Ao G1, a Tim confirmou que o acesso ao 5G NSA e DSS não trará custos extras. Em contrapartida, o 5G SA exigirá a contratação de um novo plano, que inclui 50 GB de dados, com 12 meses gratuitos após a ativação. No entanto, diferente das concorrentes, a empresa afirma que não será necessário trocar o chip.

Vivo

Assim como as outras companhias, a Vivo oferecerá 5G nos padrões DSS, NSA e SA, dos quais os dois primeiros já foram disponibilizados desde o ano passado. Para esses padrões, o cliente da operadora precisa apenas ter um celular compatível, também listados no site da companhia. O 5G SA, por outro lado, exigirá que os usuários adquiram um novo chip dedicado.

O mapa de cobertura da Vivo é semelhante ao das outras operadoras, mas separa o 5G NSA e SA do DSS (Imagem: Reprodução/Vivo)

A empresa também esclarece que o 5G NSA oferecerá velocidades até 10 vezes superiores ao DSS, enquanto destaca que a rede SA será ainda mais veloz, apesar de não divulgar o salto esperado. Além disso, ao menos até o momento, usuários que navegam pelas redes 5G não precisam trocar de plano e não terão cobranças adicionais.

Fonte: G1, Claro, Tim, Vivo

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.