Fortnite dá desconto por fora, é banido pela Apple e caso vai parar na justiça

Por Wagner Wakka | 13 de Agosto de 2020 às 17h45
Divulgação/Epic Games

*Atualizado às 21h com a confirmação da remoção do Fortnite também na Play Store

A Epic está processando a Apple pela retirada de Fornite da App Store. Após um embate jurídico entre as duas companhias, o jogo foi bloqueado na loja do iOS, criando reação imediata da desenvolvedora.

A história, em suma, é a seguinte: a Epic, desenvolvedora do jogo, lançou uma forma de pagamentos direta para Fortnite no iOS e no Android para burlar a fatia que precisa pagar à Apple e ao Google. Os jogadores que comprarem direto com ela ganham um desconto de 20% em relação a quem adquire pelas lojas mobile. Contudo, isso não deixou a Maçã nada feliz, a qual reagiu retirando o jogo da sua loja.

O caso começou com a promoção da Epic para compra de V-bucks — assim chamadas as moedas dentro do game. A empresa oferece a aquisição dos itens pela App Store ou Play Store (a depender do seu sistema operacional), os quais são tabelados como “preço normal”. Caso você pague pelo link direto para a Epic, ganha 20% de desconto em Fortnite.

Imagem: Reprodução/The Verge

A ideia aqui é fugir da fatia de 30% que ambas lojas cobram nesta movimentação. “Atualmente, não há como economizar se os jogadores usam as opções de pagamento de Apple e Google, nas quais Apple e Google ficam com a taxa exorbitante de 30% em todos os pagamentos”, ressaltou a companhia em nota oficial. Ainda, a empresa disse que “se Apple e Google baixarem suas taxas em pagamento, a Epic pode, então, transferir a economia para os jogadores”.

Em resposta, a Apple baniu o jogo da sua loja. De acordo com nota da Apple para o The Verge, este movimento viola as políticas da App Store. "Hoje, a Epic Games deu um infeliz passo que violou as regras da App Store, as quais mantêm igualdade a quaisquer desenvolvedores, feitas para manter a loja segura para nossos usuários. Como resultado, o app Fortnite foi removido da nossa loja", cravou a empresa.

A Maçã foi clara em dizer que o problema foi a mudança de pagamento. De acordo com a nota, a empresa vai trabalhar com a Epic Games em uma forma de trazer Fortnite novamente para dentro do iOS.

Google também remove Fortnite de sua loja

Até o início da noite, o Google ainda mantinha o Fortnite na PlayStore. Contudo, um pouco mais tarde, a companhia também confirmou a remoção, por razões semelhantes aos apontados pela Apple: “O ecossistema aberto do Android permite que os desenvolvedores distribuam aplicativos por meio de várias lojas de aplicativos. Para desenvolvedores de jogos que optam por usar a Play Store, temos políticas consistentes que são justas para os desenvolvedores e mantêm a loja segura para os usuários", diz comunicado oficial da Gigante das Buscas

"Embora Fortnite permaneça disponível no Android, não podemos mais disponibilizá-lo na Play Store porque o jogo viola nossas políticas. No entanto, agradecemos a oportunidade de continuar nossas discussões com a Epic e trazer Fortnite de volta ao Google Play", complementa.

Cabeça erguida

A Epic Games já estava ciente que isso aconteceria e aproveitou o episódio para debochar da Apple. Em uma postagem no Twitter, a conta oficial do Fortnite anunciou a “estreia” de um falso documentário em curta-metragem chamado Nineteen Eight-Fortnite, que seria exibido na área de jogo Party Royale.. Mas, na verdade, essa provocação, porque faz uma referência sarcástica ao famoso anúncio da Apple exibido no Super Bowl de 1984. O comercial mostrava a Maçã “derrubando” um regime extremo parecido com o visto na obra 1984, de George Orwell — seria uma ironia ao suposto monopólio praticado pela App Store.

A Epig Games sabe que tem poder nas mãos. De acordo com dados do SensorTower, só no iOS o jogo fatura US$ 30 milhões mensais. Ou seja, 30% para a Apple seriam próximo a US$ 10 milhões. Com isso, a desenvolvedora entrou com um processo contra a Maçã na justiça de São Francisco, alegando que a dona da App Store estaria com postura anti-competitiva. O argumento da Epic é de que a gigante não pratica a mesma taxa em programas no macOS, em que desenvolvedores podem oferecer produtos com apenas 3% de taxa, ou seja, um décimo do cobrado na App Store.

A movimentação jurídica ainda mostra um posicionamento político da Epic, quando ela aponta que não quer compensações financeiras no caso. "A Epic não busca nem mesmo um tratamento favorável para si mesma, como uma companhia única. Pelo contrário, a Epic está buscando um alívio injuntivo que permita a competição justa nestes dois mercados, que afetam centenas de milhões de consumidores e dezenas de milhares, se não mais, de desenvolvedores terceiros", completou a empresa.

Lucro

Com esta movimentação, a desenvolvedora ainda consegue aumentar a sua margem em 10%, tendo em vista que dá apenas 20% nos descontos sem a cobrança de 30% das lojas. As pessoas podem fazer o pagamento diretamente usando cartão de crédito ou via PayPal.

A funcionalidade só está disponível em uma lista restrita da Epic, da qual o Brasil não faz parte. Ou seja, por aqui, é preciso ainda usar a loja da Apple ou do Google para fazer a compra de V-bucks.

Segundo a Epic, a empresa já fez o processamento de mais de US$ 1,6 bilhão de pagamentos com sucesso, mostrando o nível de segurança da plataforma. Os descontos de 20% também valem para compradores de V-bucks no PC e consoles.

A briga das taxas

Este é mais um episódio relacionado a tentativas, principalmente da Apple, de não perder o seu filão nos games. Em agosto de 2018, a Epic Games, impulsionada pelo estrondoso sucesso de Fortnite e por discussões semelhantes sobre monopólio nas lojas virtuais do Google e da Apple na Europa, decidiu encarar as gigantes de frente: lançou Fortnite para Android fora da Play Store e passou a criticar agressivamente as políticas de preços das duas companhias — contudo, em abril deste ano, a Epic recuou e lançou o jogo dentro da loja da Gigante das Buscas.

Em dezembro de 2019, a Epic Games tentou a isenção das taxas na Justiça, alegando cobrança ilegal em plataforma que superar os 50% de participação global no mercado — o que atingia diretamente o Android. Mas o pedido teria sido negado.

Fatias cobradas dos desenvolvedores no Steam e na Epic Games Store (Foto: Divulgação/Epic Games Store)

A taxa de publicação é um assunto caro à Epic. Quando a empresa lançou a sua própria loja no PC, este foi um dos principais pontos em comparação ao Steam. Os desenvolvedores que publicam jogos na Epic Game Store pagam somente 12% à empresa, sendo que no Steam esta fatia é de 30%, como nas plataformas da Apple e do Google.

Fonte: Epic Games, UnrealEngine (processo oficial)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.