O que é um SoC?

ARM, criadora das especificações utilizadas na maioria dos SoCs

A evolução das técnicas de fabricação permitiu que os componentes se tornassem tão pequenos que agora um único chip é capaz de conter processador, memória e até placa de vídeo, recebendo uma classificação especial conhecida como SoC (System on a Chip - Sistema em um chip).

Linha Tegra, da Nvidia

Antes restritos a grandes centros de automação devido ao seu baixíssimo consumo de energia, custo e boa performance, os SoCs começaram a fazer parte de nosso dia a dia com o aumento das vendas de smartphones e tablets, e atualmente é possível encontrar até computadores completos do tamanho de um pequeno bloco de notas equipados com eles.

Os modelos mais conhecidos que vemos atualmente são o Tegra, fabricado pela Nvidia e o Exynos da Samsung, sinônimos de alto desempenho para equipamentos móveis como o ASUS Transformer TF201 e o Samsung Galaxy S3, respectivamente. Ambos são modelos quad-core com excelente capacidade multitarefa e de rodar jogos em altíssimas resoluções.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Snapdragon, da Qualcomm

Ambos os SoCs acima possuem processamento de sobra para executar a maioria das tarefas que estamos acostumados, como ver filmes, editar textos, navegar pela internet e muito mais com uma eficiência energética muito maior do que os Intel Core i7 e AMD Bulldozer.

Mas se eles são tão bons, por que não vemos computadores equipados com eles à venda?

Grande parte dos sistemas operacionais e aplicativos foram escritos para funcionarem em processadores com conjunto de instruções x86 (32 bits) ou x64 (64 bits), e os SoCs utilizam sua própria arquitetura de funcionamento conhecida como RISC, adotada pela ARM (maior fabricante de SoCs do mundo), o que gera um problema de compatibilidade na hora de executar esses programas.

Linha OMAP, da Texas Instruments

A solução? Recompilar todos os programas escritos para rodar nos PCs que utilizamos atualmente para que funcionem na arquitetura RISC, o que é inviável do ponto de vista técnico. Algumas distribuições Linux possuem versões otimizadas para rodar em SoCs ARM com uma quantidade relativamente menor de programas disponíveis, mas o problema se torna consideravelmente grande quando pensamos no Windows.

Até o Windows 7 em 2009, a Microsoft nunca tinha projetado uma versão de seu sistema operacional que rodasse com fluidez em arquiteturas RISC pela pouca demanda que ela trazia, o que seria o primeiro passo para que os fabricantes de software começassem o processo de adaptação de seus softwares para suportar o conjunto de instruções que os SoCs ARM utilizam.

O Windows 8 é a primeira versão completa desenvolvida pela Microsoft que possui uma versão ARM. Ela é , projetada para abocanhar parte do mercado de tablets, além de qualquer dispositivo com tela sensível ao toque que seja capaz de rodar a nova interface Metro da empresa. Se esse sistema tiver sucesso poderemos ver muitos computadores equipados com SoCs em um futuro relativamente próximo.

Até a Intel, maior fabricante de processadores do mundo, entrou no mercado de SoCs

O consumidor será o grande vitorioso dessa história, escolhendo um computador da linha "Tegra Quad-Core" ou "Exynos Dual-Core" sem ter que se preocupar com a velocidade de processamento, quantidade de memória ou qual placa de vídeo ele está equipado. Ao adquirir um Tegra 3 ele saberá automaticamente do que o computador é capaz de rodar ou não.

Segundo pesquisas, os dispositivos portáteis com telas sensíveis ao toque, como tablets e smartphones, substituirão o desktop em grande parte das tarefas com as quais estamos acostumados, como enviar e receber e-mails, realizar pesquisas, organizar nossa agenda e muitas outras, deixando as tarefas pesadas e jogos de altíssima resolução para os PCs.

A5X, chip que equipa o Novo iPad, fabricado pela Samsung

A linha que separa o que é possível fazer em dispositivos móveis e o que ainda depende de um computador está ficando cada vez menor. Alguns aparelhos, como o smartphone Motorola Atrix 2, transformam-se em verdadeiros computadores ao serem conectados ao monitor, teclado e mouse. Ou seja, o futuro da tecnologia está atrelado ao desenvolvimento dos SoCs.

Acredita que no futuro teremos um tudo-em-um que carregaremos no bolso ou acha que os computadores de mesa nunca serão substituídos? Compartilhe sua opinião conosco!

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.