Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Europa aprova lei que obriga iPhone a usar porta USB-C

Por| Editado por Wallace Moté | 04 de Outubro de 2022 às 10h42

Link copiado!

Victor Carvalho/Canaltech
Victor Carvalho/Canaltech
Tudo sobre Apple

Concluindo mais um passo para tornar o uso do USB-C obrigatório em eletrônicos, o Parlamento Europeu aprovou a proposta em votação realizada nesta terça-feira (4). O projeto de lei, que deve entrar em vigor a partir de 2024, promete facilitar a vida dos consumidores e reduzir o lixo eletrônico, mudando ainda radicalmente a estratégia de empresas como a Apple, agora obrigada a remover a porta Lightning de iPhones e outros acessórios em favor da conexão universal.

Anunciado em setembro do ano passado, o plano obriga fabricantes de dispositivos eletrônicos que operam na Europa a utilizar a porta USB-C como conexão padrão de energia e transferência de dados, e foi aprovado por 602 votos a favor, 13 contra e 8 abstenções. A ideia, segundo os parlamentares, seria não apenas reduzir a geração de lixo eletrônico, como também de dar mais escolha aos usuários, especialmente visando um consumo mais sustentável.

O comunicado à imprensa deixa claro que "independente da fabricante, todos os novos celulares, tablets, câmeras digitais, headphones e headsets, consoles de videogame e caixas de som portáteis, e-readers, teclados, mouses, sistemas de navegação portáteis, earbuds e laptops que são recarregados via cabo, operando com entrega de energia de até 100 W, terão de ser equipados com porta USB Tipo-C".

Continua após a publicidade

Equipamentos lançados antes da lei entrar em vigor, no outono de 2024 (primavera no Brasil), não serão obrigados a realizar a transição, e poderão ser vendidos mesmo após a conexão se tornar obrigatória — o projeto só afetará aparelhos que chegarem às lojas após esse período. Mesmo assim, a medida terá grande impacto no portfólio da Apple, única empresa a seguir apostando em uma conexão proprietária de alimentação nos iPhones, AirPods e outros acessórios.

Ainda de acordo com o anúncio, o parlamento também poderá regulamentar tecnologias de carregamento sem fio a partir do fim de 2024, exigindo que as empresas que possuam métodos próprios os tornem mais abertos e compatíveis com outras soluções. Dito isso, não está claro se o MagSafe da Maçã seria diretamente afetado, considerando que o método já possui interoperabilidade com o Qi, atual padrão do mercado.

Vale destacar que, em 2018, a União Europeia já havia demonstrado interesse em estabelecer o USB-C como conexão comum estabelecida por lei, mas a proposta acabou não saindo do papel. Na época, a Apple afirmou que "forçar uma porta de alimentação comum à indústria limitaria a inovação e geraria lixo eletrônico por obrigar os consumidores a adquirir novos cabos".

Curiosamente, enquanto a porta Lightning utilizada pela gigante mantém velocidades de até 60 MB/s do protocolo USB 2.0 e limita o carregamento dos iPhones e outros acessórios a 20 W, o USB-C já chegou à sua 4ª geração proporcionando taxas de transferência que beiram os 8 GB/s e possibilitando recargas de 240 W, cenário que refuta o antigo argumento da companhia.

Brasil também pode tornar USB-C obrigatório

A iniciativa de padronização da União Europeia incentivou outros países a desenvolverem projetos similares, incluindo Estados Unidos, Índia e até mesmo o Brasil, cuja agência de telecomunicações, a Anatel, realizou até 26 de agosto de 2022 consulta pública para definir se deve ou não estabelecer em lei a obrigatoriedade do USB-C.

Continua após a publicidade

A proposta tem similaridades com o projeto europeu, incluindo o uso de marcações mais claras sobre a velocidade máxima de carregamento de cabos, dispositivos e acessórios, mas conta com algumas peculiaridades.

A mais importante e menos animadora é que a iniciativa brasileira cobriria apenas smartphones, deixando de lado fones, laptops, periféricos e outros aparelhos. Além disso, não há menção a uma padronização das tecnologias de carregamento sem fio, que poderiam manter recursos proprietários. A agência ainda não trouxe novidades sobre o caso — as colaborações da consulta estariam sob análise.

Fonte: Parlamento Europeu, MacRumors