Xiaomi confirma que abandonará marca Mi em futuros celulares

Xiaomi confirma que abandonará marca Mi em futuros celulares

Por Renan da Silva Dores | Editado por Wallace Moté | 23 de Agosto de 2021 às 17h05
Matheus Bigogno/Canaltech

Em meio a inúmeros rebrandings, a Xiaomi conseguiu estabelecer diferentes linhas e suas submarcas de peso, como a intermediária Redmi e a acessível POCO. Para quem busca o melhor que a gigante chinesa tem a oferecer depende da linha Mi, que engloba a família principal à qual os recentes Mi 11 e Mi 11 Ultra fazem parte, bem como os experimentais Mi Mix, como o dobrável Mi Mix Fold e o Mi Mix 4, primeiro com câmera sob a tela da empresa.

Em crescimento vertiginoso, e completando 10 anos de vida em 2021, a fabricante parece estar agora pronta para dar mais um passo importante e revirar novamente toda a organização de seus produtos ao abandonar a marca Mi, que deixará de ser utilizada já nos próximos lançamentos da companhia.

Xiaomi deixa de utilizar marca Mi nos celulares

Segundo o portal XDA Developers, um representante da Xiaomi confirmou ao site que a empresa pretende deixar de usar a marca Mi para identificar os celulares premium da fabricante. O Mi Mix 4 (ou somente Mix 4) teria sido o primeiro a deixar a antiga nomenclatura de lado, com os próximos lançamentos seguindo a mesma tendência.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Vale lembrar que, na China, a Xiaomi nunca utilizou o Mi em sua família de smartphones de alto desempenho — o tratamento era uma exclusividade do mercado global. Esse é um dos motivos pelos quais não foi possível ter certeza da situação durante o lançamento do Mix 4, que até então segue disponível apenas no mercado chinês.

O Xiaomi Mix 4 foi o primeiro a abandonar o uso da marca "Mi" no nome (Imagem: Reprodução/Xiaomi)

Um motivo para a decisão não foi revelado, mas o XDA Developers teoriza que a mudança possa estar vinculada justamente ao crescimento da Xiaomi em todo o mundo — a empresa superou recentemente suas maiores rivais e agora ocupa o topo do ranking global de vendas. É possível que, diante disso, a companhia tenha decidido unificar a estratégia de nomes dos aparelhos para a China e o restante do mundo.

A gigante também pode estar aproveitando sua primeira década de vida para repaginar alguns dos conceitos que segue desde o início, ponto corroborado pela entrada inesperada no mercado de automóveis elétricos, por exemplo.

Mi 1 inaugurou a família em 2011

Como lembra o XDA Developers, a marca Mi foi estabelecida antes mesmo dos celulares, com a chegada da MIUI. A ROM customizada do Android era considerada uma das mais atraentes, habilitando funções robustas ao sistema do Google, bastante limitado na época. A estreia dos telefones ocorreu em 2011 com o Mi 1, munido de hardware potente, que incluía chipset Snapdragon S3, 1 GB de RAM e tela LCD de 840 x 480 pixels.

Ainda assim, a família ganhou atenção mundial apenas com a chegada do Xiaomi Mi 3, em 2013. Munido do poderoso Snapdragon 800, o dispositivo chamou atenção pelo desempenho avançado, aliado a 2 GB de RAM, tela Full HD e bateria de 3.050 mAh com carregamento rápido de 18 W. Você pode conferir a linha do tempo completa da principal família de smartphones da Xiaomi em nosso artigo completo.

Fonte: XDA Developers

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.