Apple, Samsung, Xiaomi? É a Microsoft que mostra como se faz na hora de inovar

Por Rui Maciel | 05 de Outubro de 2019 às 15h00
Reprodução
Tudo sobre

Microsoft

Saiba tudo sobre Microsoft

Ver mais

Se você acompanha o Canaltech, deve ter lido a matéria "A mesmice do iPhone 11 e fim da era dos smartphones como a conhecemos". Se você não leu, o artigo, basicamente, explica como as principais fabricantes de celulares vêm apresentando mais do mesmo ao longo dos últimos anos e continuarão apenas com essas melhorias cosmésticas, até que a nova era dos smartphones comece de verdade: aparelhos com telas dobráveis, que se transformam em tablets e apostam na alta produtividade do usuário.

No entanto, o artigo em questão cometeu um erro: ele falou das mesmices de Apple, Xiaomi, Samsung, Huawei e outras, e esqueceu de uma empresa: a Microsoft. Em parte, isso era justificável, já que a criadora do Windows abandonara o mercado de smartphones há uns dois anos, depois do fiasco do Windows Phone.

E aí, eis que, na última quarta-feira (2), a Microsoft, durante o evento de apresentação dos novos dispositivos da linha Surface, resolve nos surpreender com o "brinquedinho" abaixo. Dê uma olhada no vídeo e volte comigo depois:

Assistiu? Bem legal, né? Sem contar que qualquer comercial fica bom tendo Something's Got A Hold On Me, da Etta James, como trilha. Divagações à parte, o fato é que a Microsoft deixou muita gente de queixo caído com o Surface Duo, um smartphone Android, com tela dupla, de 5,6 polegadas cada, que permite a execução de aplicativos diferentes ao mesmo tempo. E, de quebra, ainda faz com um display funcione em sincronia com o outro, transformando-se em teclado ou joystick para games, por exemplo.

O aparelho será lançado no final do ano que vem, então pouco sabemos sobre a sua configuração, exceto que ele, hoje, tem um processador Snapdragon 855 e seu Android é 9 Pie. Mas tudo isso, incluindo novos elementos de hardware, deve mudar até o dia da sua chegada às lojas. De qualquer forma, o assunto aqui é outro.

Mas antes de falarmos sobre isso, dê um olhada no outro vídeo abaixo e volte aqui comigo depois:

Demais, não? O Surface Neo é uma espécie de "irmão anabolizado" do Duo, um dispositivo dobrável, com duas telas e que roda o Windows 10X, uma versão do sistema operacional focada em aparelhos com displays duplos. O aparelho inteiro pesa 655 gramas, contando ainda com o visor de LCD mais fino já criado, segundo a companhia, e ainda trazendo a tecnologia Gorilla Glass.A novidade chega também com uma nova caneta Surface Pen, que vem na parte traseira do dispositivo, e com teclado físico que pode ser acoplado ou não de forma magnética. O acessório conta com as opções de ser posicionado sobre um dos paineis, deixando o Surface Neo com formato de notebook, ou separadamente, deixando ambas as telas livres.

Assim como o Duo, o Surface Neo deve chegar no final do ano que vem.

E por que eu mostrei esses dois dispositivos para vocês? Porque, depois de inúmeras coberturas de lançamentos de smartphones e tablets nos útimos anos, sempre bocejando diante da mesmice apresentada por Apple, Samsung, Huawei, LG, Motorola, Xiaomi e afins, cheguei à conclusão: é a Microsoft hoje, quem chuta a bunda da concorrência e mostra como se deve inovar no mercado mobile.

É assim que se faz, meu povo!!

No livro Steve Jobs, biografia oficial do co-fundador da Apple, escrita por Walter Isaacson, o autor conta que antes de lançar o iPhone, a equipe responsável pelo projeto na Maçã comprou os principais modelos da concorrência para descobrirem o que NÃO fazer. Depois de analisar cada um minuciosamente, eles tiveram expertise o suficiente para lançar um modelo próprio, sem os defeitos dos rivais e com melhorias, funções e uma tela verdadeiramente multitouch. O resto é a história que vocês conhecem hoje.

E, para o lançamento dos Surfaces Duo e Neo, parece que a Microsoft fez a mesma coisa. Analisou o que os concorrentes fizeram e viu o que NÃO fazer antes de desenvolver os dispositivos em questão. Junte isso ao fato da companhia ter uma bela tradição no desenvolvimento de ótimos hardwares (Xbox, teclados, mouses, Kinect, a própria linha Surface e até o Zune) e voilá: temos dois dispositivos que podem mostrar ao resto do mercado como se faz nessa nova geração de dispositivos móveis.

Isso porque tanto o Duo, quanto o Neo foram pensados em facilitar a vida do usuário. Você é estabanado e se preocupa em quebrar a tela? Sem crise. Os dois têm o formato de um caderno e os displays se fecham protegidos por um acabamento de plástico. No caso do Neo, os periféricos parecem funcionar com perfeição, sem exatamente prejudicar o design do equipamento. Os apps rolam com fluidez pelas telas e o uso do teclado para gerar um touchbar ou um track pad beira genialidade em termos de engenharia e design. E, dependendo da configuração final do dispositivo, ele pode funcionar perfeitamente como um notebook para tarefas cotidianas.

Surface Neo: a genialidade em termos de engenharia e design / Reprodução: Tech Advisor

O mesmo vale para o Duo. Claro que o tamanho da tela não a torna exatamente cômodo para atender uma chamada de voz, mas, convenhamos: já existem smartphones com telas até maiores e ninguém reclama de fazer ou receber uma ligação nela (além disso, use um fone de ouvido, se for o caso). E outra coisa: quem depende tanto assim de chamadas de voz hoje em dia? WhatsApp e afins estão aí para resolver tudo. Pense em todas as possibilidades que o smartphone te dá na hora digitar textos, jogar games, fazer uma videochamada enquanto checa seus e-mails e muito mais.

O fato é que, ao contrário de concorrentes como a Samsung e seu Galaxy Fold e a Huawei e seu Mate X, a Microsoft apresentou dispositivos mais robustos, bem acabados e, tão importante quanto, deixou os jornalistas testarem os aparelhos, mesmo que ambos estejam em fase de protótipo. E a primeira impressão do dois foi muito boa.

Mas fica a pergunta: os Surfaces Duo e Neo darão certo? Difícil responder nesse exato momento, até porque ainda precisaremos ver como ficará a versão final de ambos no final do ano que vem e, claro, quanto eles custarão. Mas o fato é que a Microsoft mostrou para a concorrência como é que se inova em um oceano de mesmice. E apontou um caminho bem interessante para o futuro do hardware mobile.

Esqueçam os falsos hypes de apresentações de Samsung, Apple ou Xiaomi. Os eventos mais legais de acompanhar, hoje, são da Microsoft.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.