Como o atraso de Guardiões da Galáxia 3 mudou a Fase 4 da Marvel nos cinemas?

Por Claudio Yuge | 29 de Junho de 2020 às 20h00
Marvel
Tudo sobre

Marvel

Saiba tudo sobre Marvel

Ver mais

Quem acompanha o Universo Cinematográfico Marvel (MCU, na sigla em inglês) de perto sabe que Guardiões da Galáxia Vol. 3 deveria ser o carro-chefe para a expansão da Fase 4, que começará oficialmente com Viúva Negra, no final do ano. Contudo, os problemas iniciais envolvendo o diretor James Gunn e o atraso do filme mudaram todo o planejamento do Marvel Studios para os próximos três anos. E o que foi alterado, e como chegaremos até lá?

Antes de responder a essas perguntas, é preciso lembrar a importância de Guardiões da Galáxia nas fases anteriores e o contexto pelo qual o Vol. 3 foi adiado. Quando o Vol.1 foi lançado em 2014, havia uma confiança enorme no sucesso do filme, mas ninguém esperava que personagens tão obscuros se tornassem tão populares — até mesmo quem não é lá muito fã de super-heróis gostou.

Guardiões da Galáxia trouxe um grupo de desajustados, interpretado por atores carismáticos e que combinaram com suas contrapartes de papel. A trama revelou as fundações da base cósmica da Marvel Comics, a exemplo dos Celestiais, das Joias do Infinito, de Thanos e Adam Warlock, do Vigia Uatu e diversos outros elementos clássicos que atualmente pavimentam o mesmo cantinho espacial no MCU. Eles transformaram sua ópera espacial no “Star Wars da Marvel”.

Divulgação/Marvel Studios

Além disso, os dois primeiros títulos da franquia renderam nada menos do que US$ 1,64 bilhão em bilheteria mundial para o Marvel Studios — isso sem contar merchandising, contratos para streaming e vídeo por demanda, brinquedos, entre outras coisas. O orçamento combinado das duas produções ficou em torno de US$ 370 milhões.

Para completar, os filmes inspiraram um reposicionamento da propriedade na Marvel Comics, que lançou títulos relacionados como carros-chefe da editora, incluindo os personagens nas principais tramas do Universo Marvel. Era de se esperar, então, que Guardiões da Galáxia Vol.3 trouxesse mais componentes para os alicerces da Casa das Ideias, tanto no cinema quanto nos quadrinhos. E não foi isso que aconteceu, ainda.

Guardiões da Galáxia 3 deveria criar a Fase 4 (e além)

O adiamento do filme aconteceu em torno da demissão de James Gunn, em julho de 2018, quando vieram à tona postagens antigas em que o cineasta compartilhou piadas de mau-gosto. Gunn estava em pleno desenvolvimento do roteiro quando a Disney anunciou seu desligamento. O elenco teve uma resposta imediata, com Dave Bautista (Drax) ameaçando a deixar o MCU.

Guardiões da Galáxia Vol. 3 serviria como plataforma de lançamento para toda uma nova gama de franquias cósmicas. Na época, Gunn explicou que vinha trabalhando com o presidente do Marvel Studios, Kevin Feige, para moldar “o futuro do MCU cósmico”. "Quando estamos falando sobre Guardiões da Galáxia 3, é uma história que levará a outras histórias. Este é o fim de uma trilogia, mas é o começo de toda uma série de elementos do universo cósmico da Marvel”, contou na época.

Divulgação/Marvel Studios

Pouco se sabe sobre o que exatamente Gunn tinha em mente nos planos originais, mas ele afirmou que criaria um terreno capaz de delinear “os próximos 10 a 20 anos de filmes da Marvel”. "Esses roteiros já estão em andamento. “Kevin [Feige] e eu conversamos sobre isso o tempo todo, tivemos uma reunião hoje mesmo. Discutimos qual é a próxima iteração de personagens cósmicos e onde estarão os personagens que já criamos no próximo lote de filmes", confirmou o cineasta em uma entrevista de agosto de 2017.

Após sua demissão, Feige tentou diminuir a importância do diretor em seu planejamento, mas é improvável que Gunn estivesse inventando tudo isso. Guardiões da Galáxia Vol. 3 estava claramente posicionado para dar início à Fase 4 e ao MCU “mais cósmico”. E isso nos leva a um período mais “mundano” nos próximos três anos do Marvel Studios.

Uma Fase 4 menos cósmica e mais mística

Com a saída de Gunn, o Marvel Studios precisou agir rapidamente e Kevin Feige tomou decisões que hoje se mostram muito acertadas. O calendário de filmes da Fase 4, que estava prestes a ser revelado, ficou mantido sob mistério por mais tempo. Filmes como Os Eternos e Capitã Marvel 2, que estariam atrelados a Guardiões da Galáxia Vol. 3, foram separados por um grande intervalo de tempo.

Enquanto mantinha Guardiões da Galáxia Vol. 3 na geladeira, Feige começou a mudar o cronograma da Fase 4, agora mais apoiada em elementos místicos. Com sua promoção a CCO, que basicamente o torna chefão do Marvel Studios, da Marvel TV e da Marvel Comics, ele passou então a investir em uma outra linha de narrativa, que também estava em andamento, mas que teria uma importância menor do que ganhou.

Assim, as séries do Disney+ passaram a ser um caminho com maior relevância na Fase 4. Como WandaVision tem forte conexão com Doctor Strange and the Multiverse of Madness e Shang-Chi and the Legend of the Ten Rings também mexe com magia, este se tornou um trajeto mais viável. Embora a mudança de direção fosse brusca, a possibilidade de boa execução em tempo hábil era grande.

