Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

7 doenças transmitidas por mosquitos como o da dengue

Por| Editado por Luciana Zaramela | 26 de Março de 2024 às 22h00

Link copiado!

Nuriyah /Pixabay
Nuriyah /Pixabay

A dengue não é, nem de longe, a única doença transmitida por mosquitos, como é o caso do mosquito da dengue (Aedes aegypti). Na verdade, o número de infecções causadas por vírus e bactérias e transmitida por insetos sugadores de sangue é bastante elevado em todo o mundo, especialmente em áreas tropicais, o que inclui o Brasil.

Além da dengue, a malária, a febre amarela, a febre do oropouche e até mesmo alguns tipos de encefalite — inflamação que acomete o cérebro — podem ser transmitidas por mosquitos, das mais diferentes espécies. Por isso, em locais de risco e com alta circulação destes vetores voadores, a indicação é sempre usar repelente.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), as doenças infecciosas transmitidas por vetores, como os mosquitos, causam mais de 700 mil mortes todos os anos. Quando se olha para os dados globais, a doença mais mortal desse grupo é a malária, mas, com o aquecimento global e a mudança no comportamento das chuvas, a dengue conquista, cada vez mais, espaço fora do Brasil

Continua após a publicidade

7 doenças transmitidas por mosquitos

A seguir, confira a lista com 7 doenças que podem ser transmitidas por mosquitos em diferentes regiões do mundo:

1. Zika

Embora o Aedes aegypti seja popularmente conhecido como mosquito da dengue, ele transmite outras doenças, como o vírus zika (ZIKV). Esta arbovirose causa febre baixa, erupções cutâneas, conjuntivite e mal-estar, além de dor de cabeça, nas articulações e nos músculos. Em alguns casos, a doença pode desencadear quadros de paralisia (síndrome de Guillain-Barré). 

Quando a gestante contrai a doença, o bebê pode desenvolver microcefalia congênita, associada com diversas alterações na saúde da criança. A boa notícia é que o Instituto Butantan desenvolve uma vacina protetora.

2. Chikungunya

A chikungunya é outra doença que pode ser transmitida pelo mosquito da dengue. Quando uma pessoa é picada pelo mosquito infectado com o vírus CHIKV, ela tende a desenvolver febre, dor de cabeça e erupções cutâneas, mas o principal sintoma costuma ser as dores nas articulações, nas dobras no corpo. 

Continua após a publicidade

Mesmo após se recuperar, o paciente pode apresentar sequelas duradouras e até permanentes, envolvendo a dificuldade em se movimentar e danos neurológicos. Já existem vacinas contra a infecção.

3. Febre amarela

O que conhecemos como febre amarela pode ser dividida em dois grupos: a febre amarela urbana e a febre amarela silvestre. No primeiro caso, o principal mosquito envolvido é novamente o Aedes aegypti. No caso da versão silvestre, são os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes. Eles costumam picar macacos e, eventualmente, humanos acabam infectados. 

Independentes do tipo, o agente causador é um tipo de arbovírus que provoca febre e pode ser mortal. No entanto, há vacinas amplamente disponíveis.

Continua após a publicidade

4. Febre do Nilo Ocidental

Transmitida pelos pernilongos (insetos do gênero Culex), a febre do Nilo Ocidental causa febre de início repentino, mal estar, dores de cabeça e vômitos. Em casos graves, o paciente pode ter manifestações neurológicas, como a meningite.

Apesar do nome remeter ao Antigo Egito, a infecção já foi identificada em alguns estados brasileiros, como Minas Gerais, São Paulo e Piauí. Os imunizantes ainda não foram desenvolvidos.

Continua após a publicidade

5. Encefalite japonesa

Mais comum na Ásia e nas ilhas do Oceano Pacífico, a encefalite japonesa é uma doença causada por um vírus de mesmo nome, o JEV, que afeta o sistema nervoso central do paciente.

Entre as complicações, o indivíduo infectado pode desenvolver quadros de encefalite, ou seja, a inflamação do tecido cerebral, o que é bastante grave. 

Os vetores mais comuns costumam ser do gênero Culex. Embora existam vacinas, estas não estão amplamente disponíveis no Brasil.

Continua após a publicidade

6. Febre do Oropouche

Causada pelo vírus Orthobunyavirus oropoucheense (OROV), a febre do Oropouche tem provocado surtos esporádicos no Brasil, especialmente na região da Amazônia, nos últimos anos. Em áreas com florestas, os mosquitos dos gêneros Coquilletti e Aedes tendem a ser os principais vetores. 

Agora, em regiões mais urbanas, o principal mosquito é o Culex quinquefasciatus, também conhecido como pernilongo ou muriçoca.

Após a picada, a pessoa desenvolve sintomas semelhantes à dengue. A infecção pode ser mortal, e ainda não existem vacinas. 

Continua após a publicidade

7. Malária

A malária é a mais comum doença transmitida por mosquitos em todo o mundo, segundo a OMS. No caso brasileiro, a maioria das ocorrências envolvem estados amazônicos, mas podem afetar outras regiões. Os pacientes infectados tendem a apresentar febre, calafrios, diarreia e mal estar. Dependendo do caso, a pessoa ainda pode ter confusão mental e convulsões. 

Diferente das doenças anteriores, o agente infeccioso é um protozoário do gênero Plasmodium, normalmente transmitido por mosquitos do gênero Anopheles, como os Anopheles darlingi e Anopheles albimanus. Popularmente, esses insetos recebem o nome de mosquito-prego.

Continua após a publicidade

Fora do Brasil, vacinas contra a malária já podem ser aplicadas.

Como tratar doenças transmitidas por mosquitos

Apesar das sete doenças transmitidas por mosquitos apresentadas, a lista poderia ser muito maior, incluindo a leishmaniose, a elefantíase (filariose linfática), a encefalite equina ocidental e a febre do Vale do Rift, por exemplo. Isso sem contar as inúmeras infecções ainda desconhecidas, mas que devem surgir nos próximos anos com o aquecimento global e o desmatamento de florestas

Em comum, a maioria das doenças transmitidas por mosquito não têm tratamento específico. Então, os pacientes costumam receber medicamentos que aliviam os sintomas, como analgésicos (para dores) e antitérmicos (para febre). 

Continua após a publicidade

É fundamental o consumo de água, mantendo a hidratação do corpo, e o repouso. De forma preventiva, é importante tomar vacinas, mas só quando estas estão disponíveis. 

Fonte: Com informações: OMS