Xiaomi passa Samsung e se torna a maior fabricante de celulares do mundo

Xiaomi passa Samsung e se torna a maior fabricante de celulares do mundo

Por Victor Carvalho | Editado por Wallace Moté | 05 de Agosto de 2021 às 16h19
Victor Carvalho/Canaltech

Pouco depois de superar a Apple nas vendas globais de celulares e ocupar o posto de segunda maior fabricante do mercado, uma análise da Counterpoint Research revela que a Xiaomi teve o melhor desempenho do mês de junho e, graças a uma enorme queda de desempenho da Samsung, a gigante chinesa agora detém o título de maior fabricante de smartphones do mundo. Isso reforça que a Samsung tem realmente com o que se preocupar, devendo rever sua divisão de smartphones para acirrar ainda mais a competição com as chinesas. 

Analisando volume de vendas, o estudo de mercado da Counterpoint revela que a Xiaomi agora conta com 17,1% de participação global de smartphones. A empresa, que já assumiu a liderança como maior fabricante de celulares na Europa, obteve crescimento de 26% em relação ao mês anterior

A Samsung agora fica em segunda posição com 15,7% e uma vertiginosa queda associada à nova onda de casos da Covid-19 no Vietnã, tendo que paralisar as linhas de montagens de seus dispositivos intermediários da série Galaxy A. A Samsung já recupera a produção de seus celulares, devendo voltar a ter uma oferta considerável de produtos para corrigir a queda apresentada no período.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Com queda da Samsung, Xiaomi conquista posição de maior fabricante de celulares do mundo (Imagem: Reprodução/Counterpoint Research)

A Apple, em terceiro lugar, domina 14,3% do mercado e não tem muito com o que se preocupar pelo crescimento da Xiaomi, uma vez que o anúncio da linha iPhone 13 em setembro deve impulsionar as vendas e colocá-la novamente no topo no último trimestre do ano, com a chegada de um novo iPhone SE em 2022 estabilizando as vendas da empresa no primeiro semestre de 2022.

Para o diretor da Counterpoint Tarun Pathak, "desde o início da queda da Huawei a Xiaomi tem feito esforços consistentes e agressivos para preencher a lacuna criada por esse declínio", com a empresa substituindo a Huawei em mercados importantes como a China, Europa, Oriente Médio e África.

A excelente performance de smartphones intermediários da marca também é um reflexo da sua atual posição, uma vez que a empresa aposta em preços competitivos, estratégia agressiva e lançamento de modelos da Redmi em outros países com sua importante subsidiária Poco, especialmente na Índia.

Agora resta saber por quanto tempo a Xiaomi deve se manter na posição, se o retorno da produção de intermediários da Samsung terá impacto em agosto e como as concorrentes devem lidar com a chegada da linha iPhone 13 a partir de setembro.

Fonte: Counterpoint Research

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.