O que é overclock?

O que é overclock?

Por Lupa Charleaux | Editado por Wallace Moté | 06 de Abril de 2022 às 09h50
Christian Wiediger/Unsplash

O termo overclock é bem comum entre os usuários experientes de computadores, mas ainda deixa muitas dúvidas sobre o real significado. Neste guia, o Canaltech explica o que é essa prática, quais componentes podem ter o desempenho melhorado e as vantagens e desvantagens do método.

O que é overclock?

O overclock é um método usado para aumentar o desempenho de um componente do computador além dos padrões de fábrica. Essa é uma prática bem comum entre usuários mais experientes.

Em geral, as pessoas forçam a “velocidade de clock” das peças, ampliando a quantidade de cálculos que a máquina pode realizar por segundo. Isso pode trazer diferentes benefícios conforme o uso do computador em questão.

O overclock pode ser útil tanto para gamers quanto para profissionais das áreas de design e engenharia (Imagem: Balkouras Nicos/Unsplash)

Para os gamers, o overclock melhora a performance em jogos que não exigem muitos dos gráficos e exploram os recursos de inteligência artificial. Algo comum em games de estratégia em tempo real como Age of Empires IV e Civilization VI.

O método também traz benefícios para profissionais que usam softwares de edição de imagem e modelagem 3D. Entretanto, o desempenho do PC pode variar bastante de programa para programa.

Por esses motivos, o overclock não é uma prática que pode ser usada por todos os usuários ou em qualquer situação. O recomendado é que essa aceleração do hardware seja realizada em determinadas situações e de maneira pontual.

Acaba sendo um desperdício aplicar o método em um PC que realiza apenas tarefas básicas do dia a dia, como navegar na Internet ou usar o pacote Office. Como veremos mais adiante, isso também pode afetar a vida útil dos componentes.

As CPUs são os componentes mais comuns para o uso de overclock (Imagem: Christian Wiediger/Unsplash)

Quais componentes podem receber overclock?

Além do processador, o overclock pode ser aplicado em outras peças do computador. Algumas delas trazem resultados realmente consideráveis, enquanto outras não influenciam tanto no desempenho da máquina.

CPU

Como dito, o processador é o componente que mais recebe overclock. Essa prática se tornou tão comum que alguns fabricantes disponibilizam a opção de forma nativa para os usuários explorarem toda a “potência” dos chips.

Alguns modelos de CPUs da série Ryzen da AMD permitem que os usuários ampliem a velocidade de clock em busca de melhor performance. Contudo, outras marcas como a Intel ainda tentam “impedir” a prática.

O resultado do overclock no processador é o aumento do número de ciclos de cálculos contabilizados em GHz. Assim, um chip de 2,8 GHz (2,8 bilhões de cálculos por segundo) pode ser potencializado para trabalhar com 3 GHz (3 bilhões de cálculos por segundo).

Entretanto, esse é um esquema bem complexo para pessoas com pouca experiência em hardware. Mesmo em CPUs que oferecem a opção de forma nativa, é indicado ter conhecimento prévio do tema.

Com resultados bem variaveis, as GPUs também podem ter ganhos de desempenho com o overclock (Imagem: Lucas Kepner/Unsplash)

GPU

As placas de vídeo também podem ter overclock e parte dos modelos para desktops não têm bloqueios contra o método. Em geral, os gamers realizam a aceleração visando obter gráficos melhores e carregamento mais rápidos de cenários em jogos de PC.

Embora seja um procedimento mais simples do que as CPUs, há softwares especializados que auxiliam os usuários a ampliar a potência da placa. Entretanto, a melhoria de performance pode variar bastante de GPU para GPU.

Uma placa gráfica de uma marca consegue ter um desempenho elevado com um usuário, mas o mesmo modelo pode não ser tão eficiente com outra pessoa. Por conta disso, a inconsistência de resultados é quase uma “loteria do silício”.

