Publicidade

O que é e como se forma um terremoto?

Por| Editado por Patricia Gnipper | 06 de Fevereiro de 2023 às 12h26

Link copiado!

Imagem: Sanej Prasad Suwal/Pexels
Imagem: Sanej Prasad Suwal/Pexels

Terremotos são fenômenos naturais que consistem em movimentações da superfície terrestre causadas por falhas na camada mais externa do planeta. Estes eventos liberam uma grande quantidade de energia e podem provocar grandes catástrofes, a depender de sua intensidade.

A maioria dos terremotos, na verdade, não chega a ser sentida pela população. O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) estima que cerca de 20.000 terremotos acontecem por ano — o equivalente a 55 abalos sísmicos por dia —, sendo que, historicamente, cerca de 15 destes milhares passam da magnitude 7 em uma escala de 0 a 10.

Como um terremoto se forma?

Continua após a publicidade

A crosta, camada mais externa da Terra, não é totalmente regular: ela é composta por grandes blocos rochosos, chamados de placas tectônicas, que flutuam sobre o manto viscoso logo abaixo. O movimento contínuo destas placas faz com que tensões se criem, tanto no seu interior quanto em seus pontos de encontro, acumulando energia.

Quando a tensão acumulada excede a resistência das rochas na crosta terrestre, a energia é liberada através de uma falha geológica — nova ou já existente. Estas falhas podem até não serem visíveis na superfície, mas a energia liberada no interior da Terra pode se propagar por quilômetros a partir de um ponto inicial chamado hipocentro.

Como ocorrem os terremotos?

Continua após a publicidade

Uma vez que a energia acumulada pela tensão entre os blocos rochosos é liberada, ela viaja através da crosta terrestre na forma de vibrações chamadas ondas sísmicas. Quando chegam à superfície, elas fazem a terra — e tudo que está sobre ela — tremer.

No epicentro, ponto na superfície diretamente acima do hipocentro, as ondas sísmicas podem ser altamente destrutivas. A intensidade dos terremotos diminui com a distância, mas a depender da quantidade de energia liberada, esse fenômeno pode ser sentido ou medido a centenas ou até milhares de quilômetros.