Publicidade

iPad Pro com chip M4 tem altos e baixos em 1º teste de resistência

Por| Editado por Wallace Moté | 16 de Maio de 2024 às 10h25

Link copiado!

Divulgação/Apple
Divulgação/Apple
iPad Pro (2024) 13"

Produto mais fino já lançado pela Apple, o recém-lançado iPad Pro com chip M4 mostrou resultados mistos no primeiro teste de resistência a que foi submetido pelo YouTuber Zack Nelson, do canal JerryRigEverything. Apesar das promessas da Maçã, que de fato reforçou a estrutura com uma espécie de "coluna" para impedir problemas, o dispositivo ainda está suscetível a quebras quando forçado em certos ângulos. Ainda assim, algumas características impressionam, como a tela "Tandem OLED", que parece resistir muito bem ao calor.

A maioria das etapas do teste de Zack não surpreende, e segue o esperado para um dispositivo moderno: a estrutura é feita em alumínio, enquanto a tela adota vidro temperado, que apresenta marcas ao ser exposto a uma ferramenta de dureza nível 6 na escala Mohs, e riscos mais profundos no nível 7.

Com isso em mente, o criador de conteúdo levanta uma preocupação curiosa em relação ao novo Magic Keyboard, cuja base, que entra em contato com o display, é feito em alumínio nesta geração. Os metais representam níveis diferentes da escala de dureza e, em resumo, o teclado tem potencial de gerar leves marcas no vidro. O YouTuber deixa claro que a dobradiça impede qualquer movimento que poderia levar aos riscos, mas pode ser uma boa ideia ter atenção a essa possibilidade.

Continua após a publicidade

Outro aspecto positivo e fora do comum é a alta resistência da tela OLED ao calor da chama de um isqueiro — mesmo após ser exposto ao fogo por mais de 60 segundos, a tela parece não sofrer qualquer efeito. Zack especula que isso pode ser resultado da tecnologia do Tandem OLED, que combina dois painéis em um. A maior área do tablet, que ajuda a espalhar o calor, também pode ter papel nessa característica.

O trecho mais aguardado do teste envolve a aplicação de pressão no corpo do dispositivo, com o objetivo de checar a rigidez. Sendo o produto mais fino da gigante, a novidade tem causado discussão, especialmente após declarações da marca sobre o uso de uma "coluna" central para fortalecer a estrutura. Zack destaca que consegue sentir essa estrutura através da tela e, ao forçar o novo iPad, obtém resultados mistos.

De fato, o modelo mostrou estar mais resistente, ainda que seja bastante flexionando a ponto de descolar um trecho da tela. No entanto, o cenário muda quando o YouTuber força o aparelho na vertical, levando o lançamento a estourar a extremidade da porta USB-C e quebrar o vidro e os painéis OLED. É interessante destacar que esse tipo de estresse tende a ser menos comum, mas o resultado é um alerta para quem costuma soltar o iPad em uma mochila sem proteção.

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

O "lado positivo" da quebra é que ela nos permite ver detalhes até então desconhecidos dos componentes internos, como o visual do novo chip M4 — cuja aparência segue idêntica aos antecessores, ao trazer um dissipador de calor e os dois chips de memória integrados — e a grande bateria de 10.209 mAh, que diminuiu levemente a capacidade em cerca de 5% frente aos 10.785 mAh da geração anterior, com chip M2.

Já disponível no exterior, o iPad Pro M4 tem como maiores destaques os recursos avaliados por Zack, incluindo a tela OLED, o corpo ultrafino e o processador M4. No Brasil, o tablet ainda não possui previsão para início das vendas, mas os preços são conhecidos: a partir de R$ 12.299 para o modelo de 11 polegadas, e de R$ 15.899 para a versão de 13 polegadas.