Vazamento aponta sensores e novas funções de câmera dos Pixel 6 e 6 Pro

Vazamento aponta sensores e novas funções de câmera dos Pixel 6 e 6 Pro

Por Eduardo Moncken | Editado por Wallace Moté | 24 de Setembro de 2021 às 07h37
Reprodução/Google

Cansado de vazamentos, o Google resolveu antecipar a oficialização dos Pixel 6 e Pixel 6 Pro. Na ocasião a empresa confirmou a adoção do chip próprio Google Tensor — para o qual até fez uma campanha bem-humorada. Ficou faltando, porém, muitos aspectos técnicos do hardware, e principalmente das câmeras. Mas o vazamento de uma versão não lançada do software Google Camera pode estar entregando todas as novidades fotográficas.

Para começar, ambos celulares compartilhariam um sensor principal Samsung ISOCELL GN1 de 50 MP, ultrawide de 12 MP com sensor Sony IMX386, e o Pixel 6 Pro traria ainda o Sony IMX586 de 48 MP para zoom óptico de 4x. Para a câmera frontal, o Pixel 6 teria uma câmera ainda não especificada de 8 MP, e o Pixel 6 Pro uma Sony IMX663 de 12 MP.

(Imagem: Divulgação/Google)

Algo observado na exploração do código-fonte do Google Camera é que o Pixel 6 Pro poderá ter uma câmera frontal ultrawide. O uso de sensor com maior angulatura é inclusive o que permite o modo Palco Central em tablets da Apple, sendo possível restringir o enquadramento quando há uma única pessoa, ou abrir mais a cena quando mais gente precisa ser enquadrada. É provável que o modelo traga opções de 0,7x (campo mais aberto) e 1x (enquadramento mais focado). Não foi revelado, porém, quantos graus de abertura a câmera trará.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Para vídeos, poucas novidades: Pixel 6 e Pixel 6 Pro deverão manter gravação restrita a 4K a 60 quadros apenas na lente principal. As demais, incluindo a frontal, poderiam gravar a [email protected] FPS. Quando a quantidade menor de quadros for a opção escolhida, será possível trocar a lente da gravação sem necessidade de pausar o registro.

No modelo Pro, sempre que um modo de vídeo for configurado para 60 FPS, o zoom máximo seria de 7x. Quantidades menores de quadros por segundo devem permitir até 20x de aproximação híbrida. Eles devem manter também a função de áudio zoom, trazendo ainda suporte a microfones Bluetooth.

Novas funções de software

A invenção do Google Tensor Chip não foi à toa e deve colaborar para uma integração ainda melhor entre as lentes dos celulares Pixel e o software. Agora, a empresa terá mais domínio do que pode ser feito entre hardware e software, e isso deve trazer novas ferramentas para a linha.

(Imagem: David Urbanke)

Uma delas seria o face deblur. Uma captura de diversas fotos durante o registro simples do usuário, combinada com imagens secundárias obtidas pela ultrawide. Isso tudo seria uma precaução do celular para, no caso de rostos embaçados, ter o “ponto de vista” e dados de outro sensor para, via algoritmo, tornar a face das pessoas mais nítidas.

Já o baby mode seria uma ferramenta para fazer registros no momento perfeito em que um bebê oferecer as condições para uma fotografia nítida. Incontroláveis por natureza, a presença do algoritmo calharia para os registros que precisam muitas vezes ser repetidos diversas vezes até ficarem aceitáveis.

O código-fonte do Google Camera aponta ainda para melhorias do frequent faces — que foca em rostos familiares em fotografias de grupo —autofoco, edições criativas, e outros. Há menções ao recurso magic eraser, que por inteligência artificial elimina objetos das fotos, e novas formas de promover o ajuste de branco do aplicativo. Essa última pode guardar relação com a promessa do Google de melhorar seu software de forma que pessoas negras sejam mais bem representadas nos registros — já que algoritmos já foram acusados de promover o embranquecimento delas.

Outras ferramentas citadas envolvem algo chamado timer light, que pode ser um temporizador que alerta sobre o countdown por piscadas do flash. Por fim, um recurso apelidado de front torch seria uma nova forma da empresa criar um flash artificial no display para ajudar em selfies.

Pixel 7

O vazamento pelo Google Camera foi tão grande que até sinais de um Pixel 7 foram encontrados. Nada muito sólido, apenas o indicativo de que a empresa já começa a desenhar a geração de 2022. Por enquanto, um único dispositivo foi identificado, sem nenhuma informação sobre seu hardware.

Vale lembrar, o Google deve dar os detalhes finais dos Pixel 6 e Pixel 6 Pro em outubro. Ele chegará ao mercado em um momento quente: a Apple colocou o iPhone 13 no mercado, e a Samsung lançou seus mais recentes dobráveis. Qual o consumidor escolherá?

Fonte: XDA Developers

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.