O céu (não) é o limite | O que está rolando na ciência e astronomia (27/08/2019)

O céu (não) é o limite | O que está rolando na ciência e astronomia (27/08/2019)

Por Patrícia Gnipper | 27 de Agosto de 2019 às 15h07
NASA

Olá, terça-feira! E olá, mais um resumo das principais notícias científicas da última semana!

Se você não teve lá muito tempo de acompanhar o noticiário nos últimos dias para ficar bem informado sobre o que está acontecendo nos universos da ciência e da astronomia, é só se ligar em mais esta síntese semanal, que começa agora:

Oficializada missão para estudar lua Europa

A NASA oficializou a missão Europa Clipper, que será lançada em 2023 (ou até 2025) rumo à lua Europa, de Júpiter, onde há um oceano líquido abaixo de sua crosta congelada. A ideia é estudar estas águas em busca de sinais de vida fora da Terra, bem como estudar a geologia deste satélite natural bastante intrigante.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

NASA confirma queimadas amazônicas por meio de satélite

As queimadas que vêm acontecendo na região amazônica foram registradas pelo satélite Aqua, da NASA. Em uma das imagens divulgadas, vemos a fumaça em meio às nuvens, sendo bem fácil identificar o que é o quê:

Já em outra imagem, uma animação, a agência espacial mostra a distribuição do monóxido de carbono na atmosfera acima da América do Sul, tudo sendo resultado das queimadas fotografadas pelo satélite. As "plumas" verde contêm menor concentração do poluente, enquanto as amarelas mostram um pouco mais, com os tons laranja e vermelho apresentando as maiores concentrações de monóxido de carbono se espalhando por parte do continente, e afetando boa parte do Brasil:

Vale lembrar que, ainda que a época seca do inverno seja justamente quando acontecem queimadas em florestas, a incidência do problema em 2019 está muito maior do que no passado: segundo o INPE, entre janeiro e agosto deste ano, as ocorrências já são pelo menos 80% maiores do que no mesmo período de 2018 — grande parte disso vem da ação humana mesmo e, por isso, a situação é preocupante.

Nova sonda indiana já manda fotos da Lua

A sonda indiana Chandrayaan-2 já chegou à órbita lunar e também já nos presenteou com sua primeira foto da superfície da Lua.

A imagem foi capturada a uma distância de cerca de 2.650 km acima da superfície, mostrando parte do lado oculto da Lua, incluindo a cratera Apollo e a região conhecida com Mare Orientale. A sonda pousará no polo sul lunar e liberará um rover para explorar a região onde há gelo congelado em crateras que estão permanentemente afastadas da luz solar. Com isso, a Índia se tornará o quarto país a pousar uma nave na Lua, e o primeiro e levar um rover ao polo sul lunar. O pouso está programado para acontecer no dia 6 de setembro.

Rolling Stones homenageados em Marte

Quando a sonda InSight pousou em Marte, uma pedra em especial acabou chamando a atenção, pois ela foi a única que rolou cerca de 1 metro para frente, enquanto as demais a seu redor não chegaram tão longe. Por isso, a NASA decidiu apelidar a rocha, que é um pouco maior do que uma bola de golfe, de Rolling Stones Rock, homenageando a lendária banda britânica composta por Mick Jagger, Keith Richards, Charlie Watts e Ronnie Wood.

Empresa japonesa na Lua em 2021

Conceito da nave lunar da ispace

A japonesa ispace declarou que pretende pousar uma primeira nave própria na Lua em 2021, e também quer levar um rover para lá em 2023. O programa HAKUTO-R estava planejado para 2020, na verdade, com o objetivo de demonstrar sua tecnologia sem cargas úteis, mas a empresa decidiu adiar o cronograma em um ano para conseguir levar cargas para clientes comerciais fazerem experimentos em nosso satélite natural.

Exame de sangue prevendo risco de morte

Pesquisadores holandeses desenvolveram um novo tipo de exame de sangue capaz de prever a probabilidade de uma pessoa morrer nos próximos anos. O teste identifica a presença de células que são comumente relacionadas a doenças capazes de levar o indivíduo a óbito. São 14 marcadores metabólicos analisados no sangue.

Os 14 marcadores são independentes, e isso significa que um deles, ou a combinação de vários, pode ser a causa para diversas doenças. De acordo com o estudo, níveis mais altos de glicose sugerem mortalidade alta (risco de diabetes, por exemplo), enquanto o teor de gordura poli-insaturada frente ao total de ácidos gordurosos pode significar um quadro mais saudável. Os pesquisadores viram que o teste serviu como indicativo de previsão de morte em intervalos de cinco a dez anos.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.