Índia perde contato com nave da Chandrayaan-2 minutos antes de pouso na Lua

Por Patrícia Gnipper | 06 de Setembro de 2019 às 18h08
ISRO

Tensão. É o que define a tentativa de pouso da missão Chandrayaan-2 no polo sul da Lua no final da tarde desta sexta-feira (6). Tudo parecia estar acontecendo dentro dos conformes enquanto o módulo de pouso Vikram se separava do módulo orbital e iniciava sua descida, carregando consigo o rover Pragyan, que se tornaria o primeiro a explorar o polo sul lunar. Contudo, a poucos minutos da alunissagem o contato com a nave foi perdido, e demorou bastante até que uma resposta fosse dada: a comunicação entre os controladores em Terra e a nave foi perdida, e até o momento da redação desta notícia a ISRO ainda não havia confirmado o que realmente aconteceu.

A Índia tentava, com esta missão lançada em julho, se tornar o quarto país a pousar uma nave na Lua, depois de Rússia, Estados Unidos e China. O módulo Vikram se separou da nave orbital com sucesso, acionando então seus propulsores para desacelerar e tentar a complicada operação de pouso que a própria ISRO chamou de "15 minutos de terror". E foi justamente neste intervalo em que o contato foi perdido por completo.

Sendo assim, tudo o que sabemos com certeza no momento é que a comunicação entre a ISRO e a nave foi perdida pouco antes de o pouso acontecer, e a agência espacial indiana ainda está analisando os dados obtidos antes de o contato ser interrompido para dar uma declaração oficial explicando ao mundo o que aconteceu de fato. Ou seja: a maior probabilidade é mesmo de a nave ter se chocado contra a superfície lunar, mas ainda é cedo para fazer uma afirmação do tipo.

O Canaltech acompanhará os desdobramentos desta história e noticiaremos o ocorrido assim que a ISRO liberar um comunicado oficial. Enquanto isso, você pode rever a transmissão ao vivo em que os momentos para lá de tensos aconteceram:

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.