Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Processador do Huawei Mate 60 Pro não poderia ser produzido em massa, afirma EUA

Por| Editado por Wallace Moté | 20 de Setembro de 2023 às 08h56

Link copiado!

Huawei
Huawei
Huawei Mate 60 Pro

Após a Huawei ter apresentado o processador Kirin 9000s como um possível ponto de virada da marca no Mate 60 Pro, os EUA começaram a investigar se o desenvolvimento do componente está de acordo com as sanções impostas ao longo dos últimos anos. Agora, autoridades apontam que a marca chinesa não teria a capacidade de fabricar o chip em grande escala.

A declaração foi dada pela secretária de comércio Gina Raimondo, em entrevista coletiva concedida recentemente. De acordo com ela, “não há evidências de que eles [a Huawei] possam fabricar chips de sete nanômetros em escala”.

Continua após a publicidade

Anteriormente neste mês, o Departamento de Comércio apontou que estava realizando uma investigação relacionada ao Kirin 9000s. Além de oferecer uma performance semelhante ao Snapdragon 888, o componente vem com suporte nativo para conectividade 5G — algo que a Huawei não ofereceu ao longo dos últimos anos.

A empresa foi punida em 2019 por conta de supostas movimentações de espionagem, em um contexto que se torna ainda mais político por conta dos laços próximos da empresa com o governo chinês. Desde então, a Huawei é impedida de trabalhar em conjunto com empresas como a Qualcomm, Intel e Microsoft, além de não poder rodar o sistema operacional Android em seus smartphones.

O lançamento do novo chip por parte da Huawei também criou um conflito interno nos EUA, já que Raimondo estaria na China no momento da apresentação do Mate 60 Pro.

Continua após a publicidade

O fato foi apontado por representantes da oposição republicana, que também pediram o encerramento completo da concessão de licenças para a Huawei e para a Semiconductor Manufacturing International Corp (SMIC), responsável pela fabricação dos chips. Quando perguntada sobre essa possível extensão das sanções, Raimondo preferiu não fazer comentários adicionais.

Contudo, a secretária de comércio ainda adicionou que a suposta proibição imposta pela China para o uso de iPhone por parte de seus funcionários oficiais do governo é um fato “preocupante”. Tal proibição foi negada pelas autoridades chinesas alguns dias atrás, mas isso não foi suficiente para amenizar o conflito diplomático relacionado ao caso.

Fonte: Reuters