Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Wi-Fi 7 é compatível com dispositivos antigos?

Por| Editado por Jones Oliveira | 05 de Abril de 2024 às 18h35

Link copiado!

TP Link
TP Link

O Wi-Fi 7 foi lançado oficialmente e muitos usuários estão com dúvida sobre como o novo padrão pode impactar suas redes domésticas, principalmente quando o assunto é compatibilidade com dispositivos antigos. Resumidamente, o Wi-Fi 7 é totalmente retrocompatível com todos os aparelhos com certificação Wi-Fi, independentemente da geração.

Muito disso é, provavelmente, resultado da comunicação de novos produtos, com frases como “compatível com Wi-Fi 7” ou “com suporte a Wi-Fi 7”. 

Selos de certificação Wi-Fi 7 apenas asseguram que esses novos aparelhos conseguem aproveitar todas as novas tecnologias, mas nem de longe significa que produtos sem o selo não conseguem utilizar a rede.

Continua após a publicidade

Recursos do Wi-Fi 7 limitados em aparelhos antigos

No entanto, o que pode, sim, ocorrer é que algumas funcionalidades novas ficam restritas a dispositivos também com Wi-Fi 7. Isso porque, de fato, certas tecnologias precisam estar presentes nas duas pontas da conexão para funcionarem, como as frequências de 6GHz, Operação Multi-Link, e consequentemente, a velocidade máxima de conexão.

Faixas de frequência

A maioria dos roteadores modernos já oferecem duas faixas de frequência, a de 2,4 GHz e a de 5 GHz. Entretanto, especificamente os roteadores Wi-Fi 6E também oferecem a faixa de 6 GHz, que agora se torna padrão para o Wi-Fi 7.

Cada uma dessas faixas oferece uma largura de banda diferente, impactando diretamente na velocidade de conexão. Frequências mais baixas têm larguras menores, e essa informação está descrita na caixa de cada roteador.

Um modelo TP-Link Archer C6 AC1300 oferece máximo de 400 Mbps em 2,4 GHz e 867 Mbps em 5 GHz, daí a nomenclatura AC1300 (400 + 867).

Isso significa que smartphones, video games ou TVs mais antigos, compatíveis apenas com 2,4 GHz, vão se conectar normalmente ao roteador, mas nunca vão atingir taxas de transmissão acima de 400 Mbps, mesmo que o plano de internet contratado seja de 1 Gbps.

Continua após a publicidade

Operação Multi-Link

Uma das principais inovações do Wi-Fi 7 é a operação Multi-Link, que permite que um mesmo aparelho se conecte simultaneamente a todas essas frequências de rede simultaneamente. Nos roteadores atuais, conforme o usuário se desloca pela casa, cada vez que o dispositivo muda de uma frequência mais lenta para uma mais rápida, ele perde a conexão temporariamente no processo.

Com a operação Multi-Link, um aparelho certificado para Wi-Fi 7 consegue se conectar às três faixas ao mesmo tempo, não havendo a necessidade de trocar de sinal. Para os dispositivos sem essa tecnologia, mesmo os com Wi-Fi 6E compatíveis com redes de 6 GHz, o processo continua o mesmo, mas essa troca é gerenciada automaticamente pelo roteador.

Continua após a publicidade

Velocidade máxima

Naturalmente, estar conectado simultaneamente a três frequências significa que o celular ou notebook com Wi-Fi 7 irá conseguir receber e enviar dados pelas três bandas, aproveitando a velocidade somada das faixas de 2,4 GHz, 5 GHz e 6 GHz. Por essa razão, a velocidade teórica do Wi-Fi 7 pode ser até 5x superior a de roteadores Wi-Fi 6.

Todavia, os novos roteadores não apenas acrescentaram uma nova faixa mais rápida, mas também aumentaram a velocidade das já existentes. Sendo assim, é esperado que as faixas de 2,4 GHz e 5 GHz sejam bem mais rápidas que a média atual de até 400 e 900 Mbps respectivamente.

Continua após a publicidade

O Xiaomi BE3600, por exemplo, é um roteador Wi-Fi 7 que sequer possui frequência de 6 GHz - por questões de legislação de frequências de rádio na China -, mas traz velocidades de 688 Mbps e 2.882 Mbps nas redes de 2,4 GHz e 5 GHz. Ou seja, mesmo aparelhos sem acesso sequer a 5 GHz podem atingir velocidades maiores de conexão em uma rede Wi-Fi 7, quase sempre trabalhando no limite de suas placas de rede.

Vale a pena adotar o Wi-Fi 7 agora?

Um ponto extremamente importante que precisa ser lembrado é que, de maneira geral, roteadores não são aparelhos que trocamos com frequência. Na prática, só o fazemos, realmente, quando somos obrigados porque o atual queimou, ou porque a provedora de internet recomendou devido incompatibilidade com o plano contratado.

Continua após a publicidade

Dessa forma, considerando que o padrão Wi-Fi 7 oferece um salto tecnológico muito significativo em relação ao Wi-Fi 6, migrar para a nova rede assim que ela estiver disponível, definitivamente, não irá prejudicar a conectividade com nenhum aparelho, e pode até melhorá-la.

A única barreira real para recomendar uma adoção imediata é que, provavelmente, os primeiros roteadores com a nova tecnologia devem chegar ao país com preço elevado. Tomando por base modelos como o Archer GE800, lançado por US$ 500 no exterior, é preciso avaliar até que ponto o investimento compensa, já em 2024.