Tensão no ar | Corrida espacial asiática tem China e Índia como protagonistas

Por Patrícia Gnipper | 01 de Outubro de 2019 às 08h40
Emil Lendof/The Daily Beast

Quando se fala em Corrida Espacial, a primeira história que vem à mente da maioria das pessoas certamente é o que rolou na época da Guerra Fria, com os Estados Unidos e a então União Soviética correndo contra o tempo para ver quem sairia vitorioso no que dizia respeito aos primeiros passos da exploração espacial. Já nos tempos atuais, estamos observando o desenrolar de novas corridas espaciais, como a corrida para se estabelecer de maneira permanente na Lua, ou ainda a corrida espacial das empresas privadas (que também envolve a Lua, além do turismo na órbita da Terra). Mas há uma outra corrida espacial surgindo no horizonte, especificamente no continente asiático — e estamos falando da China e da Índia.

Contudo, essa corrida espacial asiática chama a atenção por questões que vão além da ciência. "Embora alguns estejam alertando sobre uma corrida espacial entre os EUA e a China, sugiro que a verdadeira corrida espacial esteja acontecendo na Ásia. Somente neste ano, a China e a Índia pousaram, ou tentaram pousar, sondas na Lua. Esses tipos de missões são uma maneira de obter prestígio internacional, mas elas também demonstram pacificamente recursos que podem ser usados ​​em conflito", alerta Wendy Whitman Cobb, professora de estratégia e segurança na Air Force's School of Advanced Air and Space Studies, uma instituição que promove especializações para oficiais da força aérea dos Estados Unidos.

Ela diz ainda que "na minha perspectiva como analista de política espacial, as atividades espaciais da Índia, combinadas com suas crescentes tensões com o Paquistão, contribuem para aumentar a tensão regional". E você vai entender melhor do que ela está falando nas linhas abaixo. Deixaremos o Japão de lado nesta matéria, pois este país específico, ainda que asiático, não está envolvido nas tensões que abordaremos aqui.

Índia quer se tornar uma nova potência espacial

Conceito do módulo orbital da Chandrayaan-2 (Imagem: ISRO)

Primeiro, vamos falar do programa espacial indiano, que vem crescendo e realizando conquistas nos últimos anos. Começando pelas aventuras mais recentes, a ISRO (agência espacial indiana) lançou a missão Chandrayaan-2 rumo ao polo sul lunar, com o objetivo de se tornar a quarta nação a pousar na Lua, e a primeira a levar um rover àquela região do satélite natural. Contudo, seus planos foram bastante frustrados: os controladores terrestres perderam o contato com o módulo de pouso Vikram, e ainda não se sabe o que aconteceu — se ele pousou, mas não consegue se comunicar, ou se acabou se chocando contra o solo. No entanto, a missão é considerada bem-sucedida pois o módulo orbital da missão permanece ali, onde ficará operando por cerca de um ano.

E, pouco tempo atrás, o país causou polêmica quando lançou uma missão do tipo ASAT para abater (ou seja, destruir) um satélite também indiano na órbita da Terra, com o objetivo de testar essas tecnologias e mostrar para o mundo todo que a Índia não está de brincadeira. Só que a coisa foi bastante polêmica: detritos do satélite abatido foram projetados muito acima da altitude onde o aparato se encontrava, e alguns pedaços ainda podem representar riscos a outras naves e satélites, colocando até mesmo a Estação Espacial Internacional em perigo.

Mas como foi que a Índia chegou a este nível avançado de tecnologia espacial? Bom, o programa espacial indiano tem origens na década de 1950, quando o país estava investindo em estudos para um programa nuclear. A ISRO foi criada em 1969 e, desde o início, se concentrou em desenvolver e fabricar satélites. Já no final dos anos 1970, o país começou a desenvolver foguetes, o que continuou acontecendo na década de 1980. Desde então, os indianos mostraram que são capazes de lançar foguetes confiáveis e poderosos, e esse "chão" todo culmina no momento atual, com a Índia se destacando não somente com missões científicas (como as lunares), como também com programas comerciais (vendendo lançamentos de satélites para empresas comerciais).

A primeira missão lunar da Índia foi a Chandrayaan-1, que levou uma sonda orbital para lá. Ela foi lançada em 2008 e colaborou para com a descoberta de água congelada na Lua. Já em 2014, a missão Mars Orbiter transformou o país no quarto a enviar uma sonda ao Planeta Vermelho. A partir de agora, além de possivelmente lançar uma nova missão lunar em parceria com a JAXA (a agência espacial japonesa), a ISRO também pretende lançar seus próprios astronautas para o espaço, o que deverá acontecer até o ano de 2022.

