Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

5 principais diferenças entre Wi-Fi 7 e Wi-Fi 6

Por| Editado por Jones Oliveira | 11 de Novembro de 2023 às 11h30

Link copiado!

TP Link
TP Link

O Wi-Fi 7 (802.11be) é o novo padrão de redes sem fio, com lançamento previsto para 2024. Nos últimos dez anos, desde o lançamento do Wi-Fi 5, as tecnologias de conectividade evoluíram muito, ainda que muitas novidades nem sempre sejam percebidas logo de cara.

Isso se deu porque muitas das evoluções do Wi-Fi 6 (802.11ax) focaram na segurança de redes, com apenas algumas afetando diretamente o desempenho. No entanto, o desenvolvimento do Wi-Fi 7 focou bastante em questões transversais e de otimização de recursos com impacto significativo no desempenho.

Pensando nisso, o Canaltech listou as 5 principais diferenças entre o Wi-Fi 7 e o Wi-Fi 6.

Continua após a publicidade

1. Três faixas simultâneas de frequência

A primeira mudança no Wi-Fi 7 é a presença de três faixas de operação: 2,4GHz, 5GHz — disponíveis no Wi-Fi 6 — e uma faixa adicional de 6GHz. Cada uma dessas faixas opera, até certo ponto, como uma conexão independente, com canais próprios e com limitações diferentes. A banda de 2,4GHz tem maior alcance, mas é mais lenta, enquanto as frequências mais altas são mais rápidas, porém com menor alcance.

Isso é essencial para a nova realidade, onde cada vez mais dispositivos domésticos precisam estar conectados à internet para funcionar, de smartphones e PC, a Smart TVs, assistentes digitais e lâmpadas inteligentes. Com três bandas, é possível que todos esses aparelhos estejam conectados ao mesmo tempo, sem competir por canais ou reduzir a velocidade um do outro.

Outro benefício do Wi-Fi 7 é que, até o Wi-Fi 6, essas faixas de operação eram totalmente isoladas. Isso fazia com que fosse necessário configurar qual delas cada dispositivo iria utilizar no momento da primeira conexão.

Alguns roteadores mais modernos já trazem a função “Smart Connect”, que unifica as faixas em uma rede única e permite que o próprio roteador decida qual delas utilizar para os dispositivos, dependendo principalmente da qualidade do sinal. Já no Wi-Fi 7, essa configuração é padrão e vai além com a Operação Multi Link, permitindo que um mesmo aparelho se conecte simultaneamente a mais de uma dessas faixas para otimizar sua operação.

Continua após a publicidade

2. Canais de até 320 MHz

Até geração passada, cada banda (2,4GHz, 5GHz) era subdividida em faixas de 20 MHz, 40 MHz, 80 MHz e 160 MHz, com cada uma delas representando a largura disponível para canais de conexão. No Wi-Fi 7, essas faixas foram ampliadas para até 320 MHz, aumentando consideravelmente o número de canais disponíveis em cada faixa.

Com isso, é possível realizar muito mais conexões dentro da cada banda de operação; combinando a nova banda de 6 GHz, isso expande ainda mais esse volume. Como, até então, os canais disponíveis eram mais limitados, isso criava muita interferência em locais com muitas redes independentes, como prédios de apartamentos ou espaços comerciais.

Continua após a publicidade

Mesmo isoladas, essas redes podem interferir na operação uma da outra, por se tratarem de sinais eletromagnéticos. Ondas de mesma frequência em sentidos opostos tendem a se anular. Por essa razão, se o roteador de um vizinho tem uma antena mais poderosa que o de outro usuário, e ambos estão utilizando o canal de 80 MHz, provavelmente a conexão do roteador com antena mais fraca será menos estável e mais lenta.

Ao trazer subfaixas de operação de até 320 MHz, o número de canais disponíveis é muito maior. Mesmo em espaços com redes muito próximas, a competição por canais em cada faixa de operação é bem menor, e mesmo com eventuais interferências, é possível ter conexões melhores.

3. Operação Multi-Link

A Operação Mult-Link (MLO) mencionada anteriormente é outra novidade crucial para garantir que a banda adicional e os canais mais largos funcionem perfeitamente no Wi-Fi 7. Até o Wi-Fi 6 — e mesmo no Wi-Fi 6E, que também tinha uma banda de 6GHz —, cada dispositivo era limitado a se conectar a apenas um canal de cada vez.

Continua após a publicidade

No caso dos roteadores com a funcionalidade de “Smart Connect”, esse aparelho era desconectado de uma banda ou canal e reconectado à outra, conforme fosse necessário. Apesar de o usuário não precisar mais realizar essa alteração manualmente, o processo ainda causa pequenas quedas de velocidade ou interrupções rápidas de conexão.

Com a chegada do MLO no Wi-Fi 7, os aparelhos compatíveis com o padrão conseguem se conectar simultaneamente a mais de um canal, mesmo em bandas diferentes. Dessa forma, é possível utilizar a banda de 2,4GHz para manter transferências constantes assistindo a um streaming, enquanto utiliza a velocidade da banda de 6GHz para baixar a atualização gigante de Genshin Impact, por exemplo, sem que um processo interfira no outro.

Vale reforçar que, na prática, a interferência de onda é um processo físico e continua existindo, mas os roteadores Wi-Fi 7 alocam automaticamente os canais mais fortes para cada dispositivo. Por isso, mesmo em ambientes com muitas redes independentes de Wi-Fi, todas as conexões acabam sendo mais estáveis.

Continua após a publicidade

4. Modulação 4K-QAM

A transferência de informações via sinais de rádio depende de uma tecnologia de codificação para transformar dados em ondas, que posteriormente são decodificadas na outra ponta da conexão. O Wi-Fi 6 utiliza a “modulação de amplitude em quadratura” 1024-QAM, limitada a até 10 bits por “símbolo”, ou pacote codificado.

Isso implica em associar a codificação do sinal a tecnologias de compressão para enviar pacotes maiores, como em streamings ou jogos. Além das velocidades menores no 1024-QAM, os processos de compressão e descompressão aumentam a latência — o lag —, representando um problema para jogar online ou consumir conteúdos em nuvem.

Continua após a publicidade

O Wi-Fi 7, por sua vez, utiliza o 4K-QAM (4096-QAM), com símbolos de 12 bits transportando mais dados de uma vez, e dependendo menos de compressão. Isso viabiliza velocidades de transmissão maiores e latências consideravelmente menores, melhorando a experiência online, sendo possível assistir streamings em alta resolução sem gerar lag em partidas online.

5. Mais velocidade e mais estabilidade

A velocidade total da conexão é resultado de uma equação que envolve praticamente todos esses elementos. Com canais de até 320 MHz, mais bits enviados por símbolo com o 4K-QAM, e possibilidade de utilizar vários canais ao mesmo tempo, o Wi-Fi 7 consegue entregar velocidades teóricas de até 46 Gbps, contra os 9,6 Gbps do Wi-Fi 6.

Continua após a publicidade

Lembrando que o próprio roteador consegue gerenciar automaticamente as conexões de cada dispositivo da rede. Sendo assim, mesmo com muitos usuários na mesma rede, a conexão é muito mais estável para todos eles. Vale reforçar que esses números são teóricos, representando apenas a capacidade máxima, evitando gargalos internos na nova rede. A velocidade real depende do link fornecido pelos provedores de internet, geralmente bem abaixo dos 46 Gbps.