Acesso a sites de pirataria aumentou 16% em 2021

Acesso a sites de pirataria aumentou 16% em 2021

Por Felipe Demartini | Editado por Jones Oliveira | 01 de Fevereiro de 2022 às 19h20
Reprodução/moritz320, Pixabay

O acesso a sites que disponibilizam conteúdo pirata aumentou 16% em 2021, contrariando uma expectativa de queda nesse tipo de utilização que vinha sendo ventilada por analistas. Os dados colocam as séries de TV como o conteúdo mais buscado em todo o mundo, representando mais da metade das 132 bilhões de visitas registradas em serviços desse tipo ao longo dos primeiros nove meses do ano passado.

O Brasil aparece como o quinto colocado no ranking global de pirataria, contribuindo com mais de 4,5 bilhões de visitas aos sites avaliados. Enquanto isso, os Estados Unidos seguem liderando o ranking, com 10% do volume total de acessos e 13,5 bilhões de visualizações, acima da Rússia (7,2 bilhões), Índia (6,5 bilhões) e China (5,9 bilhões).

Brasil aparece na quinta colocação entre os países que mais visitam sites piratas; para consultoria, aumento registrado em 2021 não deve ser motivo de pânico para os estúdios (Imagem: Divulgação/Akamai)

De acordo com as informações, os filmes mais baixados nos primeiros nove meses de 2021 foram Godzilla Vs. Kong, Liga da Justiça de Zack Snyder e Viúva Negra. Entre as séries, o pódio ficou com Loki, Wandavision e Rick e Morty, nessa ordem — Round 6 pode aparecer em levantamentos futuros para mudar as coisas, já que estreou no final de setembro de 2021, enquanto a pesquisa leva em conta apenas os primeiros nove meses do ano passado, antes da absurda popularidade do seriado da Netflix.

Apenas quando se fala em séries de TV, o levantamento registra um volume de mais de 67 bilhões de visitas e pouco mais de 50% do total. Por incrível que pareça, os livros ficaram em segundo lugar, com 23%, à frente de filmes (11%), música (8%) e softwares (7%), o que inclui tanto aplicativos pagos, bastante procurados na mudança para o home office, quanto jogos eletrônicos.

O levantamento foi feito pela empresa de análise Akamai em parceria com a MUSO, especializada no rastreamento da pirataria, e chama a atenção por números que superam os do mesmo período de 2020, no auge da pandemia. Com as medidas de isolamento social ainda recentes, muita gente isolada em casa recorreu à pirataria em busca de entretenimento, mas, ainda assim, os totais de 2021 representaram, apenas nos primeiros nove meses, mais do que a soma completa do ano anterior.

Segundo levantamento, Loki foi a série mais pirateada de 2021; nos filmes, coroa ficou com Godzilla vs Kong (Imagem: Reprodução/Akamai)

Balanço do navio pirata

Apesar do aumento significativo registrado pelo segundo ano consecutivo, a Akamai aponta que ainda é cedo para afirmar que essa é uma tendência já que o crescimento da pirataria está ligado diretamente à pandemia. A ideia é que, com o retorno das atividades normais no período pós-vacina, os dados voltem ao patamar visto antes do período de isolamento social.

A consultoria aponta dados que mostram, por exemplo, que as visitas a sites de pirataria caíram pela metade entre 2017 e 2020 na Europa. Globalmente, também houve queda de 7% nos acessos entre 2017 e 2018. Numericamente, os dados também mostram baixa, com o aumento de 16% registrado em 2021 representando um volume 35% menor em relação aos 206 bilhões de acessos a serviços desse tipo de três anos atrás.

Em grande parte, a redução no interesse por conteúdos disponibilizados ilegalmente está relacionada diretamente à proliferação dos serviços de streaming, que estreiam conteúdos de forma simultânea na maioria dos países. Enquanto isso, outro dado importante indica que a maior parte dos usuários de sites piratas pagam por pelo menos uma plataforma desse tipo, usando os downloads para consumir materiais de fontes que consideram caras ou não desejam assinar.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.