Mark Zuckerberg vai pedir desculpas em depoimento para Congresso norte-americano

Por Wagner Wakka | 09 de Abril de 2018 às 14h59
photo_camera Wired
Tudo sobre

Facebook

Mark Zuckerberg está se preparando para uma sequência de depoimentos nesta semana sobre o caso envolvendo a Cambridge Analytica. O CEO do Facebook se pronunciará na próxima terça (10) em reunião do Senado e na quarta (11) para uma comissão que avalia questões de privacidade na internet nos Estados Unidos.

Para isso, Zuckerberg já montou o roteiro para os possíveis embates. Nesta segunda (9), ele deve se reunir hoje com congressistas e senadores, segundo informações publicadas pela imprensa americana. A agenda ainda se mantém não confirmada oficialmente.

Para a reunião de quarta-feira, o CEO já tem o discurso pronto. Em um documento de sete páginas, Zuckerberg pretende fazer uma introdução aos acontecimentos e vai pedir desculpas pelos erros que cometeu. “Agora está claro que não fizemos o suficiente para evitar que essas ferramentas sejam usadas de forma perigosa. Isso vale para notícias falsas, interferência estrangeira em eleições e discursos de ódio, bem como desenvolvedores e privacidade de dados. Não tivemos uma visão ampla da nossa responsabilidade, e isso foi um grande erro. Foi meu erro e sinto muito. Eu comecei o Facebook, levantei-o e sou responsável pelo que acontece aqui”, escreveu o CEO.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Zuckerberg ainda fala sobre a responsabilidade da plataforma em relação não somente ao caso Cambridge Analytica, como para a interferência russa nas eleições norte-americanas. “Antes do dia da eleição em novembro de 2016, detectamos e lidamos com várias ameaças ligadas à Rússia. Isso incluiu a atividade de um grupo chamado APT28, que o governo dos EUA publicamente vinculou aos serviços de inteligência militar da Rússia. [...] Também aprendemos sobre uma campanha de desinformação conduzida pela Agência de Pesquisa da Internet (IRA) - uma agência russa que agiu de forma enganosa e tentou manipular pessoas nos EUA, na Europa e na Rússia. Encontramos cerca de 470 contas e páginas vinculadas ao IRA, que geraram cerca de 80.000 postagens no Facebook ao longo de um período de dois anos”, relembra

O CEO ainda deve reiterar os pontos que apresentou em comunicado oficial via Facebook para melhorar a privacidade com os dados disponibilizados a parceiros na plataforma. Pelo discurso, o Facebook atualmente conta com 15 mil pessoas focadas em segurança e revisão de conteúdos na plataforma, sendo que a meta é de que este número chegue a 20 mil até o final do ano. No depoimento, Zuckerberg também apresenta medidas que foram tomadas em relação às eleições da França e Alemanha neste ano.

Agenda

A primeira reunião será com Comitê Judiciário do Senado. No último dia 26, Zuckerberg foi convidado a um debate sobre como explorar possíveis novas regras para privacidade de informações e o futuro das redes sociais. Foram convocados os CEOs das três principais plataformas socias: Mark Zuckerberg, do Facebook; Sundar Pichai, da Google; e Jack Dorsey, do Twitter. A proposta deste encontro tem um tom mais leve de debate e convite para participação.

Já na quarta, Zuckerberg terá de depor no Comitê de Energia e Comércio, com membros do Congresso americano. De acordo com o comunicado oficial do Governo, a audiência será uma “oportunidade para termos uma luz sobre questões críticas que envolvem problemas relacionados à privacidade de dados dos consumidores e ajudar os americanos a entenderem o que acontece com suas informações pessoais online”. Neste caso, a reunião tem um tom mais de explicação que de colaboração com o debate, e inclui somente o Facebook.

O caso

No mês passado, uma reportagem do jornal The Guardian revelou a exposição de informações de milhões de contas de usuários do Facebook, através da empresa Cambridge Analytica. Na semana passada, em comunicado oficial do próprio Facebook, as estimativas eram de que dados 87 milhões de contas foram expostos, sendo que cerca de 400 mil são de usuários brasileiros.

Além do convite para o CEO depor no Senado e Congresso, o Facebook ainda passa por auditoria do Federal Trade Comission (FTC).

Zuckerberg Statement to Congress by Jordan Crook on Scribd

Fonte: TechCrunch

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.