Quanta memória RAM é necessária em um PC para jogos?

Quanta memória RAM é necessária em um PC para jogos?

Por Renan da Silva Dores | Editado por Wallace Moté | 23 de Julho de 2021 às 09h40
Reprodução/Corsair

Mesmo se desconsiderarmos a atual crise causada pela escassez de chips, montar um PC gamer não é uma tarefa tão simples. Para se atingir um nível elevado de desempenho em jogos, é necessário escolher o conjunto de processamento ideal para suas necessidades.

Dentro desse conjunto de processamento está inclusa a memória RAM, um dos elementos mais importantes das máquinas. A questão é: qual a quantidade ideal de RAM para se ter uma experiência agradável na hora de jogar? O Canaltech reuniu os principais pontos sobre isso para te ajudar a tomar uma decisão melhor na hora de montar o seu computador.

Relembrando o conceito de RAM

Explicamos recentemente o conceito completo de RAM, mas para falarmos da quantidade ideal, vamos recapitulá-lo brevemente. A Random Access Memory, ou memória de acesso randômico, em tradução livre, é basicamente a área em que os dados que o seu computador está utilizando serão armazenados para haver acesso rápido.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Vez ou outra, o processador busca informações na RAM para realizar algum cálculo ou processo de acordo com as ações do usuário, situação que confere o nome de acesso randômico. Sua proximidade da CPU, em comparação ao HD ou ao SSD, é outro fator que a torna um elemento importante, já que o acesso à RAM durante o processamento é mais rápido do que ao conjunto de armazenamento.

De maneira resumida, a RAM é utilizada para armazenar as informações mais importantes para que a CPU tenha acesso rápido a esses dados (Imagem: Reprodução/Kingston)

Além da velocidade de acesso, outro ponto que diferencia ambas as memórias é a persistência dos dados: a RAM funciona apenas quando recebe energia, ou seja, quando o PC está ligado, perdendo todos os dados quando a máquina é desligada.

Empresas como a Intel estudam a possibilidade de mesclar as vantagens da RAM com o armazenamento fixo, ainda que nenhuma solução tenha atingido maturidade suficiente para realmente se popularizar entre os consumidores comuns até o momento.

Qual a quantidade ideal de RAM para jogos?

Dito isso, quanta RAM é necessária para ter uma boa experiência ao jogar? Para chegarmos à resposta, alguns pontos devem ser levados em consideração. O primeiro deles é que é preciso lembrar que, mesmo quando um game ocupa a maior parte do tempo de processamento de um computador, ainda há processos ocorrendo em segundo plano que também serão armazenados na RAM, como atualização de programas ou drivers.

Além disso, a maioria esmagadora dos jogos modernos utilizam arquivos cada vez mais pesados, que exigem quantidades significativas de memória. DOOM Eternal é um exemplo, sendo comum encontrar testes em que mais memória, tradicional ou de vídeo, consegue aumentar de maneira significativa o desempenho durante o gameplay.

DOOM Eternal é um dos games recentes que se beneficiam de maior capacidade de memória (Imagem: Divulgação/Bethesda)

Tendo isso em mente, é seguro afirmar que 4 GB de RAM já não é suficiente para jogos modernos. É provável que jogos antigos, ou extremamente leves, possam conseguir rodar com a capacidade reduzida, mas a possibilidade de engasgos graves e da total perda da fluidez e até da responsividade do computador é alta, já que o próprio Windows sofre para funcionar de maneira adequada com essa quantidade.

Vale então lembrar dos requisitos mínimos apontados pelos desenvolvedores de jogos, que costumam recomendar ao menos 8 GB de RAM. Trata-se de uma quantidade saudável, mas de fato mínima — caso haja muitos processos sendo executados em segundo plano, há chances de que ocorra perda de responsividade e desempenho.

Diante disso, até o momento, 16 GB de RAM é o recomendável para que a jogatina ocorra sem problemas. Além de ser o suficiente para jogos modernos, e geralmente a quantidade recomendada pelos estúdios de games, também abre boa margem para que outros programas sejam executados em segundo plano sem causar travamentos em títulos mais elaborados.

Jogos modernos mais complexos já recomendam quantidades próximas dos 16 GB de RAM para entregar bom desempenho sem afetar a qualidade gráfica (Imagem: Divulgação/CD Projekt Red)

Ainda assim, é importante ressaltar o aviso de que os jogos estão ficando mais complexos, e devem começar a exigir maiores quantidades de RAM conforme o nível de detalhes dos cenários e a quantidade de NPCs e atividades executadas pelo jogo aumentarem. Se você pretende garantir a longevidade da sua máquina, 32 GB de RAM pode ser a quantidade ideal para os próximos anos.

De toda forma, a melhor recomendação é analisar o seu perfil de jogador — menores quantidades serão suficientes para jogos mais leves, como League of Legends, mas definitivamente serão um problema para títulos pesados, como Assassin's Creed Valhalla, portanto observe os títulos que mais joga e seus requisitos para tomar a decisão certa.

O que pode acontecer se a memória não for suficiente?

Digamos que você optou por instalar apenas 8 GB em seu computador, e como está preocupado com a quantidade, ou é um entusiasta interessado nos números, decide utilizar programas como o RivaTuner para acompanhar o consumo de memória em tempo real. No meio do jogo, percebe que seus 8 GB foram praticamente utilizados por completo. O que acontece?

Ao menos em computadores modernos, quando o consumo excede a capacidade disponível, o processador deixa de alocar dados para buscá-los diretamente no armazenamento. O jogo deve funcionar normalmente, mas há um porém — Como citamos anteriormente, o tempo de buscar os dados no HD ou SSD é significativamente maior do que acessá-los na RAM, e isso tem um custo.

Esse tempo maior acaba se refletindo na produção de quadros, e é aí que engasgos e leves travamentos podem acontecer. Em vez de termos uma taxa fixa de 60 FPS, por exemplo, há flutuações constantes, já que a CPU perde tempo buscando informações no armazenamento.

Capacidade não é tudo

Também é importante lembrar que capacidade não é o único ponto a se considerar na hora de escolher os módulos de memória RAM. É preciso considerar a frequência — o número de vezes em que a leitura dos dados é feita por segundo — além da latência — o tempo levado para se ter acesso à informação desejada.

A frequência e a latência da RAM são pontos tão importantes quanto a capacidade (Imagem: Fábio Jordan/Canaltech)

Fora isso, o número de canais utilizados é outro ponto que afeta o desempenho: 16 GB de RAM em single-channel, ou seja, com apenas um módulo instalado, não é tão eficiente quanto 16 GB de RAM em dual-channel, com dois módulos instalados. Basicamente, a CPU tem apenas uma via para buscar informações no primeiro caso, enquanto acelera o processo ao usar duas vias na segunda opção.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.