Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Qual a diferença entre 4G e 5G?

Por| Editado por Wallace Moté | 02 de Agosto de 2022 às 13h49

Link copiado!

Nokia
Nokia

A quinta geração das redes móveis finalmente começa a se espalhar pelo Brasil, e a previsão atual é que todas as capitais da nação recebam suporte até setembro de 2022. E a evolução do 4G para o 5G não apenas trará benefícios em velocidade e conexão mais estável, como também pode transformar a infraestrutura das cidades onde vivemos.

Maior velocidade, menor latência

Continua após a publicidade

Um dos principais benefícios do 5G que usuários poderão notar no dia a dia será a velocidade de conexão, com promessa de transferências Gigabit (superando os 1 Gbps) para download e upload mais rápidos e eficientes.

Segundo o relatório IMT-2020 da União Internacional de Telecomunicações (ITU na sigla em inglês), o 5G tem potencial para oferecer download mínimo de 100 Mbps e capacidade máxima de até 20 Gbps. Mas a realidade ainda é muito diferente.

Dados da consultoria OpenSignal publicados em julho de 2022 revelam que o 5G no Brasil já supera a média de 50 Mbps em determinadas operadoras, velocidade superior ao 4G que, em análise publicada pelo Ookla Speedtest em junho de 2022, atinge pico de 31,9 Mbps, embora geralmente flutue entre 10 Mbps e 20 Mbps nas cidades do país.

A rede 5G também oferece velocidades superiores ao 4G nos Estados Unidos, mas experiência ainda fica abaixo dos 100 Mbps para a maioria das operadoras — ou supera tal marca apenas em ocasiões específicas, como no uso do 5G mmWave.

Outra marca notável do 5G fica para a menor latência (tempo de resposta do sinal) que o 4G, caindo de 100 ou 130 milissegundos (ms) para marcas quase instantâneas de 1 a 5 ms.

Tal evolução é capaz de oferecer excelente desempenho para ligações de voz e vídeo pela rede, reduzindo significativamente o delay (ou atraso) entre o que você fala e o que a pessoa escuta do outro lado.

Continua após a publicidade

Outra vantagem notável ficará para os jogos na nuvem, que necessitam identificar o comando, enviar aos servidores para reconhecer a ação e retornar para o consumidor em menor tempo possível para a melhor experiência. Quanto menor a latência, mais rápida é a resposta.

Banda larga para mais dados e mais dispositivos

A diferença entre o 4G e 5G também será visível em relação à quantidade de produtos suportados. Enquanto antenas 4G comportam cerca de 10 mil dispositivos por quilômetro, a rede 5G oferece suporte para mais de 1 milhão de dispositivos por quilômetro.

Continua após a publicidade

Tudo isso oferecendo conectividade de banda larga, o que resultará em maior tráfego de dados sem engasgos. Tal capacidade será perceptível em numerosas aglomerações de pessoas, como em estádios de futebol, shows e outras grandes comemorações, onde o 4G enfrenta dificuldades para lidar com grandes quantidades de usuários tentando se comunicar com a Internet ao mesmo tempo.

Muito além dos smartphones

Embora o 5G tenha potencial para ser utilizado majoritariamente pelos consumidores no dia a dia, a tecnologia de rede móvel deve conquistar outros segmentos importantes do mundo conectado, incluindo cidades inteligentes, carros autônomos e semiautônomos, telemedicina (com operações precisas realizadas remotamente), indústria, agronegócio e mais.

Continua após a publicidade

Com empresas focando em expandir suas áreas de atuação para além dos smartphones que se tornaram cada vez mais popular desde o lançamento do primeiro iPhone em 2007, óculos de realidade virtual (VR) e aumentada (AR) devem se popularizar ainda mais graças à agilidade do 5G, permitindo que parte das operações seja realizada fora do dispositivo, tornando aparelhos mais leves, finos e simples.

5G começa a se espalhar pelo Brasil

Brasília foi a primeira cidade do país a oferecer o 5G "puro" em larga escala, com Belo Horizonte, Porto Alegre e João Pessoa também adotando a conectividade de última geração para quem já possui um smartphone compatível.

Continua após a publicidade

A previsão inicial da Anatel era que todas as 26 capitais brasileiras oferecessem o 5G em julho de 2022, mas o prazo foi estendido para setembro de 2022 por razões técnicas.

O cronograma da Anatel para implementação do 5G vai até 2029. Cidades com mais de 500 mil habitantes devem receber 5G até julho de 2025, localidades com mais de 200 mil pessoas até julho de 2026, municípios com mais de 100 mil habilitantes até julho de 2027.

Até dezembro de 2029 todos os municípios com até 30 mil habitantes devem oferece 100% de cobertura da rede 5G.