Bom, mas falta uma parte importante nessa história: os anos 1990. Naquela década, a Índia começou a virar seus olhos para o uso militar do espaço, desde então desenvolvendo protótipos de satélites militares e fornecendo serviços como sensoriamento remoto, rastreamento e comunicações para estes fins. Mísseis indianos são beneficiados pela tecnologia da ISRO, e o avanço do programa espacial indiano preocupa outras nações — como a China, que enfrenta conflitos com os indianos há tempos. Confrontos sobre fronteiras territoriais acontecem com certa frequência, além de embates ideológicos e políticos, com ambos os países lutando para "crescer e aparecer" no cenário espacial (e militar) internacional.

O programa espacial chinês e seus avanços recentes

Modelo de um foguete Long March da China

A CNSA (agência espacial da China) foi fundada apenas em 1993, ainda que o programa espacial chinês exista desde 1956 — na época, inclusive, isso foi possível graças a uma parceria com o programa espacial da União Soviética. A URSS cedia tecnologias à China para que o país asiático crescesse neste sentido (lembrando que, naquela época, a Corrida Espacial envolvia a URSS e os EUA), mas a parceria chegou ao fim com o rompimento de relações entre as duas nações, o que aconteceu em 1960, quando a URSS cortou todo o seu apoio aos chineses — que, por sua vez, já tinham acumulado conhecimentos suficientes para engatinhar, por conta própria, na indústria espacial, lançando seu primeiro foguete na sequência.

Por meio deste foguete (o primeiro Long March), a China lançou à órbita seu primeiro satélite em 1970, e se tornou a quinta nação do mundo a realizar este feito. Já a partir de 1985, as séries seguintes deste foguete permitiram o início de uma agenda de lançamentos comerciais e, em 1992, o país iniciou o programa Shenzhou para levar astronautas ao espaço.

A primeira nave Shenzhou não tripulada voou em 1999, e em 2003 o primeiro astronauta chinês (ou taikonauta) foi lançado ao espaço. Com isso, o país se tornou a terceira nação a levar uma pessoa para fora da Terra. Com o sucesso do programa Shenzhou, a China tentou negociar com o programa da Estação Espacial Internacional e levar seus taikonautas para lá, mas os EUA fizeram uma oposição intensa à ideia, fazendo com que a China decidisse, então, mandar a ISS "às favas" e lançar sua própria estação espacial — a Tiangong 1, lançada em 2011, desativada em 2016 e destruída ao reentrar na atmosfera em 2019. Mas, antes disso, três naves visitaram a estação espacial chinesa, duas delas com taikonautas a bordo.

Conceito da Shenzhou 9 se conectando à Tiangong 1

Então veio a Tiangong 2 em 2016, que recebeu dois taikonautas e teve sua operação encerrada em 2018, também sendo destruída ao reentrar na atmosfera em 2019. Essas estações espaciais temporárias serviram para que a China aprendesse o bê-a-bá da coisa, preparando-se para lançar uma estação espacial definitiva — a Tiangong 3 —, cuja montagem no espaço deverá começar em 2020 e tem vida útil estimada em 10 anos.

Mas a China também tem programas espaciais que envolvem outras áreas do espaço, além da órbita da Terra. O país vem acumulando vitórias com as missões lunares Chang'e desde o final de 2007, quando o país lançou a Chang'e 1 rumo à órbita lunar. Em 2010 veio a Chang'e 2, também órbital, com objetivos similares aos da primeira missão, que eram de mapear a superfície lunar e explorar potenciais locais de pouso para as missões futuras.

Já em 2014 veio a Chang'e 3, com a primeira tentativa de pousar na superfície lunar, o que aconteceu no final daquele ano e fez com que a China se tornasse a terceira nação a realizar tal feito. A Change' 3 também levou para lá o rover Yutu, que se tornou o primeiro veículo do tipo a explorar a Lua desde a soviética Luna 24, que aconteceu em 1976. Além do rover, a Chang'e 3 também levou um observatório orbital de longo prazo — o Lunar-based Ultraviolet Telescope (LUT).

