Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

MS-DOS 4.0 agora é open source e tem código liberado no GitHub

Por| Editado por Douglas Ciriaco | 26 de Abril de 2024 às 13h33

Link copiado!

Divulgação/Microsoft
Divulgação/Microsoft
Tudo sobre Microsoft

Quando tudo ainda era mato, o MS-DOS marcou o início da computação moderna na década de 1980. Cerca de 40 anos depois, a Microsoft abriu o código e disponibilizou as imagens do MS-DOS 4.00 para que desenvolvedores, pesquisadores e entusiastas explorem o sistema operacional que passou o bastão ao Windows.

MS-DOS open source

A mudança na permissão de uso do código-fonte aconteceu nesta quinta-feira (25), em um anúncio feito no blog sobre open source da Microsoft. Segundo a empresa, graças a uma parceria com a IBM “no espírito da inovação aberta”, o MS-DOS 4.00 agora segue a licença MIT, que permite a qualquer programador copiar, modificar e distribuir o software.

Continua após a publicidade

“Este código ocupa um lugar importante na história e é uma leitura fascinante de um sistema operacional que foi escrito inteiramente em código assembly 8086 há quase 45 anos”, disse a empresa durante o anúncio.

Disponível no GitHub

A disponibilização compreende, além das imagens de disco, as versões Beta dos binários adicionais e os arquivos PDF da documentação na íntegra. Dessa forma, você consegue explorar e rodar o software em um computador IBM PC XT ou com processador Intel Pentium mais recente. 

Outra possibilidade, caso não tenha acesso a equipamentos mais antigos, é utilizar o código-fonte para rodar em emuladores compatíveis, como o PCem e 86Box. Ambos os programas são gratuitos e têm versões para Windows e Linux.

O código-fonte do MS-DOS 4.00 está disponível em um repositório da Microsoft no GitHub (github.com/microsoft/MS-DOS). O download dos arquivos é gratuito.

Microsoft liberou o código de versões anteriores

Além do MS-DOS 4.00, o repositório da Microsoft no GitHub traz outras versões do sistema operacional. É o caso do MS-DOS 1.25 e 2.0, que foram liberados há dez anos ao Museu de História da Computação.