Desde 1970 a NASA sabe que existe vida em Marte, diz ex-engenheiro da agência

Por Rafael Rodrigues da Silva | 16 de Outubro de 2019 às 23h40
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

Em um artigo publicado na terça-feira (15) na revista Scientific American, Gilbert Levin, um ex-engenheiro da NASA que trabalhou nas missões Viking, faz uma afirmação polêmica: a de que, desde a década de 1970, a agência já sabe que existe vida em Marte.

No artigo, Levin revela que as duas naves Viking, que pousaram em locais bem diferentes do Planeta Vermelho, conduziram uma série de testes para determinar se existia vida no planeta. E um destes testes, que foi baseado no experimento usado pelo cientista Louis Pasteur para provar a existência dos micróbios, retornou um valor positivo para a existência de microorganismos. O resultado obtido teria sido confirmado pela outra nave da missão Viking, que replicou os resultados ao efetuar o mesmo teste em uma região mais de 6.500 km distante de onde a primeira nave pousou.

Levin, que afirma ter passado os últimos 43 anos estudando os resultados obtidos na missão, revela que ao toda a equipe conseguiu quatro testes que resultaram como positivos da presença de vida em Marte, todos com curvas de dados que indicavam a existência de respiração microbiana no solo do planeta, e que eram bem parecidom com os resultados encontrados ao investigar a presença de bactérias no solo terrestre - o que, para Levin, provava que havia sido encontrada a presença de vida microscópica em Marte.

A pergunta que ele faz no artigo é: se a presença de vida em Marte já estava comprovada, por que o governo dos Estados Unidos resolveu esconder essa informação durante décadas?

Mas a realidade não é exatamente essa. O resultado dos testes conduzidos pelas Viking no solo de Marte durante a década de 1970 não foram escondidos como informação confidencial, e nestas últimas quatro décadas diversos cientistas têm analisado esses resultados, mas não há um consenso sobre se eles realmente indicam a existência de vida no planeta. Isso porque os críticos desta afirmação acusam os testes de não serem específicos, com resultados que não se confirmam ao longo de todos os experimentos e, por isso mesmo, inconclusivos.

Levin até mesmo concorda com essas críticas, e são nelas que a maior preocupação do engenheiro está depositada: o fato de que os resultados obtidos pelas missões Viking não foram complementados por outros experimentos que pudessem validar as descobertas feitas pela missão. E isso coloca os atuais planos da NASA sobre um novo prisma, pois a agência estaria pronta para enviar astronautas a um planeta onde não há a certeza da existência ou não de germes, e isso pode colocar os astronautas em um risco desnecessário, pois, caso exista vida microscópica em Marte, será necessário um grande esforço não apenas para não expô-los aos possíveis microorganismos existentes no planeta, mas também para garantir que eles não tragam nenhum desses microorganismos em seu retorno para a Terra.

Assim, Levin conclui que, antes de enviarmos astronautas para Marte, é preciso estudar com maior atenção os resultados dos experimentos feitos pela Viking e compará-los com as mais recentes evidências de que poderia existir vida em Marte - como as recentes descobertas de que, em algum momento de sua evolução, o planeta já teve uma atmosfera e grandes reservatórios de água, o que é o suficiente para fazer com que muitos cientistas acreditem que, ao menos em algum momento, organismos vivos existiram em Marte.

Mesmo que existam muitas teorias de que já existiu vida em Marte - e evidências que suportam essas teorias - ainda não há nenhum consenso científico de que outro planeta além da Terra tenha desenvolvido uma forma de vida. Mas, ao mesmo tempo, é preciso levar muito a sério os avisos de Levin, pois, se realmente existirem microorganismos vivos no solo de Marte, enviar astronautas para lá pode ser algo extremamente perigoso, pois não é possível saber como esses germes e bactérias irão se comportar na atmosfera terrestre caso esses astronautas tragam amostras deles para cá, e seria importante ter a certeza da existência ou não da existência de vida no Planeta Vermelho antes de enviarmos os primeiros humanos para explorar o terreno marciano.

Fonte: Scientific American

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.