Bloqueio do TikTok é impedido por mais um juiz nos Estados Unidos

Bloqueio do TikTok é impedido por mais um juiz nos Estados Unidos

Por Rubens Eishima | 08 de Dezembro de 2020 às 13h10
Rubens Eishima/Canaltech

A saga do TikTok nas lojas de aplicativos nos EUA teve mais um capítulo nesta semana, com uma liminar de um juiz do tribunal distrital de Washington D.C. impedindo a aplicação das restrições propostas pelo Departamento de Comércio do país. O órgão do governo norte-americano pretendia proibir os downloads do aplicativo da rede social.

No parecer de Carl Nichols, a decisão do departamento vai além de suas atribuições, abusando dos poderes concedidos por uma medida que permite a proibição de negócios entre empresas estrangeiras e norte-americanas.

O governo do presidente Donald Trump pretendia usar a regra (conhecida como IEEPA, International Emergency Economic Powers Act) para proibir que a Apple e o Google mantivessem relações econômicas com a ByteDance, empresa chinesa dona do TikTok. Na prática, os aplicativos do grupo asiático estariam banidos das lojas de apps nos EUA.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Esta é a segunda decisão de uma corte distrital impedindo a aplicação das sanções prometidas por Trump. Em outubro, um juiz da Pensilvânia já tinha proibido o banimento, sob a alegação de que o governo não apresentou evidências para suas afirmações de que o TikTok representa um risco à segurança nacional.

A última extensão do prazo dado pelo atual governo norte-americano venceu na última sexta-feira (4), sem que entrasse em vigor. Na data, as autoridades norte-americanas afirmaram que não iriam aplicar as sanções prometidas, provavelmente empurrando para a próxima presidência, cuja posse deve acontecer no dia 20 de janeiro. Vale destacar que o prazo original vencia em setembro, mas foi adiado inúmeras vezes, inclusive por confusões do próprio governo norte-americano.

Fonte: WSJ

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.