Policiais feridos por carro autônomo da Tesla abrem processo contra empresa

Policiais feridos por carro autônomo da Tesla abrem processo contra empresa

Por Paulo Amaral | Editado por Jones Oliveira | 30 de Setembro de 2021 às 09h40
Reprodução/Facebook

Elon Musk anunciou, na terça-feira (28), que está prestes a liberar o novo Full Self-Driving (FSD) para os motoristas com bom histórico. Quase que paralelamente a isso, a Tesla se transformou em ré em mais um processo por conta de acidentes com os carros semiautônomos da marca. O novo caso foi aberto por um grupo de policiais de Splendora, uma pequena cidade no condado de Montgomery, na parte leste do estado do Texas, E teria sido motivado por um acidente ocorrido no dia 27 de fevereiro de 2021.

De acordo com o processo, um SUV Model X, da Tesla, que estava com o piloto automático acionado, apresentou falhas graves no sistema e colidiu com vários policiais que estavam no acostamento da Eastex Freeway. O documento obtido pela reportagem do The Verge revelou que “o veículo falhou em detectar os carros dos oficiais ou em funcionar de qualquer forma para evitar ou alertar sobre o perigo e subsequente colisão” e os policiais que estavam no local “ficaram gravemente feridos”.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

“A recusa flagrante da Tesla em adotar salvaguardas adicionais ou em consertar os problemas com seu sistema de piloto automático demonstra uma falta de supervisão do sistema de piloto automático. A Tesla decidiu intencionalmente não remediar esses problemas e deve ser responsabilizada, especialmente quando possui conhecimento detalhado dos riscos e perigos associados ao seu sistema de piloto automático”, diz parte do documento.

Restaurante também é alvo

Além da Tesla, o grupo de policiais colocou como réu no processo o proprietário de um restaurante da região, o Pappasito’s. Segundo os responsáveis pela ação, o motorista havia consumido álcool em excesso e, por conta disso, acabou não assumindo o controle do carro semiautônomo quando o defeito do AutoPilot apareceu.

“O réu Pappas Restaurants Inc. é dono do restaurante Pappasito's Cantina, onde o motorista do Tesla bebia álcool em excesso antes do acidente. O motorista mostrou sinais óbvios de embriaguez no momento do acidente. O relatório policial do acidente afirmava que o motorista foi preso sob suspeita de agressão por intoxicação”, diz o documento.

Caso sejam condenados, o dono de restaurante e a Tesla terão que desembolsar valores entre US$ 1 milhão e US$ 20 milhões, dependendo do que o juiz responsável pelo caso julgar procedente a favor dos querelantes. Vale lembrar que esse é somente mais um entre os muitos casos de acidentes envolvendo os carros inteligentes da Tesla.

A NHTSA (Administração Nacional de Segurança Rodoviária), órgão responsável pela segurança rodoviária nos Estados Unidos, avisou que todos os Tesla fabricados entre 2014 e 2021 e que estão equipados com o AutoPilot serão investigados. Segundo a entidade, foram registrados 11 acidentes desde 2018, com 17 feridos e um óbito, sempre com colisões em veículos de emergência estacionados na beira das estradas e em horários com menos luminosidade.

Por conta disso, é sempre importante lembrar que o AutoPilot não dispensa a atuação do condutor. Isso significa, em termos simples e diretos, que o motorista deve sempre estar atento aos movimentos do carro e na movimentação da pista. “O controle de cruzeiro pode não detectar todos os objetos e frear ou desacelerar para veículos parados, especialmente em situações quando você está dirigindo a mais de 80 km/h”, diz o próprio manual do sistema.

Fonte: The Verge, Electrek, Click2Houston

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.