Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Supervulcão da Califórnia está adormecido, mas mostra bastante atividade interna

Por| Editado por Luciana Zaramela | 31 de Outubro de 2023 às 21h30

Link copiado!

Joshua Hammari, BLM/Domínio Público
Joshua Hammari, BLM/Domínio Público

Segundo estudo do Instituto de Tecnologia da Califórnia (CIT), a caldeira de Long Valley, que abriga um supervulcão de milhões de anos, está com uma câmara de magma se revirando e borbulhando — mas, embora inquieto, o sistema está se resfriando rumo a um longo descanso, e não deve entrar em erupção tão cedo.

A última vez que o grande vulcão do leste da Califórnia, na costa oeste dos Estados Unidos, entrou em erupção, foi há cerca de 100.000 anos. Muito antes disso, Long Valley já havia expulsado cinzas vulcânicas o suficiente para cobrir a cidade do Rio de Janeiro sob um quilômetro de sedimentos.

Continua após a publicidade

Nos dias atuais, a caldeira segue tranquila, mas há poucas décadas, gerava preocupação. Nos anos 1970, uma série de terremotos se originou a partir do local — uma caldeira é uma depressão que fica acima de um vulcão enterrado. A inquietação se seguiu por anos, inflando e murchando o chão. Agora, os cientistas descobriram a razão dessas atividades vulcânicas.

Como acalmar um vulcão

As análises dos geofísicos mostram que a atividade não representa uma super erupção iminente, mas sim o resfriamento da lava. Esse processo pode liberar gás e líquido o suficiente para causar terremotos e erupções pequenas. Em 1980, houve quatro terremotos de magnitude 6 na região, por exemplo.

Para descobrir isso, foram coletados dados geológicos através de um cabo de fibra ótica de 100 quilômetros de comprimento, e métodos de sensoriamento acústico distribuído. Esse sistema, comandado por pesquisadores da Caltech, equivale a 100.000 sismógrafos individuais, conseguindo captar mais de 2.000 eventos sísmicos. A maioria deles não teria sido sentido por um ser humano, caso estivesse passando pela região.

Continua após a publicidade

Com um algoritmo de aprendizado de máquina, as medições foram transformadas em um mapa de alta resolução da caldeira californiana e seu vulcão subterrâneo. As imagens, com alta resolução lateral, chegam a cobrir uma profundidade de 8 km, e algumas chegaram a mostrar detalhes notáveis até 30 km abaixo do solo. O resultado mostra uma separação bem definida entre a grande câmara de magma do vulcão, a 12 km da superfície, e o sistema hidrotermal acima dela.

É no resfriamento dessa câmara mais profunda que os gases e líquidos acabam indo em direção à superfície, fazendo o terreno inflar e causando terremotos. Isso é diferente e muito menos perigoso do que uma erupção vulcânica ativa, quando a magma é forçada para fora da câmara. A atividade sísmica sugere que o topo da câmara de magma de Long Valley tem uma “tampa” endurecida de rocha cristalizada, que foi se resfriando ao longo do tempo.

À medida que a atividade do supervulcão vai se acalmando, seu “coração pulsante” retarda seus batimentos, nas palavras dos cientistas. O plano dos sismólogos é medir estes últimos batimentos a 20 km de profundidade através de um cabo de 200 km de comprimento, repleto de sensores sísmicos.

Continua após a publicidade

Fonte: Science Advances