Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Máximo solar em 2024 pode causar caos na internet?

Por| Editado por Patricia Gnipper | 14 de Novembro de 2023 às 17h27

Link copiado!

Goddard Space Flight Center
Goddard Space Flight Center

O atual ciclo solar chama a atenção dos especialistas em clima espacial desde 2020 por sua atividade acima do previsto. Uma nova previsão da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) indica que o pico de atividade vai começar em 2024, um ano antes do que se esperava. Para alguns cientistas, isso representa um grande perigo para nós.

Em 2020, quando o ciclo atual ainda estava no início, a NOAA se juntou a um painel formado por várias instituições científicas, cada qual com suas previsões, e concluiu que a essa década seria de tranquilidade em nossa estrela. Em outras palavras, sem muitas explosões em sua superfície.

Contudo, os pesquisadores que monitoram o comportamento do Sol notaram um aumento da quantidade de manchas solares, ficando acima dessas previsões. Essas manchas trazem erupções, que podem gerar ejeções de massa coronal (CME) em nossa direção.

Continua após a publicidade

Um ciclo solar dura em média 11 anos e tem três etapas:

  • Mínimo solar: quando o Sol não apresenta quase nenhuma atividade;
  • Máximo solar: período de maior atividade;
  • Declínio: diminuição rumo ao mínimo solar do ciclo seguinte.

Atualmente, estamos no ciclo de número 25, que teve início em dezembro de 2019 e tem seu máximo anteriormente previsto para 2025. Mas os dados atualizados demonstram que a quantidade de manchas já superou o máximo solar 24 — e ainda temos chão a percorrer.

Observações de manchas solares e suas erupções ajudam os cientistas a prever as tempestades solares com cerca de dois a quatro dias de antecedência (dependendo da velocidade das partículas ejetadas). Essas tempestades são causadas pelas CMEs, que são nuvens de plasma da coroa solar expelidas em direção ao espaço.

O que são tempestades geomagnéticas

Quando essas nuvens atingem nossa atmosfera, ocorre uma tempestade geomagnética. O fenômeno é responsável pelas auroras boreais, mas também representa um perigo para as redes elétricas na Terra. Essa é a principal preocupação do professor Peter Becker, da Universidade George Mason. Ele fez um alerta sobre tais riscos em agosto, quando cientistas da universidade receberam apoio para trabalhar com o Departamento da Marinha para estudar a atividade solar e seus efeitos.

“A Internet atingiu a maioridade numa época em que o Sol estava relativamente calmo e agora está entrando em uma época mais ativa”, explicou. “É a primeira vez na história da humanidade que houve uma interseção do aumento da atividade solar com a nossa dependência da internet”.

Continua após a publicidade

Becker comanda o projeto com o Laboratório de Pesquisa Naval para criar um sistema de alerta que dê tempo de preparo, caso uma tempestade solar perigosa venha em nossa direção. O intervalo é curto: após uma CME poderosa, que pode atingir diferentes velocidades, o tempo para mitigar os efeitos são de dois a quatro dias.

"[A atividade solar e seus impactos nos sistemas da Terra] são especialmente importantes para a Marinha — e, principalmente, para o Departamento de Defesa —, proque as explosões altamente energéticas do Sol podem ter um impacto forte e negativo na comunicação de rádio e de internet na Terra", disse Becker. "E elas podem também ter efeito prejudicial em sistemas de navegação e redes elétricas na Terra", acrescentou.

Quando nuvens de plasma atingem nosso planeta, o campo magnético terrestre nos protege, mas essa interação também pode criar um excesso de carga elétrica indo em direção ao solo. Se necessário, governos, empresas e instituições vão ter poucos dias para tomar providências e evitar uma catástrofe tecnológica.

Continua após a publicidade

Efeitos de tempestades solares na internet

O professor alerta que sistemas de aterramento não resolvem o problema, pois “se você direcionar correntes indutivas para a superfície da Terra, isso pode causar um efeito reverso, e você pode acabar na verdade fritando as coisas que você achava que estavam relativamente seguras".

Becker destaca que a internet não foi projetada para suportar interferências em comunicação em tal proporção. “Se colocar isso no contexto do auge da internet, com seus eletrônicos muito delicados, é algo que poderia fritar o sistema por um período de várias semanas a meses, em termos do tempo que levaria para reparar toda a infraestrutura — todos os interruptores eletrônicos, todos esses armários eletrônicos em todos esses prédios de escritórios. Isso tudo poderia fritar”, alertou ele.

Continua após a publicidade

O professor destacou também os efeitos econômicos causados por fenômenos do tipo. As estimativas de Becker são de que uma evento como este causaria um prejuízo na ordem de 10 a 20 bilhões de dólares por dia, apenas na economia dos EUA.

Fonte: George Mason University, Fox Weather