Então, veio a missão Chang'e 4 em 2018, pousando com sucesso no início de 2019. Esta missão levou consigo uma sonda orbital, um módulo de pouso e um novo rover (o Yutu-2), desta vez para o lado afastado da Lua, o que fez da China o primeiro país a pousar no hemisfério lunar que nunca podemos ver daqui da Terra. Graças aos chineses, descobrimos que a temperatura superficial do outro lado da Lua é menor do que a registrada na face que fica voltada para a Terra, e a missão vem enviando, ainda, imagens e informações sobre o "lado de lá" do nosso satélite natural.

Yutu-2 "desenhando" na paisagem lunar (Foto: CNSA)

Com a missão Chang'e 4, surgiu a necessidade de também enviar novos satélites à órbita lunar. É que, como a sonda e o rover estão do lado afastado da Lua, é impossível haver uma comunicação direta de lá para cá — afinal, a totalidade da Lua fica no meio do caminho como uma barreira para as comunicações. Então, a solução foi enviar, seis meses antes do lançamento da Chang'e 4, um satélite de retransmissão chamado Queqiao, que fica posicionado em um lugar estratégico na órbita lunar, exatamente num ponto onde as forças gravitacionais da Terra e da Lua se equilibram, e o satélite é capaz de transmitir dados de e para qualquer ponto na superfície do lado oposto da Lua.

Junto com o Queqiao, foram lançados também outros dois minissatélites chamados Longjiang-1 e Longjiang-2. Eles voam em conjunto ao redor da Lua para observar o céu em comprimentos de onda de rádio bastante longos de maneira que não é possível de se fazer daqui da Terra por conta da nossa atmosfera. O contato com o Longjiang-1 foi perdido antes mesmo de o satélite entrar na órbita lunar, mas o Longjiang-2 chegou em segurança e, desde então, vem fotografando tanto a superfície lunar quanto a Terra à distância.

Quanto ao futuro, a China pretende lançar a Chang'e 5 ainda em 2019 rumo a uma região vulcânica da Lua, com a ideia de coletar amostras para serem estudadas na Terra. Se a missão se mostrar bem sucedida, a China se tornará o terceiro país a fazer uma viagem de ida e volta para a Lua. Estão no papel ainda as missões Chang'e 6 e Chang'e 7, que devem ser lançadas até 2023 também para coletar amostras e trazê-las ao território chinês — desta vez pousando no polo sul lunar, mesma região onde o módulo indiano Vikram tentou pousar com a missão Chandrayaan-2, por sinal.

A partir daí, os planos ainda são incertos: a CNSA, porém, já disse que pretende continuar o programa Chang'e com novas missões, com o objetivo final de construir uma estrutura fixa na Lua, de repente até mesmo usando impressão 3D com recursos naturais lunares. O país também pretende enviar seus taikonautas ao nosso satélite natural até o ano de 2030.

Tensão na Ásia

Agora vamos voltar ao que analisa Wendy Whitman Cobb, especialista que mencionamos no início desta matéria. Ela lembra que, depois de um teste ASAT que a China fez em 2008, a Índia começou a desenvolver suas próprias armas espaciais, com seu teste ASAT acontecendo em 2019. E "esses movimentos mais agressivos se encaixam com outras ações indianas recentes", ela afirma, ressaltando que, "em agosto, a Índia retirou o status especial da Caxemira, que em grande parte permitiu à região estabelecer suas próprias leis, então a Índia enviou tropas para a região, prendeu centenas de políticos da Caxemira e rompeu laços". A Caxemira é uma região onde há disputas justamente entre Índia e China, além do Paquistão.

E essas ações, juntamente com suas atividades espaciais, não passam despercebidas pelo Paquistão. "Como escrevem os analistas Mian Zahid Hussain e Raja Qaiser Ahmed, o Paquistão se sente mais inseguro sob os satélites de órbita baixa da Índia e as capacidades dominantes de vigilância e espionagem". Essa insegurança, combinada com as medidas indianas em relação à Caxemira, podem fazer com que o Paquistão comece a desenvolver armas, satélites e outras tecnologias espaciais, e isso pode desencadear uma corrida armamentista, trazendo ainda mais instabilidades a uma região que já é muito conflituosa.

E, bem, vamos lembrar que China e Índia se destacam tanto no programa espacial, quanto em ações militares, e tudo isso pode desenvolver para que uma "bomba relógio" exploda em um futuro não muito distante caso as tensões na Ásia continuem evoluindo neste caminho. "Assim como outras potências espaciais, a Índia está buscando melhorar sua tecnologia, mas os avanços também podem trazer maiores preocupações envolvendo a segurança" da região, finaliza a professora.

*Com informações de The Conversation

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.