Mark Zuckerberg quebra seu silêncio sobre o escândalo de vazamento de dados

Por Ramon de Souza | 21 de Março de 2018 às 17h47
Axios

Após permanecer dias em silêncio absoluto, Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, finalmente resolveu se pronunciar a respeito do escândalo Cambridge Analytica na tarde desta quarta-feira (21). A polêmica em questão começou quando um pesquisador revelou que tal empresa utilizou indevidamente dados sigilosos de mais de 50 milhões de usuários da rede social para mudar o rumo das campanhas políticas nos EUA e no Reino Unido.

De acordo com Zuckerberg, houve “uma quebra de confiança” não somente entre o Facebook e a Cambridge Analytica, mas também entre a rede social e “as pessoas que compartilham seus dados conosco e confiam em nós para protegê-los”. No intuito de consertar o problema e restaurar a confiança dos internautas, a empresa afirmou que adotará algumas medidas drásticas.

“Eu estive trabalhando para entender o que exatamente aconteceu e como podemos agir para ter certeza de isso não vai acontecer novamente. A boa notícia é que as ações mais importantes para prevenir que isso ocorra de novo já foram tomadas alguns anos atrás”, declara Zuckerberg. “Mas nós também cometemos erros, há mais coisas para fazer, e nós precisamos prosseguir com isso”, completa.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Primeiramente, o CEO anunciou que todos os apps que possuem acesso a “grandes quantidades de dados” antes de a rede social ter mudado suas políticas de privacidade (em 2014) passarão por uma investigação organizada pela própria companhia. Além disso, a plataforma vai restringir ainda mais o acesso a informações sigilosas por parte de desenvolvedores, impedindo que eles usem dados de internautas que não abriram seus aplicativos por mais de três meses.

Especificamente a respeito da Cambridge Analytica, Zuckerberg lembrou que o Facebook requisitou à empresa que apagasse os dados recolhidos em 2015, e a agência mentiu para a rede social, afirmando que tal pedido havia sido cumprido. A companhia não pode mais publicar apps na plataforma desde o dia 16 de março, quando foi terminantemente vetada do espaço de desenvolvedores do site.

Vale lembrar que o Facebook está sendo investigado pela Comissão Federal de Comércio dos EUA, que pretende apurar se a rede social foi negligente em relação ao correto tratamento e proteção dos dados de seus usuários. Caso a decisão do órgão seja afirmativa, Zuckerberg terá que pagar multas de “milhares de dólares” por cada dia de violação.

Novas medidas preventivas

Após o pronunciamento de seu CEO, a rede social emitiu também uma nota à imprensa detalhando as medidas preventivas que serão adotadas para evitar que episódios semelhantes aconteçam novamente.

Além das ações anunciadas pelo próprio Zuckerberg (investigação de apps antigos e desligamento de aplicações que não foram usadas ao longo dos últimos três meses), o serviço também vai informar os usuários que possivelmente tiveram seus dados usados pela Cambridge Analytica através do teste de personalidade “thisisyourdigitallife”.

Indo além, a maior rede social do mundo pretende reduzir os dados capturados por apps de terceiros quando você fizer login neles usando sua conta, e passará a incentivar que seus usuários façam o correto gerenciamento dos softwares conectados ao seu perfil. Por fim, a companhia declarou que expandirá seu programa de bug bounty (caça aos bugs), para que qualquer internauta possa reportar vulnerabilidades e mau uso de dados na plataforma.

Fonte: Facebook/Mark Zuckerberg, Facebook Newsroom

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.