Governo Trump teria "esquecido" de banir o TikTok dos EUA; entenda

Governo Trump teria "esquecido" de banir o TikTok dos EUA; entenda

Por Diego Sousa | 11 de Novembro de 2020 às 11h40
Reprodução/Visuals/Unsplash

O TikTok entrou com uma ação no Tribunal de Apelações dos EUA contra o governo Donald Trump. De acordo com a empresa, o Departamento de Comércio do atual presidente "esqueceu" as negociações que o aplicativo e sua controladora, a chinesa Bytedance, precisariam fazer com companhias locais para continuar operando no país. O banimento entraria em vigor já nesta quinta-feira, 12 de novembro.

Em comunicado, o TikTok afirma que nos últimos dois meses ofereceu soluções detalhadas sobre as preocupações do governo Trump sobre o aplicativo, que recai, principalmente, na segurança e na privacidade da população norte-americana — o presidente alega, sem provas, que o app envia dados das pessoas para a inteligência chinesa. No entanto, a companhia disse não ter recebido nenhuma resposta da administração Trump ultimamente.

A ação exige uma revisão das ações do Departamento de Comércio e também uma prorrogação do prazo para que as restrições contra o aplicativo nos Estados Unidos entrem em vigor por 30 dias, ou seja, até o próximo dia 12 de dezembro.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

"Não temos escolha a não ser entrar com uma ação judicial para defender nossos direitos e os de nossos mais de 1.500 funcionários norte-americanos", disse o TikTok. "Continuaremos comprometidos com a administração para resolver os problemas levantados, mas nosso desafio hoje é uma proteção para garantir que essas discussões ocorram", complementou.

Enquanto o governo Donald Trump ainda não responde, a negociação da ByteDance com as locais Oracle e Walmart segue em andamento, embora ninguém tenha batido o martelo. A ideia, se confirmada, criaria a empresa TikTok Global, onde a Oracle seria responsável pelo serviço de nuvem do app, fornecendo e abrigando os dados da plataforma para diversos mercados.

Já o Walmart ficaria autorizado a comandar toda parte comercial da rede social de vídeos curtos, incluindo o e-commerce e a publicação. A ByteDance ainda se manteria como dona majoritária do aplicativo, mas 40% da sua fatia já é de investidores americanos.

Culpa das eleições?

Como você já deve ter visto em diversos veículos nos últimos dias, o presidente Donald Trump perdeu as eleições para o candidato democrata Joe Biden. No entanto, o republicano ainda não reconheceu a derrota, alegando, também sem provas, que houve fraude na contagem dos votos, principalmente os que foram enviados pelos correios.

De acordo com declarações do próprio presidente Donald Trump, toda sua equipe entrará com ações judiciais para exigir a recontagem dos votos nos próximos dias. Ou seja, isso deve atrasar ainda mais as resoluções do caso TikTok. Até lá, no entanto, a expectativa é que o aplicativo continue funcionando.

Fonte: The Verge  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.