Reprodução/Reddit

Desta forma, a Fase 4 ficou mais mundana, com direção às realidades paralelas da Terra e aos personagens conectados aos lado mais cru e sombrio da editora. Por isso, há até mesmo um possível retorno do Demolidor e do Motoqueiro Fantasma e os anúncios de Blade e Cavaleiro da Lua.

Isso mostra que as mudanças pelas quais o Marvel Studios passou pela Fase 3, quando todo o cronograma foi afetado pela chegada do Homem-Aranha e pela improvável parceria com a Sony, ensinaram a Feige como se adaptar rapidamente para manter o MCU coeso.

Como seria a Fase 4 iniciada por Gunn?

Dois heróis tinham grandes chances de iniciar suas próprias franquias, ou pelo menos de participar ativamente nos maiores eventos do Marvel Studios. Um deles é Adam Warlock, que teve uma aparição explícita, embora não em sua forma final, nas cenas pós-créditos de Guardiões da Galáxia Vol. 2. Adam poderia dar continuidade à Joias do Infinito e às histórias dos Celestiais; trazer personagens como Quasar e entidades gigantes, como o Tribunal Vivo. Essa seria uma ótima forma, por exemplo, de manter o que seria apresentado em Os Eternos.

Reprodução/Marvel Comics

Outro seria Nova, que os próprios Irmãos Russo, diretores de Vingadores: Guerra Infinita e Vingadores: Ultimato, admitiram sua presença nas concepções da batalha final contra Thanos, na Saga do Infinito. O primeiro filme dos Guardiões da Galáxia já tem fortes conexões com Xandar e a Tropa Nova, portanto, pode apostar que teríamos a introdução desse personagem bem antes do que ele deva aparecer atualmente. Nem há indícios de que Richard Rider ou sua versão mais jovem devam estrear na Fase 4 de agora.

Redenção de Gunn está em Guardiões da Galáxia Vol. 3

Desde que Gunn obteve enorme sucesso com Guardiões da Galáxia, ele se tornou uma pessoa muito engajada com os fãs nas redes sociais, emitindo também opiniões sobre o setor — como quando ele defendeu os filmes de heróis das críticas de Martin Scorsese. Sua fácil comunicação com a audiência tornou o cineasta uma figura muita querida entre os marvetes.

Mesmo com a sua demissão e a exposição de suas postagens de mau-gosto, Gunn manteve sua postura profissional e se mostrou genuinamente arrependido. A comoção que tomou conta de todo o elenco também reafirmou que o diretor realmente tinha passado por momentos difíceis e atualmente é outra pessoa. Essa esperança de tê-lo de volta fez com que Feige apenas “congelasse” o projeto, antes de descartá-lo ou destiná-lo a outro diretor imediatamente.

Montagem/SpideyVegas

Gunn passou a se dedicar ao novo filme de Esquadrão Suicida e o próprio interesse da Warner, que também não está deixando barato e vem se afastando de artistas com passado polêmico, fez com que a Disney começasse a rever esse caso. Não demorou até que Gunn estivesse de volta, principalmente pelo profissionalismo e da forma com que ele tratou o problema.

Embora não tenhamos mais o diretor como um “arquiteto” para as próximas fases da Marvel, pelo menos teremos de volta o cara que tinha uma ideia para começo, meio e fim de uma trilogia dos Guardiões da Galáxia — e isso promete ser ainda mais emocionante, pois é bem possível que tenhamos uma Deus do Trovão a bordo do Vol. 3.

E quando chega? Bem, abaixo fica nossa projeção das próximas fases da Marvel, só para você não esquecer:

2020

  • 28 de agosto: Os Novos Mutantes (Fox Films)
  • *Agosto: The Falcon and the Winter Soldier (Disney+)
  • *Setembro/outubro: WandaVision (Disney+)
  • Outubro: Helstrom (Hulu)
  • 6 de novembro: Viúva Negra (Marvel Studios)

2021

  • 12 de fevereiro: The Eternals (Marvel Studios)
  • *Janeiro/fevereiro/março: Loki (Disney+)
  • 19 de março: Morbius (Sony Pictures)
  • 7 de maio: Shang-Chi and the Legend of the Ten Rings (Marvel Studios)
  • 25 de junho: Venom: Let There Be Carnage (Sony Pictures)
  • *Junho/julho/agosto: What If…? (Disney+)
  • **Setembro/outubro: Gavião-Arqueiro (Disney+)
  • 5 de novembro: Homem-Aranha 3 (Sony Pictures/Marvel Studios)

2022

  • 11 de fevereiro de 2022: Thor: Love and Thunder (Marvel Studios)
  • 25 de março de 2022: Doctor Strange in the Multiverse of Madness (Marvel Studios)
  • 6 de maio de 2022: Black Panter 2 (Marvel Studios)
  • 8 de julho de 2022: Captain Marvel 2 (Marvel Studios)
  • **Ms. Marvel (Disney+)
  • **She-Hulk (Disney+)

2023

  • **Guardians of the Galaxy Vol. 3 (Marvel Studios)
  • **Blade (Marvel Studios)
  • **Motoqueiro Fantasma (Marvel Studios)
  • **Deadpool (Marvel Studios)
  • **Moon Knight (Disney+)

*Desenvolvimento confirmado, mas sem data

**Ainda em estágio inicial de desenvolvimento e sem data

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.