Saiba como ESA e NASA trabalharão juntas para trazer rochas marcianas à Terra

Por Patrícia Gnipper | 13 de Abril de 2020 às 22h00
NASA

O solo marciano já vem sendo analisado, presencialmente, há vários anos. Missões como a do rover Curiosity, por exemplo, são essenciais para aprendermos mais sobre a composição do terreno de Marte — e a vindoura Mars 2020, que levará para lá o rover Perseverance, continuará esse trabalho, desta vez buscando por bioassinaturas que possam indicar que, um dia, já existiu vida microbiana por lá. E esse rover da NASA justamente será equipado com um instrumento de coleta de amostras, que, posteriormente, deverão ser trazidas à Terra. E é aí que entra a parceria da agência espacial europeia ESA nessa empreitada.

"A missão de devolução das amostras do Perseverança será um feito sem precedentes na história da exploração espacial, envolvendo uma viagem de 53 milhões de quilômetros, a coleta de amostras e o lançamento de um veículo de retorno à Terra. A missão durará uma década e envolverá quatro lançamentos, o último dos quais terá origem em outro planeta", explica a ESA em comunicado.

O Perseverance será lançado entre julho e agosto deste ano (isto é, caso o cronograma não sofra atrasos por conta da pandemia de COVID-19) e, quando chegar ao Planeta Vermelho, passará pelo menos um ano explorando a superfície marciana, o que envolverá a coleta de amostras do solo e de rochas. Essas amostras ficarão guardadas em cilindros metálicos do tamanho de um charuto, que serão deixados lá na superfície do planeta para serem resgatados posteriormente.

Esse resgate não será feito apenas quando humanos pisarem em Marte pela primeira vez, o que deverá acontecer em meados da década de 2030. Isso acontecerá já nesta década de agora, com um rover projetado especialmente para tal, cujo lançamento está previsto para o ano de 2026. Sua chegada deve acontecer em 2028 e, após o resgate dos cilindros, esse rover as entregará a um foguete que estará a bordo de seu módulo de pouso. O voo de volta à Terra, então, começará em 2029.

Mas, antes disso, uma vez que o foguete estiver na órbita baixa de Marte, entra em ação, enfim, a parceria da NASA com a ESA. A sonda orbital Earth Return Orbiter (ERO), da agência europeia, entrará em contato com o foguete em julho de 2028, garantindo seu retorno ao nosso planeta. Tudo dando certo, as amostrar chegarão à Terra em meados de 2032.

"Essa missão garantirá que as amostras obtidas pelo Perseverance sejam devolvidas à Terra o mais rápido possível. Enquanto a campanha ainda está em fase inicial de planejamento, a ESA está ansiosa para recrutar pessoas com a experiência necessária e fazer a bola rolar", declarou a agência espacial.

Fonte: ESA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.