As memórias RAM de PCs também podem receber um aceleramento de hardware (Imagem: Luan Gjokaj/Unsplash)

Memória RAM

Sim, é possível realizar overclock da memória RAM de um computador. Porém, o processo tem o mesmo nível de complexidade da CPU e o ganho de desempenho pode variar bastante.

Embora seja pouco perceptível a influência na maioria dos softwares, o método mostra um excelente resultado com memórias DDR4. Já em peças antigas com padrão DDR3, não há uma melhora significativa na performance do PC.

Em geral, os usuários realizam overclock de RAM em Unidades de Processamento Acelerado (APU). Essa combinação de CPU com GPU em um único chip costuma compartilhar recursos de memória.

Diferentes das GPUs, que apresentam RAM mais rápidas do que os modelos DDR3 ou DDR4, as APUs trabalham com uma RAM mais lenta. Então, a aceleração traz um ganho significativo de desempenho para diferentes atividades.

O overclock também pode ser usado em monitores (Imagem: Fotis Fotopoulos/Unsplash)

Monitor

O overclock também pode ser usado para alterar a resolução e aumentar a taxa de atualização de um monitor. Entretanto, os resultados costumam ser bem modestos.

Um display pode ter uma configuração que “limita” a exibição dos conteúdos com resoluções inferiores a 800 x 600 pixels e taxa de atualização de 75 Hz. Ao usar a aceleração, a tela pode atuar com resolução nativa de 1080p usando overclock de 75 Hz.

Simples de ser aplicado, essa forma de overclock pode ser feita pelo painel de controle de GPUs da Nvidia ou AMD. Caso a resolução ou a taxa de atualização não funcione como esperado, basta voltar para a antiga configuração.

Como dito, os resultados são mais limitados e compatíveis com o poder da tela. Não espere fazer um monitor de 1080p ter a qualidade de imagem 4K, ou um display antigo de 60 Hz atingir 144 Hz de taxa de atualização.

O overclock pode ser um meio de explorar todo o potencial de uma máquina e economizar com novas peças (Imagem: Lukas Weber/Unsplash)

Quais as vantagens do overclock?

A maior vantagem do overclock é o ganho de desempenho em determinados cenários. Explorar o potencial de uma CPU ou da memória RAM pode contribuir para deixar a máquina ainda mais potente para executar certas tarefas.

Os resultados da aceleração do hardware das GPUs e monitores podem ser satisfatórios para alguns usuários. Principalmente, as pessoas que buscam melhorar a performance e a experiência em jogos para PC.

A princípio, o usuário consegue economizar dinheiro ao extrair mais potência de uma peça antiga e mais barata, o que pode ser vantajoso para quem realmente não possui meios financeiros para atualizar a máquina.

O overclock pode exigir sistemas de resfriamento mais completos e coolers mais potentes (Imagem: Alexandru-Bogdan Ghita/Unsplash)

Quais as desvantagens do overclock?

Por outro lado, o overclock deve ser usado com bastante parcimônia. Isso porque o método possui várias desvantagens a curto, médio e longo prazo.

O processo exige um grande consumo de energia, fazendo com que as peças do PC esquentem mais. Por isso, é essencial um ótimo sistema de resfriamento ou coolers mais potentes para dissipar o calor interno do gabinete.

Além disso, a alta temperatura pode reduzir significativamente a vida útil das peças com overclock. Tal como, o método tende a causar instabilidades no sistema ou em determinados softwares durante o uso.

Com isso, a pequena economia com overclock pode virar um custo maior com a troca de um chip ou outro componente antes do tempo. Pensando em um cenário ideal, apenas as máquinas mais potentes – e mais caras – realmente conseguem executar o processo de aceleração de forma “segura”.

Conseguiu tirar as dúvidas sobre o que é overclock? Não esqueça de compartilhar o conteúdo com mais pessoas que desejam conhecer mais sobre esse método!

Fonte: WePC, Digital Trends

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.